Colunistas

A FOME NO MUNDO

publicado em 18 de abril de 2018 - Por Ambiente em Pauta

Provavelmente, hoje você tomou café da manhã, já tem pronto ou vai preparar algo para o almoço, comerá um lanche à tarde, e já tem na mente o que saboreará no jantar. Infelizmente essa não é a realidade de aproximadamente 815 milhões de pessoas no mundo (11,5% da população mundial), que não têm acesso a calorias suficientes para suprir suas necessidades energéticas diárias.

Mas porque tal situação de fome existe hoje, ano 2018? Quem não se informa sobre o problema da fome pode pensar que a causa é: “não há produção de alimentos suficiente no mundo ao suprimento das necessidades dos 7 bilhões de indivíduos deste planeta”. Não é isto, a questão vai além.

Na verdade a produção global atual é mais do que suficiente para suprir as necessidades calóricas de cada um dos 7 bilhões de habitantes; o que acontece, por um lado, é que há uma séria deficiência no sistema de distribuição dos recursos necessários para se ter acesso à  alimentação.

Por outro lado, o desperdício de alimento é outro fator que agrava o cenário da fome. Em 2016, um terço dos alimentos produzidos foi desperdiçado (1,3 bilhão de toneladas, das 4 bilhões produzidas). O desperdício é tão grande que, utilizando apenas um quarto da comida jogada fora anualmente já seria o suficiente para alimentar 870 milhões de pessoas subnutridas, o que excede o número daquelas que de fato passam fome.

Além disso, outras causas da deficiência no sistema de distribuição e da consequente insegurança alimentar são conflitos, terrorismo, corrupção, mudanças climáticas e a degradação do meio ambiente.

O problema da fome, além desses impactos sociais citados anteriormente, geram também grandes impactos ambientais: A produção de alimentos envolve um grande uso de terra, alterando o espaço habitacional; o uso de agrotóxicos, que causam profundo impacto e poluição no solo, nos lençóis freáticos e na saúde humana; a distribuição dos alimentos com uso de caminhões, aumentando a emissão de gases que contribuem para o efeito estufa; envolve também um enorme uso de água, como por exemplo, na agricultura, que utiliza 70% de agua do consumo global. Portanto, se os alimentos são desperdiçados, todos esses recursos necessários para a produção foram usados em vão, causando um grande impacto ambiental na questão de desperdício e poluição dos recursos naturais.

Pode-se afirmar então que o problema da fome não se deve à grande população, já existente, e crescente,  nem à produção insuficiente, mas ao mal aproveitamento dos alimentos produzidos e ao problema da má distribuição, gerando enormes impactos ambientais e sociais.

E não podemos deixar de considerar que uma enorme ajuda para, pelo menos, a minimização do problema, seria a vontade e determinação dos países desenvolvidos, que possuem meios apropriados e mais do que necessário, em dividir sua riqueza com aqueles que têm menos que o necessário, sem fins econômicos. ARTHUR HENRIQUE ALLOCCA

Quantos pequeninos, como aquele que eu vi, ontem, na TV, chorando, faminto, hoje, não mais têm fome.

Não porque se tenham fartado: simplesmente, não mais precisam de alimento: Mortos não comem  ANTÔNIO RIBEIRO DE AZEVEDO VASCONCELLOS

Referências:

http://www.politize.com.br/fome-no-mundo-causas-e-consequencias/

https://nacoesunidas.org/onu-apos-uma-decada-de-queda-fome-volta-a-crescer-no-mundo/

http://aves.org.br/revista-vitoria-mais/editoria/para-alem-da-fome-os-impactos-ambientais-do-desperdicio-de-alimentos-no-mundo