Colunistas

Cantata nº 147 “Herz und Mund und Tat und Leben” – J.S.Bach

publicado em 11 de maio de 2018 - Por Odila Baisi
Divulgação

A “Cantata nº 147” foi composta sobre um texto de Salomo Frank, que colaborou várias vezes com Bach. Há em duas versões, uma composta para festas da Anunciação a Maria e outra para festa do Advento (a segunda se perdeu), e estreou em 2 de Julho de 1723.

Foi escrita para quatro vozes solistas (soprano, contralto, tenor e baixo), coro, trompa e dois oboés, da “caccia”, fagote, arcos e baixo contínuo. No começo, utiliza o mesmo coral na “Cantata nº 151”, com uma orquestração que se diferencia muito pouco da anterior.

Não é de estranhar que, com a quantidade de obras que era obrigado a oferecer à comunidade, Bach acabasse se copiando com freqüência, como o “Concerto de Brandenburgo n.º 2 em Fá Maior”, mas com violino, acompanhados pelos instrumentos de corda e pelo baixo contínuo.

O último movimento, “Allegro assai”, é uma mostra da maestria de Bach – uma entre tantas, para tratar instrumentos difíceis como é o caso do trompete, que hoje tem afinação em dó, que não permite alcançar com facilidade a tessitura da composição, então para a possível execução da obra seria necessária a utilização de trompete em ré menor, com som mais estridente, descaracterizando a suavidade de harmonia em sua malha sonora.

“Bach é único, inimitável, impossível de superar em qualquer dos aspectos da técnica, no domínio de todos os ramos da música e, sobretudo, na inspiração.” Eduardo Rincon