BJD
23 máx 8 min
BragançaPaulista01 Ago 2014


Esporte


Nair, nome de homem e de bom meio-campista
Por Ariovaldo Izac   Sexta-Feira,  01 MAR 2013
Versão para impressão
Tamanho dos carácteres

 Nair é nome de mulher? De certo você vai responder que sim. A mulher do falecido astro Mané Garrincha chamava-se Nair. Outros nomes comuns a homens e mulheres são Darci, Juraci, Valdeci, Jaci, Nadir, Jucilei e Íris, entre outros. O caso também se aplica a quem tem o apelido de Zezé, proveniente de Maria José ou José Maria.

O Nair José da Silva em questão foi um jogador que ficou famoso no futebol nos anos 60, tanto que atuou quatro vezes pela Seleção Brasileira.

Nascido no Rio de Janeiro em maio de 1937, iniciou a carreira no Madureira, e a partir de 1963 seu estilo clássico pôde ser visto na Portuguesa, onde atuou até 1965, num time comandado pelo treinador Aimoré Moreira (falecido) e formado por Orlando Gato Preto (Félix); Jair Marinho, Ditão, Wilson Silva e Edílson; Pampolini e Nair; Almir, Henrique Frade, Dida e Ivair.



Seu próximo clube foi o Corinthians, em tumultuada transferência dele e do zagueiro Ditão. Foi um período em que a Lusa abastecia o trio de ferro de São Paulo com jogadores de destaque. Também saíram da Portuguesa para o Corinthians os laterais-direitos Jair Marinho e Zé Maria, volante Badeco e atacante Ivair. Para o Palmeiras foram o lateral-direito Djalma Santos, ponteiro-direito Julinho, e os meias-atacantes Servílio, Leivinha e Enéas, por exemplo.

Jair Marinho jogou na Portuguesa entre 1963 e 1966. Depois disso mais dois anos pelo Corinthians, antes de regressar ao Rio de Janeiro e integrar o elenco do Vasco.

Ele e Nair, ainda no Corinthians, participaram daquele nostálgico empate por 4 a 4 com o São Paulo por um torneio paulista de 1966, ocasião em que Nair - meia já adaptado como volante - empatou a partida no último minuto, em cobrança de pênalti, e Jair Marinho entrou no segundo tempo em substituição ao titular Galhardo.

Eis o time corintiano da época: Marcial; Galhardo (Jair Marinho), Eduardo, Clóvis e Maciel; Nair e Rivelino; Marcos (Bataglia), Tales, Flávio e Gilson Porto. Aquela temporada de 1966 marcou a passagem de Garrincha pelo Corinthians, sem, contudo, ratificar o futebol consagrado de Botafogo e Seleção Brasileira.

Em 1969, aos 32 anos de idade, Nair mostrou que ainda tinha lenha para queimar quando se transferiu para o Atlético Paranaense, que na época montou equipe basicamente com jogadores veteranos para o Torneio Roberto Gomes Pedrosa.

Lá estavam Djalma Santos, o zagueiro Belini - ex-São Paulo -, volante palmeirense Zequinha e os atacantes Gildo, Dorval e Zé Roberto, saídos de Palmeiras, Santos e São Paulo, respectivamente.

Eles se juntaram ao goleiro Célio, zagueiro Charrão, lateral Nilo, meia-armador Paulista, centroavante Madureira e ponteiro-esquerdo Nilson Bocão.

Nair está radicado no Rio de Janeiro e trabalha numa escolinha de futebol em Madureira.