Colunistas

Como apresentar suas ideias em 30 segundos ou menos?

publicado em 15 de setembro de 2018 - Por Antônio Carlos de Almeida

O tempo é um fator decisivo na vida das pessoas, para o bem e o mal. Sempre foi; hoje, quando a comunicação não encontra qualquer barreira física, a instantaneidade, a rapidez e a segurança da informação adquirem ainda mais valor.

Antes do fax, do email ou do whatsapp esperávamos dias por uma mensagem, uma proposta comercial, um boleto de pagamento postado no correio ou resultado de uma entrevista de emprego. Hoje, quando um computador demora alguns segundos para abrir a internet já ficamos desesperados.

No entanto, na hora de falar, é comum que as pessoas demorem preciosos minutos para transmitir uma mensagem. Juízes de tribunais superiores falam hora inteira, sendo ouvidos por poucos, antes de proferir um simples voto. Querem esclarecer, passam a impressão de enrolação. Aconteceu comigo há poucos dias.

Recebi uma pessoa interessada na compra de um terreno. Ela falou de tudo durante incríveis três horas, mesmo sabendo que eu dispunha de pouco tempo naquele dia. Entendi que ela fazia uma proposta de compra, mas não a formalizou. Ela foi embora achando que tinha comprado o bem. Eu fiquei na espera da formalização de uma proposta.

Há alguns meses fui a uma inauguração. Tinha muita gente presente. Várias autoridades fizeram uso da palavra. Algumas se alongaram na fala, outras foram comedidas. Parece-me que discursos rápidos são mais aplaudidos do que os longos. Interessante mesmo foi o discurso do representante da família do homenageado. Lançou um olhar sobre os presentes e disse: “A minha família está muito contente com essa homenagem. Nossa gratidão. Um abraço a todos”. Nada mais disse. Foi calosamente aplaudido.

Também é frequente encontrarmos pessoas que quase não falam. Apenas resmungam. Temos então dificuldades em compreender como é seu modo de ver as coisas. Ficamos até irritados quando dependemos de sua opinião para tomar alguma decisão. Demoram ou não são suficientemente explícitos.

Também existem aqueles que normalmente são quietos, a tudo observam e quando abrem a boca são altamente esclarecedores a respeito do assunto em questão.

Na campanha eleitoral em curso, um dos temas preocupantes para os candidatos é o seu tempo de rádio e TV. Não é fácil para aqueles que têm apenas alguns segundos transmitirem sua mensagem por inteiro. Também é um enorme desafio segurar a audiência durante alguns minutos. Comunicar-se bem é sempre um enorme desafio.

Além da duração, é necessário ter bem presente aquilo que se deseja comunicar e muita atenção à disposição dos ouvintes. É sempre arriscado simplesmente multiplicar palavras na tentativa de ser bem compreendido.

O americano Milo O. Frank tem um livro com o seguinte título: “Como apresentar suas ideias em 30 segundos ou menos”, publicado pela Editora Record. Ele ensina que comunicação eficaz é transmitir para outros aquilo que está guardado em sua mente, é compartilhar pensamentos e interagir com o mundo à sua volta.

No entanto, o mundo não vai esperar que você elabore argumentos minuciosos e apresente coisas irrelevantes. É necessário aprender a falar aquilo que importa; capturar a atenção das pessoas por tempo suficiente para que entendam o que você está dizendo e façam aquilo que você deseja. Trinta segundos é tudo que se tem para expressar suas opiniões e conquistar o interesse de seu interlocutor.

Numa conversa, reunião, venda, entrevista, discurso, mensagem religiosa, defesa jurídica … é possível dizer tudo em 30 segundos ou menos. Para que o ouvinte capte a totalidade da mensagem, mesmo em poucos segundos, é necessário responder a 7 perguntas: O que? Quem? Onde? Quando? Quanto? Por que? E para quem? Exemplo: O pai de João comprou um brinquedo, no shopping, para o seu filho menor, no dia das crianças, investindo R$ 50,00, porque queria retribuir à criança sua dedicação aos estudos.

A brevidade e a resposta a todas essas 7 perguntas fazem toda a diferença numa comunicação agradável, completa, eficiente e eficaz, seja ela oral ou escrita, numa reunião, discurso ou explanação de venda, sobretudo no email ou watsapp. O segredo está na concisão, precisão, concatenação e correção das palavras utilizadas.