Agenda

“OLHO NO OLHO”

publicado em 12 de julho de 2019 - Por BJD

 SOB O TEMA “OLHO NO OLHO”, FESTIVAL ARTE SERRINHA CHEGA

À SUA 18ª EDIÇÃO E SERÁ REALIZADO ENTRE OS DIAS 13 E 28 DE JULHO

 

Com curadoria e direção artística de Fábio Delduque,

programação traz shows, oficinas, vivências, filmes e festival infantil

Foto: Divulgação

 

Consolidado como um dos mais importantes eventos dedicados à arte no estado de São Paulo, o Festival Arte Serrinha chega à maioridade neste ano com a realização de sua 18ª edição. Trazendo como tema “Olho no Olho”, a programação ocorre entre os dias 13 e 28 de julho, reunindo a já tradicional fusão entre arte e natureza, que marcaram os 18 anos ininterruptos do evento, desde a sua primeira edição em 2002. O festival tem como cenário o convidativo bairro da Serrinha, uma região de mananciais aos pés da Serra da Mantiqueira, nos arredores da cidade de Bragança Paulista (90 km de São Paulo).

 

Com curadoria e direção artística de um de seus idealizadores, Fábio Delduque, o Festival colocará à disposição do público uma programação diversificada, com diferentes linguagens como oficinas, shows, vivências, exibição de filmes e festival infantil.

 

O núcleo irradiador de todos os eventos do festival localiza-se em duas terras vizinhas e irmãs: a Fazenda Serrinha, espaço de convivência e de experimentações artísticas e ambientais, e o Sítio Santo Antônio, que abriga o Teatro Rural e o Galpão Busca Vida, lugares que acolhem a música, o teatro e a dança em suas diversas manifestações. “São espaços de criação artística, encontros e pensamento livre”, ressalta Delduque.

 

Além do Festival, o Arte Serrinha inclui um núcleo educativo e o parque de instalações da Fazenda Serrinha, dedicado à arte contemporânea, com obras e instalações artísticas distribuídas pelos 113 hectares da fazenda (abaixo, mais detalhes sobre o parque).

 

Olho no olho – O tema proposto para essa edição, “Olho no Olho”, segundo o curador do festival “é um chamado de volta à terra, à experiência não mediada entre as pessoas, a natureza e a arte”. Ele acrescenta ainda que apesar da tecnologia estar impregnada na civilização atual, “vamos buscar explicitamente estimular um uso mais consciente e equilibrado de smartphones e redes sociais em algumas atividades e espaços, resguardando os processos de trabalho e aprofundando experiências”.

 

Programação 2019 – Entre os destaques da programação desta edição do festival estão os shows, no Galpão Busca Vida, de Mart’Nália e Paulinho Moska (13/07) e Ana Cañas (20/07). Já o Teatro Rural receberá, no dia 28/07, a apresentação dos pernambucanos Adiel Luna, Bruno Lins e Banda Zé do Estado PE Mundo Afora.

 

As oficinas na Fazenda Serrinha contarão com as presenças de importantes nomes de diferentes linguagens artísticas como Eliane Caffé (Audiovisual); João Farkas (Fotografia); André Guerreiro Lopes (Teatro); Eduardo Félix (Marionetes); Diogo Granato (Improviso Cênico); Neide Rigo, Checho Gonzales e Macau Amaral (Gastronomia); Dudi Maia Rosa (Aquarela); Adriana Aragão (dança); e Adiel Luna e Banda Zé do Estado (Música) e Veridiana Aleixo e André Martinez (Laboratório do Olhar);

 

Para os fãs da sétima arte, o Cine Rancho terá a exibição dos filmes A Moça do Calendário (dir. Helena Ignez), Cine Marrocos (dir. Ricardo Calil) e Los Silencios (dir. Beatriz Seigner).

 

Vale ressaltar que os adultos que desejam aproveitar os dias de programação, mas possuem crianças pequenas, terão à disposição o Festival infantil na Fazenda Serrinha, para apresenta-los ao universo da arte, enquanto participam das outras atividades.

 

Fazenda Serrinha – A Fazenda Serrinha, núcleo principal do festival, é uma linda área verde de 113 hectares e dispõe de infraestrutura com salas de aula, ateliês, restaurante, alojamentos e pousada. Em 2001 foi reconhecida pelo Ibama (atual ICMBio) como RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural), funcionando como centro de vivências e experimentações culturais e ambientais.

 

Obras de arte na paisagem – O Festival também proporciona a oportunidade de se conhecer as obras de arte do inovador Parque de Instalações da Serrinha, localizado ao longo de todo o espaço da Fazenda Serrinha. Trata-se do único espaço expositivo e ambiente arte-educativo da região dedicado à arte contemporânea, que coloca à disposição da sociedade um  local de reflexão sobre as interferências humanas nos ambientes naturais.

 

O parque abriga as seguintes obras: “Justiça Selvagem” (Lucas Bambozzi), “Tronco para Exú” (Hugo França), “Casulo” (Fábio Delduque), “Carro Verde” e “Mula sem Cabeça” (Bijari), “Fertil” (Fernando Limberger), “Repouso” (Laura Gorski), “Eu te Como” (José Roberto Aguilar), “Mercado” e “Nau” (Eduardo Srur), “Harpa” (Marcos Amaro), “(I) Mobiliário” (Gustavo Godoy), “A Grande Espiral” (Bené Fonteles), “Enquadrando a Paisagem” (Luiz Hermano) e “Espelho d’Água” (Jean Paul Ganen).

 

 

PROGRAMAÇÃO – 18º FESTIVAL DE ARTE SERRINHA

 

SHOWS

Galpão Busca Vida

06/07 – Maikão convida Diego Moraes (festa de lançamento do festival).

Ingressos: Antecipados a partir de R$ 30,00. Na hora – R$ 70,00 e R$ 35,00

 

13/07 – 23h30 – Mart’Nália e Paulinho Moska.

Ingressos: Antecipados a partir de R$ 30,00. Na hora – R$ 80,00 e R$ 40,00

 

20/07 – 23h30 – Ana Cañas.

Ingressos: Antecipados a partir de R$ 30,00. Na hora – R$ 80,00 e R$ 40,00

 

27/07 – 2 Reis.

Ingressos: Antecipados a partir de R$ 30,00. Na hora – R$ 80,00 e R$ 40,00

 

Teatro Rural 

28/07 – 18h – Adiel Luna, Bruno Lins e Banda Zé do Estado PE Mundo Afora. Grátis.

 

OFICINAS E VIVÊNCIAS – FAZENDA SERRINHA

De 15 e 16/07, das 14h às 18h 

André Guerreiro Lopes

TEATRO – Tornando Visível o Invisível – Oficina de mímica corporal dramática de Etienne Decroux.

30 vagas. R$ 100,00

Sinopse: Os participantes irão explorar uma visão teatral que coloca o ator e seu corpo no centro da criação, abordando os processos de criação do Estúdio Lusco-Fusco. O estudo inclui: improvisação e composição no teatro teatral; dilatação da presença cênica; precisão e estilização da ação física; articulação do corpo, do espaço e da ação; contrapesos; deslocamentos no espaço; figuras de estilo; estatuária móvel; dínamo-ritmo e musicalidade do movimento; estudo de repertório da mímica moderna.

 

Ator e diretor teatral, André Guerreiro Lopes é diretor artístico da Cia. Estúdio Lusco-fusco, explora a interseção das linguagens artísticas como teatro, cinema e artes visuais. Dirigiu e atuou em espetáculos como Tchekhov é um Cogumelo, indicado ao APCA de Melhor Espetáculo do Ano e Ilhada em Mim – Sylvia Plath, indicado ao Prêmio APCA de Melhor Direção. Foi membro por cinco anos do Theatre De L’ange Fou, cia. de teatro físico sediada em Londres, apresentado-se em diversas cidades da Europa, Israel e Brasil. Foi assistente de direção do diretor Bob Wilson nos projetos teatrais Garrincha e A Dama do Mar e atuou em companhias teatrais como Cia do Latão e no CPT de Antunes Filho. Formado em Rádio e TV na ECA- USP, no Teatro Célia Helena e em especialização de 5 anos em Mímica Corporal Dramática na l’Ange Fou International School of Corporeal Mime de Londres.

 

De 15 a 20/07, das 14h30 às 17h30

Veridiana Aleixo e André Martinez

Laboratório do Olhar

20 vagas. R$ 300,00

Sinopse: Inspirados pela abordagem do poeta, escritor e cientista alemão Johann Wolfgang von Goethe para observação de fenômenos naturais, Veridiana Aleixo e André Martinez proporão ao longo da semana um percurso de exercícios e vivências na natureza da Fazenda Serrinha, somados a uma boa dose de conversa e construção conjunta de conhecimento. A partir da observação das paisagens – naturais e humanas –, a oficina convida os participantes a experimentarem um jeito diferente de enxergar e de se relacionar com os fenômenos sociais do mundo à nossa volta nos diversos contextos – político, social, cultural, individual.

 

André Martinez

Com mais de 30 anos de atuação, é pioneiro no desenvolvimento de modelos transversais de gestão cultural. Atua na convergência cultura, inovação e desenvolvimento social e pessoal. Como consultor de empresas, fundações e governos, dedica-se principalmente ao codesign e ativação de metodologias criativas e colaborativas de inovação social. Formação em Práticas Sociais Reflexivas pela The Proteus Initiative/Instituto Fonte.

 

Veridiana Aleixo

Idealizadora do Laboratório do Olhar (@labdoolhar), iniciativa que busca cada vez mais difundir e construir coletivamente um olhar para as iniciativas e organizações humanas como processos vivos, em constante transformação e autocriação, une a experiência de 10 anos na gestão e produção de projetos culturais à Prática Social Reflexiva que traz a abordagem fenomenológica para processos sociais. Graduada em administração de empresas pela FGV-SP e formada no Programa Artistas do Invisível realizado pelo Instituto Fonte (SP) e Allan Kaplan do Proteus Initiative (África do Sul), facilita processos de aprendizagem no campo do desenvolvimento pessoal e organizacional como o Programa Museu Aberto do MAM-SP em 2018 em parceria com André Martinez.

 

De 17 a 21/07, das 14h às 18h

Eduardo Félix

Oficina  MARIONETES – A Construção de Pigmalião.

20 vagas. R$ 200,00

Sinopse: Segundo a mitologia grega, Pigmalião amava tanto uma de suas esculturas que os deuses decidiram dar vida à sua criação. Como ele, o bonequeiro busca construir seus bonecos para que eles ganhem vida. Nesta oficina os alunos irão construir juntos um boneco completo em proporções naturais, usando técnicas elaboradas de articulação, essenciais para criar a ilusão de que os bonecos possuem vida própria.

 

Eduardo Felix é formado em escultura e atua como bonequeiro e cenógrafo , onde teve seu primeiro contato com os bonecos; Giramundo e “Armatrux”. Fundou e é diretor artístico do Pigmalião Escultura que Mexe, em que desenvolve suas pesquisas sobre marionetes, dramaturgia, performance sonoplastia, e ensino de suas práticas. Ministrou oficinas na Bélgica, Espanha, França, Itália, País de Gales e em várias cidades brasileiras. Escreveu e dirigiu espetáculos como “O presente” (2007), primeiro trabalho do Pigmalião; “A filosofia na alcova”; “O quadro de todos juntos” e “Macunaïma gourmet”, em parceria com Eid Ribeiro, uma releitura mordaz da obra de Mário de Andrade.

 

De 17 a 19/07, das 10h às 18h 

Neide Rigo, Checho Gonzales, macaU Amaral

Oficina de GASTRONOMIA – A Revolução Será Cozinhada.

12 vagas. R$ 250,00

Sinopse: A proposta da oficina é proporcionar um encontro com pessoas que estão pensando sobre novas e antigas formas de nutrir não só o corpo, mas também o intelecto. A experiência será liderada por macaU Amaral, do projeto @revolucaocozinhada, que busca aumentar a consciência alimentar e o empoderamento culinário por meio de conteúdos e histórias de comida. Durante três dias os chefs Neide Rigo e Checho Gonzales ocuparão a cozinha do restaurante Ca de Mez Amig, compartilhando seus conhecimentos de técnicas e resgate de práticas como conservação de alimentos com desidratação, colheita da mandioca e de diversas plantas alimentícias e preparos tradicionais e criativos.

 

Quarta e quinta-feira, 17 e 18 de julho – Panc’oca [panc + mandioca], com Neide Rigo

Passeio pela Fazenda Serrinha identificando e colhendo plantas alimentícias não convencionais, para posterior preparo. Também serão conhecidos os processos pelos quais passam a mandioca para se transformar em farinha seca, farinha d´água, farinha de raspa, tapioca, farinha de tapioca, puba/carimã. Vamos fazer beijus de massa, beijus de tapioca e tortillas. Será usada a carimã (produto fermentado da mandioca) para fazer bolo, mingau e grolado.

 

Sexta-feira – dia 19 de julho – Desidratados, cultura Milenar, com Checho Gonzales

Práticos e nutritivos eles vêm se tornando uma alternativa nos dias atuais: são baratos, fáceis de transportar e ainda mantêm as propriedades nutricionais originais. Os alimentos desidratados são resultado de uma técnica milenar utilizada para conservação. Checho apresentará papas e semente criolas, pimentas como aji amarillo e aji rojo, milho desidratado, batatas do tipo chuño e tunta, a quirquiña, que é uma erva parecida com coentro e pêssegos desidratados.

 

Neide Rigo

Criadora da “PANC na City”, uma oficina referência para quem quer entender mais sobre como colher, plantar e cozinhar, Neide Rigo transforma as plantas, principalmente as PANC (Plantas Alimentícias não Convencionais), em pratos diversos. Nutricionista pela USP, ela pesquisa ingredientes pouco conhecidos, esquecidos ou desvalorizados, seu cultivo e a maneira como podem ser preparados. É autora do blog “Come-se” e do livro “Mesa farta no semiárido – Receitas com produtos da agricultura familiar” e colunista do caderno “Paladar” de O Estado de S. Paulo.

 

Checho Gonzales

Realizando uma culinária que denomina “cozinha de imigrante”, Checho adapta pratos típicos bolivianos aos ingredientes brasileiros. Foi aprendiz do Kyiomi, um dos primeiros sushiman de São Paulo e cozinheiro no Na Mesa e D.O.M., restaurantes do Alex Atala. Sua primeira casa, o Brancaleone, marcou época em São Paulo. Visionário, já foi chef de casas famosas no Rio como Zazá, Togu, 00, Dona B. e Pecado. Com Henrique Fogaça e Lira Yuri, criou o Mercado Feira Gastronômica. Sua Comedoria Gonzales foi uma das responsáveis pela revitalização do mercado de Pinheiros recentemente. Checho acabou de abrir seu segundo restaurante em São Paulo, o Mescla.

 

macaU Amaral

Diretor, locutor, músico e pai que participa do Festival Arte Serrinha desde sua primeira edição como aluno, DJ e documentarista. macaU presta um serviço de utilidade pública e educação fundamental com seu projeto @revolucaocozinhada, que busca aumentar a consciência alimentar e o empoderamento culinário por meio de conteúdos e histórias de comida. Pela primeira vez ele apresenta o projeto em formato de workshop

 

De 18 a 21/07, das 10h às 17h

Dudi Maia Rosa

Oficina de AQUARELA – O Caminho Simples e Distinto da Aquarela.

20 vagas. R$ 250,00

Sinopse: No primeiro dia, após uma breve introdução sobre a técnica da aquarela, o grupo irá produzir os pigmentos. Com a aquarela feita, cada um fica livre para a experimentação. Ao longo dos dias seguintes – sexta, sábado e domingo de manhã – sempre será proposto, inicialmente, um exercício no ateliê e em seguida os participantes se espalharem pela fazenda, livres para a criação.

 

Dudi Maia Rosa

Iniciou suas primeiras investigações pictóricas com materiais translúcidos, como a resina poliéster pigmentada em fibra de vidro, em 1984. Tornou-se conhecido por conceber trabalhos com volumes e relevos que retêm a luz dentro de si. Apresentou sua primeira exposição individual no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo, SP, em 1978. Desde então, realizou diversas exposições individuais em importantes espaços dentre os quais na André Millan Galeria (1993) e Galeria Millan, São Paulo, SP (2009, 2012 e 2016); Centro Cultural Maria Antônia, São Paulo, SP (2002 e 2013); Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, SP (2013); Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP (2008), entre outros.

 

De 19 a 21/07, das 14h30 às 17h30

Adriana Aragão

Oficina de DANÇA – Estudo das Yabás.

15 vagas. R$ 150,00

Sinopse: A oficina visa relacionar o elemento água e vento das Yabás, Orixás femininos do candomblé e os fluidos do corpo a partir do canto, da escuta musical, dos movimentos, trazendo suas danças. A oficina terá música ao vivo.

 

Adriana Aragão

Percussionista, vocalista, compositora, arranjadora e pesquisadora da cultura do Candomblé, é uma das fundadoras do Bloco Afro Ilú Obá De Min desde 2004. Possuindo o título de Yatèbèsé, Mãe que faz as súplicas – aquela que entoa os Cânticos Sagrados. Desde pequena recebeu permissão para tocar os Tambores Sagrados. Possui graduação em Musicoterapia pela Faculdade Paulista De Artes (2010). Há 19 anos trabalha como arte educadora por meio da Associação Arte Despertar em comunidades e há 10 anos também como musicoterapeuta e arte educadora na área hospitalar. Trabalha com a Cia Brasileiras de Mystérios e Novidades (teatro de rua) e Com a CIA São Jorge De variedades.

 

De 22 a 28/07, das 10h às 17h

Eliane Caffé

Oficina de AUDIOVISUAL – Mapa Afetivo dos bairros Água Comprida e Serrinha.

25 vagas. R$ 300,00

Sinopse: Por meio da utilização do app whatsapp como suporte para imagens, sons, desenhos e textos, a oficina realizará uma deriva criativa nos bairros de Água Comprida e Serrinha para o levantamento da identidade comum entre ambos os territórios.

 

Eliane Caffe

Em sua carreira de cineasta escreve e dirige curtas, longas metragens e series de TV . Dirigiu e co-roterizou os longas “Kenoma”; “Narradores de Javé”; “O sol do meio dia” e o mais recente, “Era o Hotel Cambridge”. Ao longo de sua trajetória a diretora vem construindo temáticas e abordagens cada vez mais implicadas com a exploração da linguagem audiovisual em “zonas de conflitos reais” – tanto no contexto rural do Brasil como nos grandes centros urbanos.

 

De 22 a 27/07, das 10h às 18h

Diogo Granato

Oficina de Improviso Cênico

30 vagas. R$ 250,00

 

De 22 a 25/07, das 9h às 13h

João Farkas – Oficina de FOTOGRAFIA – Linguagem, Expressão e Personalidade em Fotografia.

15 vagas. R$ 250,00

Sinopse: A oficina utilizará uma metodologia que parte do reconhecimento dos interesses e da personalidade do autor/fotógrafo para ajudá-lo a encontrar o seu olhar sobre o mundo, seu estilo, sua personalidade visual e abrir caminhos para seu trabalho. Os exercícios incluem a análise da produção própria e alheia para a construção de um repertório crítico em relação ao trabalho já desenvolvido, substituindo a tradicional busca de um assunto ou tema externo pela procura interna de uma força criativa pessoal, específica, única.

 

João Farkas

Graduado em filosofia pela Universidade de São Paulo e formado em fotografia pela International Center of Photography e pela School of Visual Arts. Em Nova York trabalhou como fotógrafo correspondente para as revistas Veja e IstoÉ, além de fazer parte da equipe de reportagem da Rede Globo de Televisão. Possui obras publicadas em inúmeros nomes da imprensa brasileira e internacional. Seu trabalho-documento “Retratos da Ocupação da Amazônia” recebeu a bolsa Vitae e o Prêmio Aberje em 1988. Seu trabalho “De Trancoso ao Espelho da Maravilha” foi objeto de publicação em dois livros: “Museu Aberto do Descobrimento” e Nativos e Biribandos”. Parte de suas obras fazem parte hoje dos acervos da Maison Européenne de Photographie em Paris, Tulane University-Nova Orleans, ICP-NY, Fundação Figueiredo Ferraz, Masp, MAR, entre outras instituições.

 

De 28/07, das 14h30 às 17h30

Adiel Luna e Banda Zé do Estado

Oficina de MÚSICA –  Ritmos Regionais e Da pisada ao verso.

30 vagas. Gratuito

Sinopse: A oficina de ritmos regionais ministrada pelo grupo Zé do Estado propõe uma imersão nos ritmos tradicionais do Nordeste como o forró, o coco, o baião, o maracatu e a ciranda, desenvolvendo, na prática, as particularidades de cada ritmo, abrindo possibilidades para uma conexão com a cultura nordestina através da música. Já a oficina “Da pisada ao verso” traz uma radiografia da poética e do ritmo do coco, um das mais importantes expressões da cultura nordestina. O encontro promove uma troca de saberes, em que os participantes terão contato com as métricas e os estilos do coco, numa aula de música e poesia.

 

Adiel Luna é coquista. Participou das principais sambadas do Estado de Pernambuco e é considerado hoje o único representante da renovação do coco de São João. Em 2010 ganhou o prêmio de primeiro lugar do Festival Pré-Amp e a oportunidade de gravar o seu primeiro CD – o Camará. Com ele, em 2014, conquistou o segundo lugar no Premio Saraiva de Música. No ano seguinte, em 2015, lançou o elogiado Baionada, com incentivo do FUNCULTURA. Também é mestre de baque solto, tendo passado por grandes maracatus como o Piaba de Ouro, o Leãozinho de Aliança, o Estrela da Tarde e o Leão do Norte.

 

Zé do Estado – Natural de Caruaru, Agreste Pernambucano, e fundada em meados da década de 30, pelo músico José Feliciano Rodrigues, a banda de pífanos Zé do Estado é um dos mais tradicionais grupos do gênero, em todo o Brasil. Atualmente representada por Basto, Zé Gago e Mestre Tonho, todos filhos do “Zé do Estado”, o grupo já realizou inúmeras turnês nacionais e internacionais. O grupo têm se consagrado pela capacidade de envolver as plateias e pela atitude brincante e carismática dos seus integrantes, quase todos sexagenários. Entre grandes eventos realizados dentro o fora do Brasil, a banda foi convidada para participar da edição do Rock in Rio, em 2017, no palco Sunset, dentro do Show O Grande Encontro, de Alceu Valença, Elba Ramalho e Geraldo Azevedo.

 

FILMES – CINE RANCHO

Horários: Sextas e sábados, às 21h30

Ingressos: R$ 10,00

Endereço: Rodovia Padre Aldo Bolini, km 80,7

 

Dias 12 e 13/07

A Moça do Calendário (dir. Helena Ignez)

Sinopse: Sem emprego fixo, o quarentão Inácio (André Guerreiro Lopes) trabalha como dublê de dançarino à noite e mecânico durante o dia. Quando não está nas pistas ou operando veículos, seus pensamentos galvizam para um relacionamento platônico para a bela garota que estampa o calendário da oficina.

Duração: 1h26min

Classificação etária: 14 anos

 

Dias 19 e 20/07

Cine Marrocos (dir. Ricardo Calil)

Sinopse: Um dos maiores símbolos de luxo na década de 1950, o Cine Marrocos foi sede do primeiro festival internacional de cinema do Brasil. Em 2013, o lugar se tornou lar da segunda maior ocupação de sem-tetos de São Paulo. Recontando a história do estabelecimento e com depoimentos das pessoas que o ocuparam, o documentário explora a dualidade entre o alto da riqueza e a pobreza que esse espaço veio a representar.

Duração: 1h16min

Classificação etária: 14 anos

 

Dias 26 e 27/07

Los Silencios (dir. Beatriz Seigner)

Sinopse: Amparo (Marleyda Soto) é mãe de dois filhos pequenos e está fugindo dos conflitos armados da Colômbia. Na tríplice fronteira do país com o Peru e o Brasil, ela e os meninos se abrigam em uma pequena ilha com casas de palafita no Rio Amazonas. No local, eles encontram o pai (Enrique Diaz), que supostamente estava morto.

Duração: 1h30min

Classificação etária: 12 anos

 

FESTIVAL INFANTIL NA FAZENDA SERRINHA

De 15 a 27/07, das 14 às 16h30

Para crianças até 8 anos (as menores de 4 anos precisam estar acompanhadas de um adulto).

15 vagas. R$ 30,00 por dia

 

OFICINAS PARA CRIANÇAS E JOVENS – ÁGUA COMPRIDA

Dias 15, 16, 17, 18 e 19/07, das 14h às 17h

Oficina de Circo – Entrando em Cena . (a partir de 7 anos). 30 vagas. Gratuito

 

Dias 23, 25 e 27/07, das 14h às 17h

Oficina Baque Lua Cris. (a partir de 7 anos). 30 vagas. Gratuito

 

Dias 24 e 26/07, das 14h às 17h

Oficina Pequeno Teatro do Mundo. (a partir de 7 anos). 15 vagas. Gratuito

 

 

18º FESTIVAL DE ARTE SERRINHA

De 13 a 28 de julho

Inscrições e informações: www.festivaldearteserrinha.com.br

Endereço: Estrada para Piracaia, Km 71,5 (acesso pelo quilômetro 19 da Rodovia Fernão Dias para Piracaia), Bragança Paulista.

Telefone: (11) 9 7368-7997 (Segunda a sexta, das 10h às 19h e sábado, das 10h às 14h).

 

 

INFORMAÇÕES À IMPRENSA

Sylvio Novelli – Assessoria em Comunicação

Com Sylvio Novelli e Fausto Cabral

11 3806-1636

sylvio@sylvionovelli.net (cel: 11 9 9231-3211)

fausto@sylvionovelli.net  (cel: 11 9 9855-8144)