BJD
29 máx 17 min
BragançaPaulista18 Fev 2018


Cidade


SAMU reduz de 4 horas para 40 minutos tempo médio de atendimento em casos de menor gravidade
Sábado,  10 FEV 2018
Versão para impressão
Tamanho dos carácteres

 O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) 192 divulgou nesta semana informações sobre os atendimentos à população de Bragança Paulista e Região em 2017. Um dado interessante revelado à reportagem do BJD nesta semana foi a diminuição do tempo de espera de pacientes em casos de menor gravidade em Bragança Paulista e Atibaia.

De acordo com Israel da Silva (coordenador geral), Manir Beltrame Junior (coordenador de enfermagem regional), Marisa Mori Pignatari (responsável técnica municipal) e Simoni Aparecida Tedeschi Abramo (auxiliar administrativa e responsável pelas estatísticas), que receberam a reportagem, a redução se deve a uma reorganização logística das ambulâncias, que possibilitou a separação dos pacientes do transporte programado com os do transporte sanitário.

“Antigamente os pacientes com casos mais simples como, por exemplo, dores de barriga, no pé, de dente, enfim, que não eram emergências, tinham que aguardar as ambulâncias do transporte programado, ou seja, de pacientes que fazem tratamentos como hemodiálise, quimioterapia ou radioterapia em outras cidades, o que resultava num tempo de espera de 4 a 5 horas. A partir de 2017 passamos a atendê-los separadamente, o que resultou numa redução do tempo de espera para cerca de 30 a 40 minutos”, comentam.

ESTATÍSTICAS

Segundo os dados divulgados, referentes aos atendimentos prestados na área de abrangência do SAMU Regional de Bragança (Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Joanópolis, Nazaré Paulista, Pedra Bela, Pinhalzinho, Piracaia, Socorro, Tuiuti e Vargem) em 2017, foram 50.035 ocorrências durante o ano, a maior parte em Bragança Paulista, com 17.494 casos.

O tempo médio entre a entrada da ligação, definição do grau de urgência e recurso necessário para o atendimento pelo médico regulador e envio de recurso pelo rádio operador (RO) foi de aproximadamente 5 minutos. O tempo-médio das Unidades de Suporte Avançado até o local foi de aproximadamente 17 minutos em âmbito regional e no município de Bragança Paulista aproximadamente 12 minutos.

O tempo-médio de regulação em código vermelho foi de aproximadamente 4 minutos em âmbito regional, que corresponde ao tempo médio entre a entrada da ligação, definição do grau de urgência e recurso necessário para o atendimento pelo médico regulador e envio do recurso pelo rádio operador (RO).

As identificações dos tipos dos chamamentos de adulto/regional dividiram-se em: 62% clínico adulto, 7% gineco-obstétrico, 7% psiquiátrico, 18% causas externas, 4% não especificado e 2% mortalidade. Os dados referentes aos chamamentos pediátrico/regional foram: 85% clínico pediátrico, 0% gineco-obstétrico, 1% psiquiátrico, 12% causas externas, 2% não especificado e 0% mortalidade.

“Vale ressaltar que atendemos uma área com 463.821 habitantes, mas que aumenta consideravelmente aos finais de semana devido aos turistas e proprietários de chácaras, chegando a cerca de 800 mil”, acrescentam os integrantes do SAMU.

Os treinamentos das equipes de intervenção são realizados na própria base visitada, bem como na base central, facilitando a reciclagem do maior número de profissionais possível. Foram realizados 11 cursos durante o ano, com um total de 229 participantes.

“Independentemente da área, só a formação acadêmica não é suficiente para atuar no SAMU. É preciso ter no mínimo um curso introdutório de 180 horas e passar num processo seletivo [a Med Life, Organização Social que assumirá a rede de urgência e emergência no município, deverá promover processo seletivo para o SAMU em breve]. Realizamos seis encontros por ano com semanas temáticas principalmente sobre o que eventualmente esteja deficitário ou seja pouco utilizado em nosso atendimento, para que possamos estar sempre melhor preparados”, afirmam.

A equipe do SAMU Regional conta com 35 médicos; 18 motoristas socorristas (especializados em transporte de emergência, como parada cardíaca); 10 motoristas de transporte sanitário (pacientes acamados ou com dificuldade de locomoção); 18 técnicos auxiliares de regulação médica, 11 técnicos de enfermagem; 6 enfermeiros; 5 do administrativo; 4 da gestão e 2 serventes (equipe de apoio).

VIATURAS

O SAMU Regional possui 13 viaturas e duas do suporte avançado. Em Bragança Paulista ficam três viaturas, sendo duas do suporte básico e uma do suporte avançado. “O Ministério da Saúde recomenda que os SAMUs tenham uma viatura de suporte básico para cada 150 mil habitantes e uma de suporte avançado para cada 350 mil.

Como estamos numa área com cerca de 463 mil habitantes, estamos acima do que é preconizado pelo ministério, mais até do que regiões como Campinas e Sorocaba, por exemplo”, observam.

As viaturas têm um tempo médio de cinco anos, no limite do que determina o Ministério da Saúde. O Município já solicitou as novas ambulâncias e aguarda uma providência do governo federal.

A reivindicação foi apresentada pelo vereador Cláudio Moreno ao deputado federal Herculano Passos, em visita ao gabinete do prefeito Jesus Chedid, em janeiro do ano passado. O deputado enviou um ofício ao Ministério da Saúde, que emitiu um parecer técnico apontando que o município cumpre com os critérios para a renovação da frota de ambulância do SAMU 192. “Havendo a disponibilidade das mesmas [unidades móveis] este Ministério da Saúde realizará as devidas renovações de forma automática”, diz trecho da documentação.

“Poucos SAMU têm essa estrutura, desde a quantidade de profissionais e viaturas para cada habitante, que permitem um tempo-resposta eficiente, até os medicamentos, como o Metalyse [para casos de infarto agudo do miocárdio e que custa R$ 6.000,00]. Por isso a maioria dos municípios de nossa rede estão qualificados [classificação máxima do Ministério da Saúde, incluindo Bragança Paulista] e os que ainda não estão são habilitados em processo de qualificação”, finalizam.