BJD
32 máx 15 min
BragançaPaulista17 Out 2017


Cidade


Bispo fala sobre comemorações dos 300 anos de N. Sra. Aparecida
Quinta-Feira,  12 OUT 2017
Versão para impressão
Tamanho dos carácteres

 Nesta quinta-feira, 12 de outubro, o Brasil celebra os 300 anos do encontro da imagem da Imaculada Conceição no Rio Paraíba do Sul, popularizada mais tarde por “Nossa Senhora da Aparecida”.

Na semana da comemoração do tricentenário dessa santa, a reportagem do BJD entrevistou o bispo Dom Sérgio Aparecido Colombo, que falou sobre as comemorações a serem realizadas pela Diocese ao longo deste ano jubilar.

“Estamos vivendo os 300 anos do encontro da imagem da Virgem Maria, a Imaculada Conceição, nas águas do Paraíba do Sul, que passou a ser chamada “Aparecida”. É realmente um tempo de graça que nos faz voltar para o mistério de Deus.

Por meio deste acontecimento de fé, que ultrapassa nosso conhecimento humano, Deus quis se revelar-se; quis que o povo brasileiro, por meio de sua mãe Maria, se achegasse nele. Ninguém pode ficar fora ou ignorar este acontecimento. Quem não é cristão ou não professa fé alguma, o mínimo que pode fazer é silenciar-se diante de tão grande acontecimento”, iniciou Dom Sérgio.

A Diocese de Bragança Paulista desde o ano passado tem participado das festividades. No ano passado, no Santuário de Aparecida, a Diocese recebeu a imagem peregrina, que percorreu todas as paróquias.

“A peregrinação da imagem aconteceu em todas as dioceses do Brasil”, afirmou o bispo. Ainda de acordo com D. Sérgio, estão sendo realizados encontros, por regiões, com várias paróquias, para celebrar os 300 anos do encontro da imagem. “Fizemos em Atibaia e Piracaia. O próximo acontece no domingo na região de Francisco Morato”, completou.

Nesta semana, o Dom Sérgio lançou uma carta pastoral por ocasião das comemorações. “É uma carta para toda Igreja diocesana e também do Brasil. Mandei para todos os bispos e inclusive para o papa Francisco.

É uma carta muito simples que fala da presença de Maria nas Sagradas Escrituras, na vida da Igreja, com foco para os dogmas, que são as verdades de fé, e Maria em nossa vida, como discípula, missionária e companheira, aquela que está presente e caminha conosco”, declarou.

Dom Sérgio ressaltou que várias paróquias, mesmo não tendo como padroeira Nossa Senhora Aparecida, realizaram a novena em sintonia com a novena do Santuário de Aparecida. “São muitas as iniciativas que fortalecem essa vivência, que eu chamo de mistério.

Olhando para a imagem de Aparecida, pequena, negra, simples, frágil, é tudo aquilo que Deus é. Foi assim que Ele se revelou aqui para nós, no Brasil. Quero que o povo, nas suas paróquias, participe dos momentos de celebração”, finalizou.