Colunistas

Energia – O quanto ela é importante no nosso cotidiano

publicado em 23 de fevereiro de 2021 - Por Ambiente em Pauta

Como viver hoje sem energia? Muitas coisas dependem da energia e como facilita nossa vida, o nosso jeito de viver. Este recurso que retiramos da natureza utilizamos para nossas atividades e bem-estar promove uma melhor qualidade de vida. Como as pessoas viviam antigamente sem energia?

Era bem mais complicado e tudo se fazia manualmente e com a utilização de animais. As pessoas e as cidades não estão preparadas para ficarem sem energia. Vejam o caso do apagão no estado do Amapá no ano passado e atualmente no Texas-Estados Unidos e em várias cidades. Milhares de pessoas ficaram dias sem energia, um grande caos na vida delas e das cidades.

Foram casos com problemas bem diferentes. No Texas a onda de frio com temperaturas muito baixas e tempestades de neve, provocaram o congelamento dos tubos de gás natural e desligamentos das turbinas das usinas, várias cidades ficaram 2 dias sem energia. Este apagão teve repercussão em cidades do norte do México, que também ficaram sem energia, pois importam energia dos USA.

Outro exemplo é o estado de Roraima, que recebia parte da sua energia importada da Venezuela, que parou de fornecer, pois o contrato terminou. Daí aconteceu o apagão. Faltou planejamento e gestão por parte do governo federal. Existe um projeto de execução de uma linha para a transmissão de energia em todo estado, desde 2011. O apagão aconteceu em todo o estado de Roraima no ano passado e durou 22 dias.

Nestes locais a temperatura é mais elevada, imaginem o transtorno para as pessoas, para as empresas, para as indústrias, para os hospitais, para a comunicação, para as cidades. O quanto esta população sofreu tendo que se adaptar, quanto perderam em alimentos, na produção, nas vendas, etc. Foram muitas dificuldades, o estado ficou dias sem energia. A solução imediata foi a instalação de 2 geradores e a maior utilização das usinas termelétricas.

Vamos entender um pouco sobre o abastecimento em Roraima, o único dos 27 estados brasileiros desconectado do sistema nacional de energia. Desde 2018 vem acontecendo vários apagões nas cidades deste estado, por falta de manutenção nas linhas de transmissão vindas da Venezuela.

Antes o sistema era abastecido durante o dia pela importação da energia elétrica vinda da Venezuela e à noite o volume aumentava e era suprido por usinas termelétricas brasileiras (utilizam da queima do carvão, gás natural e outros para produzir a energia) sendo o seu custo muito mais elevado.

Nesta ocasião o contrato brasileiro estava para vencer e não foi renovado, pois a Venezuela também passa por uma crise energética e também por questões políticas entre os governos. Assim, as cidades ficaram 22 dias sem energia, aguardando a chegada dos transformadores.

O fornecimento só foi normalizado depois da instalação de um segundo transformador para dar suporte pois um transformador não foi suficiente. O problema da energia no estado de Roraima não foi resolvido, entendo que foi uma ação preventiva e temporária.

A solução é ligar o estado ao sistema elétrico nacional com a execução de um linhão, que já tem nome, linhão Tucuruí, de transmissão Manaus – Boa Vista. Consta desde 2011 um projeto, que esta em processo de licenciamento ambiental, mas por causa da reserva indígena waimiri- atroari, onde uma parte deste linhão passa por dentro desta reserva. Na ocasião o governo federal disse que ia agilizar a aprovação, mas ainda não foi aprovado e nem liberado. Em março fará um ano e tudo continua no papel.

Voltando a falar em energia no nosso dia a dia. A modernidade inventou e até hoje cria equipamentos, utensílios e máquinas e tudo depende da energia. A iluminação de vários locais seja de moradia, de trabalho, de educação, de serviços e de lazer, tudo necessita de energia.

O sistema de comunicação, os equipamentos que dão suporte as cidades e aqueles que ajudam no nosso dia a dia como: a geladeira para conservar os alimentos, o ar condicionado e o ventilador para nos dar conforto térmico, o computador, o chuveiro com um banho quente, o forno e o fogão elétrico para cozinhar. Notamos o uso cada vez maior de aparelhos eletrodomésticos e eletrônicos, facilitando o nosso cotidiano.

Temos as usinas abastecendo o sistema de transmissão nas regiões e fornecendo energia para as cidades, portanto é impossível imaginar a vida moderna sem energia elétrica. Será que as pessoas se dão conta da importância da energia? Será que as pessoas sabem de onde e como recebemos a energia em nossas casas?

Todas as formas de utilização de energia vêm de recursos naturais, renováveis ou não. A energia elétrica necessita de reservatórios e quedas d’ água – usinas hidroelétricas, as usinas eólicas necessitam dos ventos, as solares dos raios solares e as usinas termoelétricas de combustíveis (carvão mineral, óleo combustível, etc.).

Todas estas causam impactos ambientais, sociais e econômicos, algumas mais, outras menos. Algumas geram poluição no ar, outras inundações, ocupações de locais e interferências na paisagem , morte de aves, deslocamento de pessoas e construções e outros.

Nosso pais garante energia de qualidade, em grande parte são usinas hidroelétricas, mas hoje se faz necessário a solução da energia no estado de Roraima. Ainda temos muito o que melhorar, nos modernizar, nos atualizar em busca da sustentabilidade, de poderemos ser consumidores da nossa produção, buscando causar menos impacto ambiental econômico e social.

Somos um pais tropical, com muitos dias de sol, precisamos aproveitar o que temos!!!
Se você apreciou o texto, quer dar sugestão de novos temas no “Ambiente em Pauta” ou até completar ou questionar algo, entre em contato: biamaia238@gmail.com

Contribuição de Bia Maia, integrante da Associação Bragança Mais e Coletivo Socioambiental.