BJD
31 máx 17 min
BragançaPaulista21 Jan 2018


Cidade


Editorial: Vivendo de sonhos
Sábado,  02 DEZ 2017
Versão para impressão
Tamanho dos carácteres

 No cenário internacional do turismo, o Brasil ocupa um modesto 28º lugar. Isso depois da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. Antes, conforme dados do Ministério do Turismo, ocupava a 53º posição dentre as economias mais competitivas na recepção de turistas. Portanto, bem distante das primeiras opções, como Espanha, França, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, Suíça, Austrália, Itália, Japão e Canadá.

A Espanha tem apenas o dobro da área territorial do Estado de São Paulo e a mesma população, cerca de 45 milhões de habitantes. Por que se destaca na recepção turística deixando o Brasil, gigante, muito atrás? A posição geográfica facilita o turismo de europeus dos demais países.

É decisiva a facilidade de acesso por avião, trem, barcos e automóveis. A infraestrutura faz grande diferença na atração de turistas, assim como a variedade das atrações e, principalmente, a qualidade dos serviços prestados.

Pouca divulgação, insegurança generalizada, mão de obra despreparada e grandes distâncias a serem percorridas são desafios atuais para o turismo brasileiro. Há um longo caminho a ser percorrido pelo Brasil para consolidar a economia do turismo.

Quantidade e variedade de atrações naturais, culturais e históricas não lhe faltam. A situação é em parte amenizada pelo progressivo destaque do País na captação de turismo motivado por eventos e feiras, onde ocupa o sétimo lugar no cenário internacional.

‘Distância maior’ do que essa do Brasil em relação a dezenas de países ocorre entre Bragança Paulista e outras cidades paulistas e brasileiras no âmbito do turismo. A cidade não tem uma única placa de sinalização marrom para indicar onde se encontram nossas atrações naturais e históricas e sua capacidade de hospedagem está muito abaixo daquilo que ocorre em municípios vizinhos. Consequentemente, a mão de obra especializada em atendimento também é pequena.

Não obstante vários anúncios de verbas estaduais e federais, a manutenção de algumas atrações turísticas é precária e várias obras encontram-se paradas ou adiadas. Ruas, praças e jardins são locais que ainda não estão plenamente recuperados. Poucas inovações estão ocorrendo e apenas no âmbito da iniciativa privada. Aliás, Bragança Paulista precisa definir a sua vocação.

Que é uma Estância Climática, sem dúvida! Seu clima é característico de montanha, com altas elevações da área sul da Serra da Mantiqueira. Mas não possui uma vocação clara e definida.

No âmbito do Turismo, há uma série de dificuldades encontradas pelos visitantes, onde destaca-se a precariedade das rodovias que dão acesso ao nosso município, todas sob a jurisdição do Departamento de Estradas e Rodagem (DER). Por que fazemos o percurso de Bragança Paulista a Itatiba por meio de pista simples, com baixíssima velocidade e sob os olhares de dezenas de radares, com péssimas condições de trafegabilidade, trechos sem acostamentos, entre outros aspectos negativos, e a partir de Itatiba encontramos estradas duplicadas, asfalto ‘bom’ chegando a Jundiaí, Itupeva, Cabreúva, Itu e Sorocaba?

Em Cabreúva, onde há poucos anos estrada e ruas se misturavam, existe hoje um túnel para que os moradores caminhem com segurança por suas ruas e os viajantes mantenham boa velocidade na rodovia. Entre Itatiba e Jundiaí, as rodovias possuem inúmeras passarelas, viadutos e os trechos urbanos têm vias marginais.

A partir desses municípios, é possível acesso às rodovias Anhanguera, Bandeirantes e Castelo Branco, chegando depois a centenas de municípios por meio de vicinais bem cuidadas. Situação bem diferente das estradas que hoje ligam Bragança ao Circuito das Águas e a outros municípios vizinhos.

Há pouco a ser comemorado, mas existe em Bragança, região e no próprio país, muito a ser feito. É bom trocar ideia e estabelecer parceria, mas decisivo mesmo é montar um plano de ação e implementá-lo, assim como juntar as forças políticas para que Bragança Paulista e região coloquem-se no patamar de polos turísticos que hoje encantam brasileiros e estrangeiros. Neste quesito, há muito mais a ser feito através do Governo do Estado e da Federação, em particular junto ao Ministério do Turismo e ao Departamento Estadual de Estradas de Rodagem.

Na próxima segunda-feira, 4 de dezembro, a Câmara Municipal da Estância de Bragança Paulista, a União dos Vereadores do Estado de São Paulo (UVESP) e a Frente Parlamentar Mista do Congresso Nacional em Defesa do Turismo realizarão um seminário sobre turismo e sustentabilidade.

Estarão presentes o deputado estadual Edmir Chedid e outras autoridades do Estado, o deputado federal Herculano Passos e outras autoridades ligadas ao Turismo, representantes de empresas que atuem nesse ramo, o prefeito Jesus Chedid e outras autoridades municipais, a presidente da Câmara Beth Chedid e outros vereadores, assim como convidados de variadas procedências.

Uma excelente oportunidade para que Bragança Paulista pare de ‘viver de sonhos’!