Colunistas

Jardim de beija-flores

publicado em 23 de julho de 2019 - Por Ambiente em Pauta

Acalma a mente e o coração apreciar o vôo, a leveza e a graça dos beija-flores. Ao vê-los, as pessoas involuntariamente sorriem. E a natureza agradece. Também chamados colibris, os beija-flores são exclusivos das Américas e, só no Brasil, existem mais de 80 espécies, as quais encantam pela diversidade de cores, formas e tamanho.

Com bico fino e língua longa bifurcada, seu principal alimento é o néctar, embora também consuma pequenos artrópodes. Devido ao metabolismo acelerado, necessitam ingerir diariamente o dobro de seu peso. Passam boa parte do dia procurando alimento para suprir suas necessidades calóricas, visitando, em média, 1500 flores/dia. Nessa atividade tornam-se importantes agentes polinizadores, carregando, de uma flor até a outra, o pólen que fica agarrado às penas.

Para nosso deleite, podemos atraí-los de forma contínua a locais onde observamos com facilidade suas graciosas evoluções, ao implantar “Jardins de beija-flores”. Plantando espécies arbustivas e arbóreas que floresçam em todas as estações e produzam flores longas, coloridas, cheias de néctar, fornecemos um prato cheio para os colibris. E, se forem arbustos, como lantana, helicônias ou malvavisco, fica ainda mais fácil observar, bem de perto, a riqueza de detalhes destas joias voadoras.

Em Bragança Paulista a espécie mais facilmente observada é o beija-flor-tesoura, pela bela coloração iridiscente, a cauda em formato de tesoura, sua incrível velocidade e adaptação a áreas urbanizadas.

Onde vamos implantar “Jardins de Beija-flores”? Nos jardins, calçadas, praças, parques e sítios. Quantos mais melhor!!! Para a natureza e nossos corações!