Colunistas

Mais leve para um ano novo melhor

publicado em 15 de dezembro de 2018 - Por Antônio Carlos de Almeida

Não sou extremamente organizado, mas costumo saber onde estão as coisas que guardo. Há poucos dias, com pressa, necessitei de alguns documentos. Fui a todos os lugares em que poderiam estar. Não os encontrei. Conclui então que estava na hora de fazer uma faxina na papelada. Coloquei para mim que faria isso durante o final de semana. Por incrível que possa parecer, já na segunda pasta encontrei os documentos que tanto procurara em vão dias antes. Toda a limpeza resultou num saco grande cheio de papéis já inúteis. E uma sensação gostosa de alívio, organização e leveza.

A liturgia Católica é rica em detalhes e em alternância de vivências importantes: acolhida dos fiéis, colocar-se diante de Deus, revisão de vida, pedido de perdão, hino de glória a Deus, escuta da Palavra de Deus, preces, ofertas, partilha do pão e do vinho, memória da morte e ressurreição de Jesus, oração do Pai Nosso, pedido pela paz, abraço fraterno, comunhão com Deus e com os irmãos e benção. Logo no início da Missa, os fiéis são conduzidos pelo celebrante a uma revisão de vida e ao pedido de perdão a Deus.

O ato penitencial é de imediato seguido pelo hino de Glória a Deus. Sempre um momento de exaltação e de louvor resultantes do experimentar o amor misericordioso de Deus e do alívio de emoções, lembranças e pecados que pesam e se arrastam. Entoa-se com empolgação o hino de louvor porque a experiência de leveza e libertação é intensa e profunda.

Ao longo de um ano inteiro acumulamos vivências negativas, objetivos não alcançados, pequenas desavenças, omissões, palavras agressivas, isolamento de pessoas com as quais convivíamos de maneira próxima, perdas pessoais e materiais, conquistas adiadas, projetos abandonados. Tudo isso pesa. Nós nos sentimos como que amarrados. Também é comum acontecer de ficarmos presos a acontecimentos que já ficaram no passado, inclusive quanto aos seus efeitos. O remorso é uma emoção que pesa muito, assim como o reviver dia a dia a raiva relativa a coisas que aconteceram, mas que se encontram num passado cada vez mais distante.

Dezembro é um tempo muito adequado para uma faxina de todas essas coisas que carregamos e que já são desnecessárias ou inúteis. Um primeiro passo está em identificar preocupações que já não fazem sentido. Não adianta ficar pensando nelas.

Deixá-las para trás ajuda-nos caminhar doravante com mais leveza e agilidade. Um segundo passo está associado à capacidade de perdoar a nós mesmos no que diz respeito a ações desastradas, pensamentos negativos, palavras inadequadas e omissões graves em diversas situações do passado recente. Arrepender-se e pedir perdão.

Nem um nem outro é fácil, ambos nos levam a uma libertação importante diante de nós mesmos, das pessoas com as quais convivemos e de Deus que sempre nos acompanha com sua misericórdia. O Sacramento da Penitência da Igreja Católica, os atendimentos pessoais das diversas igrejas e as ajudas de profissionais da área da psicologia podem nos ajudar muito nesse passo importante de libertação de amarras do passado.

Aliviados de diferentes tipos de peso do passado, poderemos então iniciar um novo ano com mais leveza, disposição e probabilidade de acerto. Poderemos então ousar em novos projetos. E realizar grandes coisas para a nossa felicidade pessoal e familiar.