Colunistas

Letra de médico

publicado em 16 de novembro de 2019 - Por Antônio Carlos de Almeida

Encontrava-me numa farmácia grande, dessas que sempre tem farmacêutico presente e um grupo de balconistas para atendimento. Já era noite. Esperava minha vez. Pude então observar uma movimentação entre os atendentes. Com um receituário médico na mão, um pedia ajuda a outro para decifrar a prescrição médica.

Vários foram os palpites, ninguém assegurou ser o remédio A, B ou C. A compradora, uma senhora idosa, começou a ficar incomodada: “como tomar um remédio cujo receituário não era decifrado com segurança?” “Como suportar efeitos dolorosos da doença durante mais uma noite sem o alívio esperado do remédio”.

Apesar de uma pequena entrevista com a paciente, nem mesmo o farmacêutico de plantão foi capaz de uma conclusão minimamente segura.

A cada dois meses, para fechar um relatório, analiso algo entre 20 e 30 atestados médicos. De novo, a caligrafia médica traz dificuldades. Acaba exigindo mais tempo. E uma boa dose de adivinhação. Por que essa letra é de difícil leitura? De quem é a responsabilidade no caso de uma interpretação equivocada? De onde veio essa tendência de médicos terem caligrafia sofrível?

Uma razão admitida comumente para isso é o fato do médico atender muita gente em pouco tempo. Precisa ser rápido. Fora relatórios ou orientações mais específicas, escrever com clareza nomes de remédio toma apenas alguns segundos. Somando todas as receitas prescritas durante uma jornada, talvez, não acrescentem mais do que dois ou três minutos na longa jornada de um plantão.

Ademais, hoje, é muito comum médicos se utilizaram de computador, tanto para registrarem as queixas do paciente quanto para exames solicitados, diagnóstico e receituário. Aí fica uma beleza. Legível, compreensível, verdadeiramente orientador.

A letra é uma expressão da própria pessoa. Existem empresas que em seus processos seletivos incluem análise grafológica. Acreditam que a letra de uma pessoa é tão única quanto sua personalidade. Grafologistas dizem que muita pressão indica alta energia emocional.

O escritor pode ser intenso, sensual ou vigoroso. Pressão média significa uma pessoa relativamente calma e centrada. Ela pode ter uma boa percepção ou memória. A pressão leve é um sinal de introversão ou de alguém que prefere situações de baixa energia.

A intenção aqui não é criticar médicos. São profissionais de grande significado na vida de todos nós. É comum ouvir de muita gente: “ele ou ela salvou a minha vida”. “Vá em tal especialista, é muito atencioso, corro prá lá sempre que necessito”. Deixo apenas a dica de que uma clara e objetiva comunicação oral ou escrita é fundamental para brilho profissional e reconhecimento pessoal ainda maiores.

O mesmo vale para profissionais de todas as áreas. Uma comunicação bem feita, simpática, clara e objetiva é decisiva em qualquer processo de atendimento. Nos dias atuais essa necessidade alcança nossos telefonemas, e-mails, whatsapps e demais formas de comunicação. Esta só alcança seu objetivo primordial quando é bem emitida e perfeitamente compreendida.

Ao escrever ou falar, precisamos simultaneamente avaliar em que medida seremos compreendidos, já corrigir possíveis lapsos, já clarear informações obscuras. Mais vale a boa comunicação do que os poucos segundos ganhos na pressa. Correções posteriores sempre são demoradas e desgastantes para aquele que comunica e para aquele que recebe a mensagem.