Colunistas

Educação: Sem debates… vão terceirizar

publicado em 13 de outubro de 2018 - Por Marcus Valle

Professores e funcionários, aborrecidos (e com razão) com a possível entrega do novo prédio da Escola Municipal Padre Aldo Bolini a Organizações da Sociedade Civil (eles seriam transferidos, injustamente, para outros estabelecimentos), nos entregaram abaixo-assinado protestando. Falaram que isso pode ocorrer em novas escolas. Fizemos pedido de informações a respeito.

Na última edição da Imprensa Oficial do Município, foram publicadas as portarias 8.471e 8.472, datadas de 03 de outubro, que criam comissões para seleção de Organizações da Sociedade Civil e Monitoramento e Avaliação para parcerias na Educação e execução de serviços educacionais. Várias pessoas já foram nomeadas para essas funções.

Enfim… sem maiores debates com a classe e com a comunidade, resolveram a partir de agora “terceirizar” a educação. Incluirão até escola antiga (como é o caso da escola Padre Aldo Bolini) só porque o prédio é novo.

2 – Projeto dos “rojões” barulhentos

          O CONDEMA, em deliberação feita em reunião, por unanimidade apoiou o projeto de lei de autoria da vereadora Beth Chedid e Marcus Valle, que proíbe a utilização de rojões de estampido (não se refere aos fogos luminosos de shows pirotécnicos, sem grandes ruídos).

É mais um reforço ao projeto, e importante no amplo debate.

3 – Votação dos estaduais

          Candidato a deputado estadual de Bragança, Daniel José foi espetacular, é uma nova aposta (total de 183.480 votos, e aqui teve 4.918 votos). O deputado Edmir Chedid se reelegeu, o que era sua prioridade, mas sua votação foi inferior à da eleição anterior (58.596 em 2014 e nesta 38.736 votos aqui). Basílio Zechinni com quase 8 mil votos aqui e 17.115 no total, reforçou seu nome na oposição. Camila Marino fez uma votação simbólica (1.600 aqui e 2.262 no estado), que a torna mais conhecida para concorrer com chances à vereança.

Alexandre Reginato Acedo fez uma campanha sem nenhum recurso, e marcou heroicamente sua ideologia (2.297 no total).

4 Sinalização urgente

          A única rota para os moradores do Jardim Santa Helena irem para o Centro é pegar a rua próxima ao Colégio Anglo (Rua Francisco Luigi Picarelli) e sair na Variante do Taboão, em frente à “Telha Norte”.

Só que lá não tem sinalização na rotatória e é muito perigoso termos colisões e acidentes.

5 – Falta de interesse

          Fiquei chateado e chocado com a indiferença e falta de sensibilidade do Executivo local em relação a preservar, e tentar obter através de permuta (sem custos), dois locais importantíssimos, com grande potencial turístico: Montanha do Leite Sol e Usina da Mãe dos Homens.

Em resposta que nos deu oficialmente, a Secretaria de Turismo disse não haver nenhuma tentativa em obter os locais, e que só prioriza as áreas públicas.

6 – Leite Sol e Usina

          Na montanha do Leite Sol, próximo ao shopping, poderíamos ter áreas de caminhadas, e um teleférico ou algo semelhante.

Na Usina da Mãe dos Homens, local com cachoeiras e corredeiras nas margens do Jaguari, um parque temático.

7 – Museus: abandonados em Bragança

          Vários vereadores (eu, Claudio Moreno, Beth Chedid e Basílio) sempre nos manifestamos em relação ao abandono e péssimas condições do Museu Municipal. Está com sérios problemas de infiltração, pintura, buracos no teto etc.

Mas não é só lá. Também o Museu do Telefone necessita de atenção.

8 – Biblioteca

          Outra grande omissão na área cultural é em relação a se criar uma biblioteca na Zona Norte (Parque dos Estados, Planejada e Fraternidade) onde há uma enorme população.

Eu pedi por várias vezes, e o vereador Mario B. Silva, que reside no local, já fez pedidos e moção (aprovada por unanimidade) no mesmo sentido.

A biblioteca pública, ao lado da Câmara Municipal, é muito bem administrada, mas notamos que deve faltar verba para comprar livros atualizados.

9 – Trânsito

          O trânsito continua muito confuso, principalmente no Centro da cidade, e nas Avenidas dos Imigrantes, José Gomes e adjacências. Há enorme lentidão e engarrafamentos.

No Centro, além da lentidão, não há estacionamentos e desrespeitam as vagas reservadas para idosos e deficientes.

10 – Dica de livro

          O livro “O Canto da Aia”, editora Rocco, 336 páginas (já virou série na TV), é uma ficção muito interessante, que mostra que após uma guerra, se forma um governo totalmente ditatorial, totalitário, que em nome de um “bem comum” oprime a população e elimina os direitos e liberdades. Vale a pena.

11 – Folclore: “efeito espelho”

          Um conhecido cidadão, muito correto, mas extremamente metódico, ou seja, o famoso chato, certa vez foi fechado no trânsito por outro veículo na Praça Nove de Julho.

Pegou a caneta, e como não tinha papel para anotar, marcou a placa do outro veiculo numa cédula de 50 reais, e entrou furioso na Delegacia.

Lá, encontrou-se com um investigador e contou aos gritos a história. Pegou a nota de 50 reais com a placa e deu uma ordem ao policial:

É crime… taí a placa anotada, você tem a obrigação de ir atrás dele agora!

          O investigador, irritado com a arrogância e prepotência do reclamante, foi cirúrgico:

Você tem razão. Tenho a obrigação de agir quando há ilegalidades. Você sabia que não pode escrever e adulterar cédulas?