Colunistas

60 anos do falecimento do compositor H. Villa-Lobos

publicado em 28 de fevereiro de 2019 - Por Odila Baisi

Heitor Villa-Lobos nasceu em 5 de março de 1887, no Rio de Janeiro. Aos 19 anos percorreu todo o Brasil em turnê artística. Apresentou suas primeiras obras em 1915.

Na vasta obra do compositor, os concertos para solistas e orquestra se destacam pelo número e pela variedade. Curiosamente, a maior parte dessa produção concentra-se nos últimos quatorze anos de sua carreira, quando escreveu doze concertos – entre eles, cinco para piano.

Na década de 1910, Villa-Lobos reuniu muito material folclórico em suas viagens pelo país. Orgulhoso desse aprendizado, gostava de afirmar que seu principal Livro de Harmonia fora o mapa do Brasil.

Em 1923, Villa-Lobos deu um passo importante em sua carreira, trocando o Rio de Janeiro por Paris, a metrópole das vanguardas artísticas. Assumiu o papel de “compositor dos trópicos”, normatizou sua estética nacionalista, associando-a aos procedimentos da composição erudita característica do século XX.

Em 1920 compôs a série dos “Choros”, demonstrando preocupação com a modernidade; e em 1929, utilizou temas da suíte “Carnaval das Crianças Brasileiras”.

De volta ao Brasil em 1930, Villa-Lobos exerceu múltiplas tarefas e estimulou o ensino musical, criação de grupos de canto coral, organização e regência de concertos. Compôs as nove “Bachianas Brasileiras”.

Idealizou o Curso de Canto Orfeônico nos Conservatórios para preparar professores ao ensino de Música e Canto Orfeônico nos ginásios e colégios estaduais e particulares de todo o Brasil.

Villa-Lobos é a figura de maior projeção dentro da música brasileira. Faleceu em 1959.