Colunistas

Concerto para Violino e Orquestra – Felix Mendelssohn Bartholdy – (1809-1847)

publicado em 28 de setembro de 2018 - Por Odila Baisi

O concerto para violino e orquestra em Mi menor, op.64 composto por Mendelssohn, teve início em 1838, mas até outono de 1844 não havia sido terminado. Porém, a obra foi estreada em 15 de março de 1845 na cidade de Gewandhaus de Leipzig (Alemanha). Ferdinand David, solista, grande virtuoso, conhecia muito bem as dificuldades (arpejos, trinados, cordas duplas, etc.) da parte do violino, dado que Mendelssohn o tinha associado, como conselheiro técnico, à sua elaboração.

Esta obra se divide em três movimentos que se sucedem sem interrupção, como no primeiro movimento “Allegro molto apassionato”( alegre muito apaixonado) o violino ataca com autoridade uma cantilena de caráter lírico.

No segundo movimento, um “Andante” que encadeia-se ao allegro e é quase certeza que é a página mais bela da partitura, a qual lembra Mendelssohn na composição “Romanças sem Palavras” para piano. Este “andante”, prolongado por uma melodia em forma de airoso que o solista executa sobre um fundo de “pizzicati” (beliscado) das cordas, cria uma evocação da cantilena inicial que precede a introdução de um “allegretto non tropo” (Não muito alegre) (princípio do terceiro movimento) que evolui para um “scherzo” (brincadeiras), lembrando também, “Sonho de uma Noite de Verão”. Com o desenvolvimento do último movimento “allegro molto vivace” (alegre muito vivo) reaparece a cantilena inicial, com uma linha melódica que é objeto de criações confiadas ao solista na parte final.