Colunistas

Barcarolle de “Os Contos de Hoffmann”- Jacques Offenbach

publicado em 1 de agosto de 2019 - Por Odila Baisi

Jacques Offenbach nasceu na cidade de Colônia, Alemanha, em 1819. Na idade adulta, tinha intenso desejo de escrever ao menos uma grande ópera antes de morrer, trabalhava exatamente nessa composição quando sucedeu esse evento lamentável – sua morte.

Ele baseava seu libreto em alguns dos contos fantásticos e ligeiramente mórbidos do poeta alemão E.T.A. Hoffmann, e Hoffmann é o personagem central. A morte de Hoffenbach deixou os manuscritos de “Os Contos de Hoffmann” numa desordem impressionante, mas isso não parece ter tido muita importância.

“Os Contos de Hoffmann” são uma grande ópera e, embora as diversas montagens apresentem interpretações variadas, o talento melódico de Offenbach transcende a tudo. Na ópera, ouvimos Hoffmann recordar os três grandes amores de sua vida, nenhum deles muito sadio. Uma das mulheres, por exemplo, era uma bela e sedutora cortesã que vendia seus favores por preços que faziam empalidecer até mesmo uma Veneza decadente.

Seu nome é Giulietta, e sua ária, a mundialmente famosa “Barcarolle” imita o marulhar da água nos canais sobre os quais se esvai lentamente a luz do dia, anunciando as sombras românticas mas sinistras da noite.

Jacques Offenbach faleceu em Paris, França, aos 61 anos em 1880