Colunistas

Bragança pode ser ainda melhor

publicado em 7 de julho de 2018 - Por Antônio Carlos de Almeida

O município de Bragança Paulista, ao longo da sua história, ocupou lugar de destaque no cenário regional, estadual e brasileiro. Isso ocorreu quando foi um dos municípios pioneiros na implantação da telefonia e da eletricidade. Na virada do século XIX tinha um belo teatro, cujo prédio encontra-se em restauração, sem qualquer perspectiva de conclusão.

Durante o ciclo do café, além do desenvolvimento econômico, liderou processos educacionais por meio de escolas públicas de excelente qualidade, Colégio das Madres e do Colégio São Luiz, este sob a direção dos Padres Agostinianos. Depois marcou forte presença nacional com a expansão da Universidade São Francisco. Essas três instituições educacionais receberam levas de alunos de diversas localidades do país.

Mais recentemente as conquistas realizadas no futebol pelo Bragantino chamaram a atenção de muita gente país afora. A cidade conta com a simpatia de muitos brasileiros, que, principalmente em São Paulo, sempre perguntam pela famosa linguiça.

Nos últimos anos, a sensação mais nítida é a de um certo marasmo. Governos municipais recentes deixaram legados esmaecidos. Apesar da boa expectativa criada na última eleição, a atual gestão ainda não conseguiu finalizar nenhuma das grandes obras anunciadas. Ainda são imperceptíveis as melhorias no âmbito da mobilidade, assim como a revitalização do Lago do Taboão. As estradas que chegam a Bragança, contrariando o que acontece em praticamente todas as localidades do Estado, são precárias.

Um exemplo notório é a Capitão Barduíno, que liga a populosa Zona Norte ao Centro da Cidade: não tem acostamento, não tem passarelas, faixa de pedestres, ciclovia, iluminação adequada. Há poucos dias precisei parar o automóvel na faixa de rolamento para ajudar um casal de idosos a descer um degrau de 35 centímetros do canteiro central e depois atravessar a via, na entrada do Jardim São Miguel. Riscos permanentes, acidentes constantes. Vários bairros continuam com infraestrutura e serviços precários.

No entanto, Bragança Paulista continua bem posicionada no cenário nacional. Dados da FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), publicados em 29 de junho pela Revista Exame, indicam que o nosso município ocupa a 81ª posição dentre os 5.565 municípios brasileiros quanto ao nível de desenvolvimento. Esse levantamento inclui índice de emprego e renda, educação e saúde. É uma boa posição em âmbito nacional. Mas é bom registrar um alerta: nesse mesmo ranking, Itatiba, Amparo, Atibaia e, inclusive, Jarinu, ocupam posição melhor.

No ranking da Revista Exame, de outubro de 2017, de melhores cidades do Brasil para se investir em negócios, Bragança Paulista ocupa a 97ª posição, logo depois de Campinas, Jundiaí, Jacareí e, de novo, Atibaia. Talvez isso explique o recente investimento de redes atacadistas e shopping. Nessa análise, são considerados 28 indicativos agrupados em desenvolvimento econômico, desenvolvimento social, infraestrutura e capital humano.

No que diz respeito ao Índice de Desenvolvimento Humano, utilizado pela ONU para acompanhar desenvolvimento social de países, embora Bragança se encontre numa faixa alta, ainda existe um longo caminho a ser percorrido. Em 2.010 o IDMH de Bragança era de 0,776, quando o de São Caetano do Sul, município de melhor índice, já era 0,862. Com esse índice Bragança ocupa a posição 168 dentre os municípios brasileiros. Está melhorando. Em 1991 era 0,553 e em 2000 alcançou 0,687, talvez hoje o IDMH seja melhor do que 0,776 de 2010.

Todos podemos fazer algo por um município melhor, começando pela fachada, jardim e calçada de nossas residências. A maioria pode ser mais cuidada e bonita, sem grandes investimentos, apenas um pouco mais de capricho.

Passa por todos aqueles que podem investir no próprio município, gerando mais emprego e renda. Passa sobretudo por vereadores mais criativos, críticos, ativos e inovadores na busca de soluções estruturais. E por uma administração municipal que repita, embora os tempos sejam outros, a dinâmica, a efetividade e a eficiência de seus próprios mandatos anteriores.

Todos os que vivemos em Bragança Paulista e aqueles que exercem funções de liderança precisamos acreditar mais em nosso potencial, colocando o município em lugares ainda de mais destaque, para o bem-estar dos moradores de todas as idades e de todos os bairros do município. Análises externas com instrumental científico sugerem-nos que temos esse potencial. Um pouco mais de ousadia pode fazer enorme bem a todos nós.