Colunistas

Bancos – segurança

publicado em 6 de julho de 2019 - Por Marcus Valle

Nas agências bancárias (numas mais, noutras menos, em outras nada) ocorrem problemas entre usuários e seguranças, por diversas razões. Muito se discute o que pode e o que não pode entrar, se cabe revista ou não.
Carrinho de bebê, muletas, computadores, maletas etc., tudo pode gerar discussão.

Entendo que “cada caso é um caso”, e deva prevalecer o bom senso, mas nem sempre ele é adotado (seja pelos usuários ou pela segurança). São comuns as ações na Justiça. O ideal seria que pessoas fossem bem informadas do que podem ou não levar ou portar.

2 – Plano Diretor: atrasou

Estamos sendo indagados sobre a revisão do Plano Diretor. Nada foi entregue na Câmara, o texto não está pronto.
Tendo em vista que há decreto (polêmico) do Executivo paralisando todas as aprovações de projetos, e o Plano Diretor trata-se de matéria técnica a ser analisada pelos vereadores, estamos cobrando o envio ao Legislativo. Após nosso pedido de informações, a Prefeitura anunciou que só em agosto o texto será enviado para o Legislativo.

3 – Que absurdo. Nada ainda

Incrível. Por mais que se peça – e que se prometa – até agora não resolveram a questão do cruzamento mais perigoso da cidade, entre a Rinzo Aoki e a Quinze de Dezembro, próximo ao campo de futebol do Tanque do Moinho.
Recentemente morreu uma jovem lá, mas embora todos falem – o Bragança Jornal fez reportagem a respeito – nada foi feito. É a chamada crônica de uma morte anunciada. Se não tomarem providências, teremos outras mortes no local.

4 – Obras andando

1 – Passamos nas obras de restauração do prédio do antigo Colégio São Luiz e vimos que há várias pessoas trabalhando no local. Isso é muito bom.

2 – Também passamos nas margens do Tanque do Moinho para ver as obras do Parque Ecológico com convênio do ECOA, e vimos cerca de 15 pessoas trabalhando, e construções subindo.

5 – Copos – Câmara

Depois de aprovar dois projetos de lei relativos ao Meio Ambiente (dos rojões barulhentos e dos canudos), a Câmara Municipal, por coerência, deixará de utilizar copos de plástico (descartáveis).

Começou pelo plenário, depois se estenderá a outros setores. São cerca de 36 mil copos por ano. Ajudou muito a sugestão dos alunos do Colégio AZ nesse sentido.

6 – Apurações

Há uma série de sindicâncias e processos administrativos abertos na Prefeitura. Vi no Diário Oficial menções a furtos de peças de trator e combustível, e muitos tendo como objeto “infração funcional”.

7 – Administração Municipal

Tem razão o BJ no editorial do último sábado. Se várias obras importantes foram feitas e/ou anunciadas nessa Administração, e melhorou a conservação das ruas e estradas (que ainda têm problemas), em outros pontos há sérios problemas:

1 – Trânsito está horrível em vários pontos da cidade, piorou muito com as últimas modificações;
2 – Não há agilidade na tomada de providências simples e necessárias (vide cruzamentos perigosos);
3 – As licitações são sempre anuladas, devido a erros técnicos;
4 – Reclamações constantes nas áreas sociais (Saúde, Educação, Cultura etc.).

8 – Acidentes de Trânsito – mortes

No Brasil são 19,7 por 100 mil habitantes, 40 mil por ano.

Nos EUA são 12,4 e no Reino Unido (Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda do Norte) são 3,1.

Na América do Sul, dentre os doze países, só quatro têm índices piores que nós: Venezuela 33,7; Guiana 24,6; Paraguai 22,7 e Equador 21,3 por 100 mil habitantes.

No Brasil, motociclistas representam 34,4% das mortes, automóveis 24,0%, pedestres 18,2% e ciclistas 3,6%.

9 – Rápidas

1 – Represa Jaguari / Jacareí está com 58,12% de sua capacidade.

2 – E o contrato com a Sabesp? Até quando vai essa “novela”?

3 – Um perigo para quem pratica caminhada é o trajeto entre o Santa Helena e o Bosques da Pedra, pois não tem acostamento e os veículos transitam em alta velocidade. Já solicitamos providências junto à Prefeitura (lombadas) e até agora nada.

4 – Muitas lombadas e faixas de pedestres sem pintura e/ou apagadas, por toda cidade. Isso tem gerado várias reclamações.

5 – Será colocada iluminação na pista de atletismo do Estádio Municipal. Também cobertura em parte da arquibancada. Cerca de 300 mil reais é o custo.

10 – Folclore

Durante vinte e três anos fui professor de Direito na Universidade São Francisco – USF, nas matérias de Direito Penal, Processo Penal e Ambiental.

Sempre gostei de brincar com alunos e colegas. Certa vez, estava eu na sala dos professores conversando com o diretor da Faculdade, professor Joel. Era o primeiro dia de aula após as férias de julho. Nisso, entra um outro professor, se dirige a mim, e diz:
– Oi, Marcus! Tudo bom?

Eu respondi:
– Tudo bem.

Daí ele diz ao diretor que estava do meu lado, com voz aveludada:
– Como foi de férias professor Joel? A família está bem?

Antes que o diretor respondesse, eu me levantei (fingindo estar furioso) e disse:
– Olha aqui… você torça para eu não ser nada, não ter cargo importante aqui… porque se eu tiver, você tá ferrado!