Colunistas

Abertura “Leonora III” L. Van Beethoven (1770 – 1827)

publicado em 4 de maio de 2018 - Por Odila Baisi

Leonora III é a abertura que Beethoven concebeu para a segunda versão da ópera Fidélio, a qual foi inicialmente intitulada Leonora. É uma peça muito rica musicalmente, que a si mesmo se basta.

Leonora III surpreende pela força de sua composição e o dinamismo dos desenvolvimentos temáticos. O seu estilo heroico é o resultado de uma síntese entre as influências vienenses e francesas. O desenvolvimento da abertura corresponde mais ou menos à sucessão da ação principal da ópera. A introdução é lenta, evocando o sofrimento do personagem principal, Florestan, preso por razões políticas.

Depois, um “allegro” se desenvolve grandemente em volta do tema de Leonora: esta heroína da ópera e mulher de Florestan, que consegue encontrar-se com ele devido a um estratagema: travestindo-se e fazendo se chamar Fidélio, consegue introduzir-se na prisão onde está o marido.

Uma chamada da trombeta, tocada entre bastidores, interrompe a obra e simboliza a libertação de Florestan. A abertura pode então terminar com uma espécie de “hino à alegria” que prepara uma seção dominada por uma flauta solista e que, enchendo-se progressivamente, conduz a um final brilhante.