Colunistas

Barulho no Jardim São José:

publicado em 2 de março de 2019 - Por Marcus Valle

Ação da Prefeitura

Continuam reclamações de moradores do Jardim São José sobre poluição sonora, danos e brigas no bairro, próximo à Universidade São Francisco. Moradores não tem sossego. Prefeitura (através do Secretário do Meio Ambiente, Alex), atendendo ao Ministério Público e reclamantes, promoveu reunião com comerciantes do setor.

2 – Sabesp: “novela”

E a “novela” da renovação ou não do contrato com a Sabesp. Está vencido desde 2009. Prefeitura criou um “consórcio” para negociar melhor, mas até agora nada de renovação do contrato ou licitação.

3 – Monitoramento

Estamos sem monitoramento por câmeras desde o ano passado. Empresa que ganhou licitação “desistiu”. A já conhecida TEC DET será chamada como segunda colocada? Há acordo? Haverá nova licitação?

4 – Licitações

Impressionante como não dão certo as licitações em Bragança Paulista. Ou são impugnadas, ou anuladas, ou a empresa vencedora não cumpre o contrato. Exemplos: reforma da Praça Central; monitoramento; prédio nas margens do Tanque do Moinho; informática etc.

5 – Colunistas

Bragança (e especialmente este Jornal) perdeu em pouco tempo dois de seus colunistas, que faleceram. Jésus Flavio e Sergio Salomão (Sadan). Ambos conceituadíssimos.

6 – Asfalto

Asfalto em frente ao prédio da Prefeitura ao que tudo indica, foi feito para impressionar ao governador João Dória, que aqui estaria. Dupla frustração: o homem não apareceu (adiou a visita), e muita gente reclamou que havia outras prioridades.

7 – Nomeações politicas?

Continuam os comentários de que várias pessoas foram nomeadas por critérios políticos, para trabalhar na empresa que vai gerir as creches. Fizemos pedido de informações a respeito, e pedimos critérios técnicos.

Afinal… na administração direta, a prefeitura foi até parcimoniosa na nomeação de cargos de confiança.

8 – Canal no Youtube do Bob Fernandes

O jornalista (cidadão bragantino) Bob Fernandes, deixou a TV Gazeta, e está com um canal no Youtube sobre política, que é sua especialidade.

Para acessar basta entrar no Youtube (www.youtube.com.br) e digitar Bob Fernandes.

9 – Atos obscenos

Depois do desfile de blocos, vários vídeos foram postados nas redes sociais com homens e mulheres urinando nas vias públicas durante o trajeto. Há lei municipal proibindo, isso é crime (ato obsceno) e fere a lei do bom senso. Falta fiscalizar e punir. Mas é difícil.

10 – Blocos: mudar o itinerário?

Desfile de blocos é um sucesso de público – cerca de 30 mil pessoas participam.

A grande maioria se diverte e se comporta, mas uma minoria causa sérios problemas, é uma área residencial e comercial o trajeto.

Mulheres e homens cometendo atos obscenos (urinando em público), sujeira, brigas e danos (chutes e vandalismo em portões, portas e vitrines).

Em 30 mil pessoas, se 99% se comportam adequadamente, 1% significa 300 pessoas se comportam mal… mais do que todo o contingente da Guarda Municipal.

Só há uma solução… estudar a mudança do trajeto para o Nicolódromo ou outro local mais adequado.

11 – Furto de bicicletas

Aumentou muito os casos de furtos de bicicletas em residências em nosso município. Entram em quintais e garagens e levam. Os casos são cada vez mais frequentes.

12 – Biblioteca

Já pedimos diversas vezes, com o edil Mario B. Silva, a instalação de uma biblioteca na Zona Norte (Parque dos Estados, Fraternidade, Planejada e outros). Lá há cerca de 50 mil habitantes.

13 – Santa Helena – Alta velocidade

No bairro Santa Helena, várias ruas (principalmente a Av. Marcus Vinicius Valle) são alvo de motoristas imprudentes, que desenvolvem alta velocidade.

Tanto a Associação do bairro, como eu (na condição de vereador) pedimos providências várias vezes.

14 – Folclore: “Goleirão”

Quando criança e adolescente, eu gostava de jogar futebol. Tentei todas as posições, mas grande parte das vezes joguei de goleiro. Eu era inconstante, às vezes ia super bem, fazia grandes defesas, mas não era confiável, às vezes falhava feio. Num torneio interno do Legionários, meu time tinha jogado três partidas, e eu tinha sido o melhor do time. Fiquei seguro, e insisti para que meu pai fosse assistir ao próximo jogo (ele nunca tinha ido).

Ele hesitou um pouco, não acreditou muito que eu havia sido o melhor em campo três vezes, mas dado a minha insistência, disse cético: – vamos ver. No dia do jogo, ele estava lá na arquibancada.

Aos oito minutos de jogo, o nosso zagueiro me atrasou uma bola e eu estava distraído e a bola entrou (um frangaço). O zagueiro me xingou, e eu parti pra cima dele, e fui expulso. Sai destruído de campo, e me sentei ao lado do meu pai. Ele olhou pra mim, e só com um som exprimiu o que pensava: – pois é… e me deu dois tapinhas nas costas.