Cidade


Motoristas dão um “jeitinho” para estacionar em área interditada
Sábado,  03 FEV 2018

 Quase que como uma marca, o “jeitinho” faz parte da identidade nacional. O senso comum diz que o brasileiro é acostumado a ter uma saída e um modo fácil de resolver qualquer coisa em benefício próprio, mesmo que, para isso, seja necessário quebrar regras.

O antropólogo Roberto DaMatta destaca que o “jeitinho” pode ser atribuído de forma positiva quando relacionada a relações interpessoais do brasileiro, mas como negativa no âmbito institucional e na maneira peculiar de lidar com as leis.

E é exatamente este lado negativo da expressão popular que pode ser observado na Avenida Dom Pedro, proximidades da Rua José Domingues, no Taboão, e Igreja Nossa Senhora do Bom Parto. Naquela avenida há estacionamento em 45º que faz divisa com o Clube de Campo.

Nesse local, segundo o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Manoel Marcos Botelho, há perigo de desabamento e queda de árvores. “Colocamos tubos e cavaletes para interditar a área para ninguém estacionar. Mas algumas pessoas tiraram os cavaletes e estacionam entre os ‘tubulões’. As pessoas precisam se conscientizar que se foi interditado é porque há riscos”, disse Botelho.

A reportagem esteve no local e verificou a situação, encontrando, inclusive, cavaletes quebrados. Segundo Botelho, a interdição foi solicitada pela Defesa Civil, Secretaria do Meio Ambiente, Ministério Público e pelo dono do terreno, devido o perigo de desabamento.