BJD
21 máx 11 min
BragançaPaulista22 Ago 2017


Cidade


Aumento nas vendas de veículos usados movimenta concessionárias e oficinas
Sábado,  12 AGO 2017
Versão para impressão
Tamanho dos carácteres
Frota de veículos ultrapassa 120 mil em Bragança Paulista

 Pesquisas nacionais têm demonstrado um avanço nas vendas de veículos usados na comparação com o ano passado. Os dados se refletem também em Bragança Paulista, de acordo com lojistas entrevistados pelo BJD.

A reportagem também conversou com proprietários de oficinas e o aumento na circulação de veículos usados, tanto recém-comprados, quanto mantidos por seus clientes, reflete numa maior procura por serviços de mecânica e funilaria e pintura.

Nesta semana, a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto) divulgou relatório mensal sobre o desempenho do mercado de veículos seminovos e usados.

O resultado das vendas em julho apresentou um crescimento de 3,3% comparativamente ao mês de junho. Foram comercializados 1.251.673 de veículos seminovos e usados no mês de julho, contra 1.211.564 em junho. Os seminovos com até 3 anos de uso também foram destaque no mês, com uma procura 3,8% superior à do mês de junho.

O valor acumulado na comercialização de veículos seminovos e usados, neste ano, também se mantém positivo. Com um resultado 8% acima do verificado no ano passado, o setor mantém uma evolução satisfatória em relação ao mesmo período de 2016.

Já a venda de veículos novos no Brasil caiu 5,2% em julho, ante junho, para 184,8 mil unidades, mas na comparação ano a ano subiu 1,9%. No ano, a venda acumulada chega a 1,204 milhão de unidades, alta de 3,4%.

Embora não existam levantamentos oficiais apenas em relação às vendas de carros por município, segundo comerciantes locais o cenário se reflete também em Bragança Paulista.

Érico Rodrigo Lima Antunes, proprietário da Portte Automóveis, confirma que sua loja também teve um aumento na procura e nas vendas. “Tivemos um aumento no fluxo de loja de 30%, mas as vendas aumentaram em 8%”, comenta.

Para Luiz Otávio Alfredo, gerente da Valle Multimarcas, o alto valor dos carros 0 Km tem feito a diferença a favor dos seminovos e usados. “Uma das grandes vantagens em relação ao 0 Km é a depreciação que ocorre a partir do momento em que o carro deixa de ser zero. Em segundo lugar, quando se compra um carro zero há um custo para lacrar.

O seminovo já têm o IPVA e a lacração pagas e é necessário gastar apenas uns R$ 400,00 de transferência. Um carro novo custa de R$ 2 a 3 mil só para lacrar. Hoje a pessoa pensa em economizar mais por causa da crise que ainda existe”, declara.

Além do receio em assumir parcelas que eventualmente não possam ser pagas, os clientes têm hoje em dia mais dificuldade para obter crédito, segundo Érico. “A taxa de aprovação de crédito está em cerca de 30% e já esteve 80% em 2012. Por mais que esteja um mercado mais aquecido ainda tem uns senões”, alerta.

“Neste momento a taxa Selic está menor [9,25%] e os bancos passam a não emprestar tanto e investem em outros produtos da carteira. Nesse caso o automóvel tem o crédito restrito e aí é a hora que a loja que não está estruturada sente, pois, com o cliente sem o crédito, o proprietário não consegue vender. Têm lojas que estão há muitos anos na cidade.

A minha e outras. É um mercado de muitos altos e baixos. Agora é fácil montar loja, mas o cenário muda muito rápido. Muitas lojas abrem, ficam três meses, dão golpe na praça, não deixam documentos com os clientes.

Então percebemos que alguns clientes olham várias lojas, mas como é uma compra cara, eles voltam e acabam comprando comigo ou outras concessionárias maiores. Sem contar que hoje em dia com a internet a exigência é muito maior, pois o interessado chega nas lojas com todas as informações em relação aos modelos que lhe interessam”, completa Érico.

Luiz Otávio chama atenção para outro detalhe. “Percebemos que a liberação do FGTS ajudou também a impulsionar as vendas, pois muitos clientes usaram esse dinheiro para trocar de carro”, acrescenta.

OFICINAS

O reflexo da preferência pela compra ou manutenção de carros usados ou seminovos ocorre nas oficinas mecânicas e de funilaria e pintura.

Felipe Bueno da Silva, do Grillo´s Car Service, diz que aumentaram os serviços para clientes pessoa física. “Perdemos algumas concessionárias que nos mandavam veículos, mas por outro lado houve um aumento nos serviços de funilaria para os particulares através do reparo inteligente, em que entregamos o carro no mesmo dia”, afirmou.

O crescimento da frota de veículos no município, que foi de cerca de 95 mil em junho de 2010, para 120.259 em junho deste ano, conforme dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), também proporciona um aumento nos serviços de funilaria, uma vez que o tráfego aumenta e ocorrem mais colisões, conforme comenta Paulo Sérgio de Almeida, do Paulinho Auto-Socorro e Funilaria.

“Nossa maior parcela de clientes é de acidentes e isso tem aumentado cada vez mais. Chegamos a ter que pedir para as seguradoras interromperem a demanda para a nossa oficina devido ao acúmulo de serviços, ainda mais porque é muito difícil achar funcionário que trabalhe bem nesse ramo”, diz.

O NA Car Centro Automotivo, que oferece serviços de mecânica, alinhamento, balanceamento, pneus e funilaria e pintura entre outros, recentemente mudou suas instalações para um prédio maior, localizado na Rua Dr. Tosta, cruzamento com a Av. José Gomes da Rocha Leal, resultado do aumento da procura pelos serviços oferecidos.

O proprietário, Divanildo Martins Cecconello, conhecido como Nenê, entretanto, faz um alerta. “Nosso crescimento em manutenção corretiva em mecânica foi de 20%, mas de manutenção preventiva apenas 5%. Ou seja, as pessoas só trazem o carro realmente quando o problema é mais grave e acabam gastando mais.

Quando é feita a manutenção preventiva, diminui a dor de cabeça. Isso vale também para os serviços de funilaria e pintura. É importante as pessoas cuidarem dos veículos para não terem maiores problemas, até mesmo uma desvalorização numa negociação futura”, conclui.