Bragantino

Artur é eleito craque do Paulistão; Ytalo e Edimar são premiados

publicado em 12 de agosto de 2020 - Por BJD
Da esq. para a dir: Ytalo foi o artilheiro do campeonato; Arthur o craque; e Edimar o melhor lateral esquerdo da competição (Ari Ferreira/RB Bragantino)

O campeão Palmeiras foi o grande destaque da premiação do Campeonato Paulista, divulgada na última segunda-feira, 10 de agosto, pela Federação Paulista de Futebol (os técnicos e capitães dos 16 times votaram). O atacante Artur, do Bragantino, foi eleito o craque da competição.

O Verdão tem no time ideal do Paulistão o zagueiro Felipe Melo, o meio-campista Patrick de Paula e o atacante Willian, além do técnico Vanderlei Luxemburgo, que dividiu o prêmio com Ricardo Catalá, do Mirassol.
Felipe Melo ainda faturou o prêmio de Craque da Galera, em votação popular, e Patrick de Paula foi escolhido como a revelação.

Pelo vice-campeão Corinthians estão na seleção o goleiro Cássio, o lateral-direito Fagner e zagueiro Gil.
Completam o time o lateral-esquerdo Edimar, do Bragantino, os meio-campistas Daniel Alves, do São Paulo, e João Paulo, da Ponte Preta; atacantes Artur, também do Bragantino, e Soteldo, do Santos.

Artur foi eleito ainda o Craque do Interior e venceu como o gol mais bonito do Paulistão, marcado na vitória por 3 a 2 sobre o São Paulo, no Morumbi, na penúltima rodada da primeira fase. O clube ainda teve Ytalo como artilheiro, com sete gols.

Raphael Claus e Luiz Flávio de Oliveira foram escolhidos como os melhores árbitros; e os prêmios para os assistentes ficaram com Neuza Back e Danilo Ziolli. Confira a seleção do Paulistão:

Goleiro
Cássio (Corinthians): o arqueiro corintiano, eleito o melhor goleiro do torneio, ao longo da competição se destacou pelo número de defesas com reflexo – 16 – e foi peça fundamental para o Corinthians se recuperar no torneio e chegar à decisão.

Lateral direito
Fagner: após dois anos de ausência, o lateral está de volta à Seleção do Paulistão. Em 2020, ele se destacou nos passes. Foram 15 decisivos no total, sendo que cinco deles resultaram em gol, que o transformaram no maior “garçom” do torneio. Durante o campeonato, fez 80 cruzamentos, com índice de acerto de 37,5%. Já esteve na Seleção do Paulistão em 2015, 2016 e 2017.

Zagueiros
Gil: o zagueiro corintiano foi quem mais levou a melhor nos duelos defensivos, com 82% de êxito. Pelo alto, foi importante no ataque, com dois gols marcados na campanha. É mais um que retorna para a Seleção do Paulistão após estar presente em 2013 e 2015.

Felipe Melo: recuado nesta temporada para a zaga, ele foi sinônimo de segurança. Em um dos times que menos deu chance de finalização aos adversários, o palmeirense ainda bloqueou 12 chutes. Ainda foi o quinto atleta do torneio com maior êxito nas jogadas aéreas – 70,42% – e deixou sua marca. Está na Seleção pela terceira vez (2017 e 2018).

Lateral esquerdo
Edimar: O Red Bull Bragantino na primeira fase teve a melhor campanha e entre os destaques esteve Edimar. Com três assistências, contribuiu nas jogadas ofensivas da equipe. Pela primeira vez figura na Seleção do Paulistão.

Meio-campistas
Patrick de Paula: uma das novidades do Palmeiras na temporada, o meia se destacou com longos lançamentos, acertando 68,29% de suas tentativas. Aos 20 anos, o Paulistão é seu primeiro campeonato profissional.

Daniel Alves: ninguém tocou mais na bola no Paulistão do que o veterano são-paulino. Foram 1102 passes – 90% de acerto – e 30 finalizações. Marcou quatro gols e pelo segundo ano consecutivo está entre os 11 melhores do campeonato.

João Paulo: em uma campanha irregular, mas que terminou na semifinal, o meia se destacou como principal organizador da Ponte Preta, com três assistências durante o torneio; foi o alvo preferido dos adversários, já que foi o atleta com mais faltas sofridas na competição, com 42. Aos 30 anos, disputa seu primeiro Paulistão e já estreia na Seleção.

Atacantes
Soteldo: se a campanha do Santos ficou abaixo do esperado, a culpa certamente não é de Soteldo. O ‘baixinho’ venezuelano foi o segundo atleta com mais duelos um contra um no campeonato – 91 –, levando a melhor em 59,34% deles. Deu duas assistências e marcou um gol. Está pela primeira vez na Seleção do campeonato.

Artur Victor: após se destacar no Londrina-PR e Bahia, o atacante trocou o Palmeiras pelo Red Bull Bragantino. No novo clube, se tornou fundamental e foi peça-chave, especialmente com suas arrancas – 39 durante todo o torneio. Ele ainda anotou três gols e deu três assistências. Também está na Seleção do Paulistão pela primeira vez.

Willian: o atacante tocou a bola dentro da área 65 vezes. 28 delas foram finalizações, sendo seis delas com êxito, transformando-o no vice-artilheiro do torneio. Além disso, esteve presente em todos os jogos do Palmeiras na competição. Em seu sétimo Paulistão, pela primeira vez está na Seleção do campeonato.

Técnicos
Vanderlei Luxemburgo: comandante do time campeão, o veterano treinador conquistou o Paulistão pela nona vez. Mas não é a história que o coloca na Seleção. O Palmeiras foi o segundo time com mais finalizações feitas e com menos finalizações contra, porém, mais efetivo que o São Paulo, que liderou as estatísticas. O time alviverde teve a melhor defesa do torneio com apenas sete gols sofridos e balançou as redes 21 vezes.

Ricardo Catalá: a campanha história do Mirassol teve muito da mão do seu treinador. Pela primeira vez como comandante no Paulistão, ele já fazia boa campanha com a equipe na pré-paralisação. Após perder 18 jogadores, deu sequência ao trabalho. No torneio, o Mirassol marcou 19 gols e aplicou a maior goleada: 6×0 sobre o Botafogo.

Conversas no Facebook