Colunistas

Administrando a ansiedade

publicado em 11 de maio de 2019 - Por Pastor Jessé

O que vai acontecer? Será que vai dar certo? Será que algo ruim virá? Essas questões consomem o ser humano. É a ansiedade. Ela é causada pelo temor vindo da preocupação, isto é, do se ocupar antes com o sempre inalcançável futuro. Na peça Macbeth, Shakespeare escreveu: “Amanhã, amanhã e amanhã, assim se arrasta esse passo trivial do dia a dia, até a última sílaba do tempo registrado.”

Cristo deixou um mandamento categórico: “Não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir… Busquem … o Reino de Deus… e todas essas coisas lhes serão acrescentadas… Basta a cada dia o seu mal.” (Mt 6:25, 33-34).

Ele simplesmente proíbe a ansiedade.
Dr. Charles Mayo, um renomado médico nos EUA, informa: “Ansiedade afeta a circulação, coração, glândulas e o sistema nervoso todo.” Alguém já disse que a ansiedade é como a cadeira de balanço: ela o mantém ocupado, mas não o leva a lugar nenhum. Cristo ordenou: “não andeis ansiosos” porque a ansiedade é maléfica.

Dizem que um cidadão encontrou a personalidade da “Morte” entrando numa cidade, e perguntou a ela o que ia fazer ali. Ela respondeu que vinha para levar 2.000 habitantes daquela cidade naquela semana. Essa informação se espalhou pela cidade. Passada a semana, computou-se 10.000 mortes. No fim daquela semana, ao encontrar a “Morte” novamente, o mesmo cidadão a questionou: “Você disse 2.000, mas 10.000 morreram. “ A “Morte” retrucou: “Eu vim para ceifar 2.000 e ceifei 2.000. As outras 8.000 foram ceifadas pela ansiedade delas ao saberem da minha visita e missão. “

Ao dizer “não andeis ansiosos”, Cristo nos chama à sensatez. Ele ensina que o viver sábio é viver o hoje. O princípio é: “não vos inquieteis com o amanhã… basta ao dia o seu próprio mal”. Você pode viver apenas o hoje e fazer o que é possível fazer hoje. No hoje até cabe o planejar o amanhã, mas somente isso pode ser feito hoje.

Cristo não ensina o fatalismo e nem o comodismo, que autorize alguém dizer “o que será, será”, levando a um abandono estoico da responsabilidade da vida. Ele diz: “buscai primeiro o reino de Deus…”. Cristo reconhece que há um futuro a ser cuidado, mas esse cuidado acontece quando há o reinado soberano de Deus na sua vida. É aprender a colocar sua vida nos cuidados da graça e domínio de Deus. É descansar em Deus depois de ter feito o que cabe ao hoje, inclusive o planejar o amanhã.

Ansiedade é a pessoa não reconhecer seu limite humano e humano. É não aceitar que foi criada para dependência. E, então, é querer controlar o futuro a partir do presente, não se submetendo à dependência de Deus. Essa tentativa de autonomia é o centro do pecado e faz muito mal. O ser humano foi criado para viver um dia de cada vez com Deus. Cristo veio chamar para o romper com a tola autonomia, e possibilitar, pelo arrependimento, na mediação dele, o acerto da sensatez da submissão a Deus.