Colunistas

“Für Elise” Livan Beethoven (1870-1827)

publicado em 9 de novembro de 2018 - Por Odila Baisi

O que uma melodia simples faz para poder ser executada por alunos iniciantes ao piano e ainda se alojar no inconsciente coletivo de pessoas de vários países e raças?

Não há uma resposta científica para isso, pois, explicar de onde vem e no que consiste uma fagulha da genialidade é impossível, mas, a sua verdadeira existência é fácil, basta ouvir Beethoven, o compositor que conseguiu criar melodias como a “Fur Elise”, a qual se ouve até em campainhas de telefone celular.

O talento desse compositor não tinha limites para transformar ideias musicais em patrimônios da humanidade, manifestando-se em obras de pequenas proporções como essa, às grandes e complexas sinfonias.

“Para Elisa”, em português, é uma pequena peça para piano solo, composta por Ludwig Van Beethoven em 1810, quando houve um certo interesse por Therese Malfatti, de 18 anos, filha de um de seus médicos em Viena. Há uma suspeita de que essa composição tenha sido dedicada a ela.

O nome Elise pode ser um pseudônimo para não deixar transparecer a identidade, ou então, um erro do copista que a transcreveu pela primeira vez, devido à caligrafia confusa de Beethoven, que então já havia falecido.