Colunistas

Escola sem Partido

publicado em 17 de novembro de 2018 - Por Marcus Valle

         Temos uma grande discussão sobre um projeto chamado “Escola sem Partido”.

Aparentemente, pelo nome, e pelo que diz objetivar, o projeto seria defensável. Ele impõe regras para que os professores não façam doutrinação política aos alunos.

É evidente que “doutrinação”, imposição de ideias, devem ser evitadas, mas a legislação atual já permite que esses casos sejam denunciados e impedidos. São exceções (e não regras) que devem ser combatidas.

2 – Escola sem Partido: censura

          Mas, fazer uma lista de regras do que o professor pode ou não falar (muitas extremamente subjetivas) é altamente equivocado.

Primeiro, porque pode gerar um denuncismo geral, alunos ou pais que queiram prejudicar o professor por outra razão (nota baixa, antipatia etc.) podem usar desses conceitos subjetivos.

Segundo, porque em determinadas matérias, como História, Geografia, Sociologia, Filosofia etc. fica simplesmente impossível ministrar aulas sem expor as várias correntes de pensamento, e no que elas consistem.

Enfim… esse projeto de “Escola sem Partido” na verdade pode se tornar um retrocesso enorme à Educação, aos debates e uma censura absurda à exposição de fatos relevantes. Seria uma escola robotizada, sem democracia, sem informações e ditatorial.

3 – Leis são consideradas ilegais

          Aliás… a Justiça tem negado constantemente várias tentativas de se vedar abordagem de determinados temas nas escolas. Vários Tribunais estaduais (SP, RJ, MG, SE e AM) suspenderam leis municipais que restringiam discussões e debates nas escolas. O STF tem decisão provisória no mesmo sentido.

4 – Projetos dos rojões barulhentos: Audiência

          No próximo dia 23 de novembro às 19 horas, teremos audiência pública na Câmara Municipal para discutir projeto de autoria dos vereadores Beth Chedid e Marcus Valle, que proíbe o uso de rojões de forte estampido no município.

O projeto se refere apenas aos fogos barulhentos (bombas e rojões) e não aqueles de belo visual em shows pirotécnicos.

Vários municípios estão aprovando leis semelhantes.

5 – Projeto: opiniões divergentes

          Esse projeto relativo à proibição de uso de fogos barulhentos tem o apoio de entidades e instituições que protegem deficientes (que são mais sensíveis a esse tipo de poluição sonora).

Também entidades protetoras de animais têm defendido o projeto, visto que cães, gatos e aves sofrem muito com os fortes estampidos.

Contrários ao projeto, comerciantes, fabricantes e funcionários do setor de fogos de artifício, bem como costumeiros usuários em festas e eventos.

O CONDEMA, Conselho de Defesa do Meio Ambiente, presidido pelo professor Joaquim, por unanimidade manifestou-se a favor do projeto, pois é contra a poluição sonora.

6 – Adolescentes internados

          No Brasil, ao contrário do que muitos acreditam, temos muitos presos, 740 mil. Dentre eles, 42%, ou seja, 300 mil ainda não estão condenados. Desses 740 mil, 6% são mulheres e 94% homens.

Já entre os adolescentes (menores de idade), entre 12 e 18 anos, temos 22 mil internados por cometer atos infracionais (equivalente a crimes).

Desses 22 mil, cerca de mil são mulheres (quase 5%).

Esses dados são interessantes, e mostram que embora existam atos graves cometidos por adolescentes, eles são minoria, se comparados aos adultos.

7 – Barulho no São José

         Toda semana (e isso já ocorre desde o meio do ano) recebo reclamações de moradores do Jardim São José, próximo à USF, em relação a poluição sonora (bares abertos até tarde, som alto, veículos com equipamentos sonoros, gritaria com aglomerações de pessoas etc.).Dizem os moradores, que dormir por lá… é muito difícil. Mais uma vez pedem providências da polícia e prefeitura.

8 – História sem fim

          Suspenderam a licitação para a reforma e restauração do prédio do antigo Colégio São Luiz.

Pelo que estamos vendo, não será concluído nesta administração.

9 – Rápidas

          1 – Dia 22 de novembro, 5ª feira, às 19h30, teremos palestra na Câmara Municipal com o desembargador Miguel Ângelo Brandi Junior, com o tema “30 anos de Constituição Cidadã”.

2 – Locais perigosíssimos, constantemente lembrados: a) Entrada do Bairro da Serrinha – estrada Bragança – Piracaia; b) Cruzamento da Rinzo Aoki e a Quinze de Dezembro, próximo ao estádio ao lado do Tanque do Moinho.

3 – Prefeito me ligou dizendo que irá implantar a faixa elevada para pedestres em frente ao “Vitrine do Lago”.

10 – Folclore

          Nessas eleições, notamos que a população quer repudiar a velha política, e sendo assim… muitas novidades (não políticos) acabaram sendo eleitos em diversos cargos. Alguns prometem avanços… outros prometem muita diversão.

Uma atleta, Leila, eleita senadora em Brasília, derrotando políticos famosos, na sua primeira entrevista disse:

Vou trabalhar em detrimento do povo

Aliás, aqui em Bragança, um antigo vereador gostava de usar essa palavra (detrimento – prejuízo, perda) de forma errada, até que um colega deixou em sua mesa um xerox da página de um dicionário destacando com marcador de texto o que significava “detrimento”.

Mas outra bela declaração foi do deputado ator Alexandre Frota. Justamente revoltado com o estupro e assassinato de uma jovem de Mogi das Cruzes, colocou em sua página:

– “Esse bandido teria que ser condenado à pena de morte perpétua”.