BJD
29 máx 17 min
BragançaPaulista18 Fev 2018


Colunistas


Raposão e o adeus a “Dona Clarisse”
Sexta-Feira,  22 DEZ 2017
Tamanho dos caracteres

 Esta é sem dúvida alguma a Coluna que eu jamais gostaria de escrever. Jamais! É a Coluna mais difícil da minha vida! Aliás, sinceramente, nem sei como encontrei forças para escrever esta, salvo alguma contagem errada, coluna de número 710 !? Creio que não só eu, mas qualquer pessoa que ame só um pouco sua mãe, jamais gostaria de escrever uma Coluna como esta; peço perdão e autorização a você, meu leitor amigo e minha leitora amiga, para fazer uma homenagem à minha querida mãe, que lutou, ou melhor, “lutamos” bravamente contra um câncer de mama desde janeiro passado. Ganhamos várias batalhas, mas infelizmente, quase um ano após o primeiro diagnóstico, perdemos a guerra no último domingo, quando a popular “Dona Clarisse Medeiros” (como era conhecida) veio a falecer.

Como “disse” antes, peço a autorização a você, que aqui está lendo esta singela Coluna, para fazer dela uma homenagem a ela, minha mãe, dona dos mais lindos olhos azuis que conheci, portadora de uma bondade quase infinita, mão aberta e braços estendidos a todos que a procuravam, um ser iluminado pela grandeza de Deus, que simplesmente quando ela veio à Terra, ele, o Criador, “resolveu” lhe dar o dom de ajudar o próximo.

AMO MAIS QUE VOCÊ ?

Creio que todos, com raríssimas exceções, amam suas mães (e mesmo essas exceções tenho certeza que se arrependem depois por não ter amado), porém, peço perdão e autorização da sua parte para eu poder amar um pouco mais a minha mãe, que domingo se foi, por vários motivos, principalmente pelo fato de eu ter crescido no órgão mais lindo do ser humano: Raposão cresceu “dentro do CORAÇÃO da Dona Clarisse”.

Não! Você não leu errado! É isso mesmo que você leu: Raposão não cresceu no ventre dela, mas sim no imenso coração da Dona Clarisse. Fui adotado e tive a honra de ter sido “escolhido literalmente” por ela, e isso sempre me honrou muito! Deus me mandou na vida dela, pois quis ele que eu entrasse no seu destino e tivesse a honra e a dádiva de conhecer este ser de generosidade quase infinita. Em 52 anos de minha existência, JAMAIS VI “uma sequer pessoa” que a procurou ou apertou a campainha da sua casa, sair sem algo ou com as mãos vazias.

Dona Clarisse sempre tinha algo a dar, um alimento a doar, uma ajuda, como um donativo, um dinheiro para o gás que acabou, para a conta de luz atrasada, para a água que estava para ser cortada, para um remédio necessitado urgente, uma palavra amiga, um prato de comida, uma ajuda a um problema, uma visita amiga, uma palavra de conforto ou de incentivo ou um simples copo d´agua. Repito: JAMAIS VI !!!

Como ela sempre dizia: PALAVRAS CALAM, MAS EXEMPLOS SE ARRASTAM! E como ela sempre dava exemplos!!! Muitos exemplos!!!

Quantas vezes “a vi”, sem ter um real na bolsa, atravessar a rua e pegar emprestado um dinheiro com um amigo em frente (e “esse amigo” sabe que estou falando dele, pois é outro ser de uma bondade enorme!), para simplesmente doar a uma pessoa que desesperada bateu à sua porta. Não foram uma, nem duas, nem três, foram centenas ou até milhares de vezes que vi isso! (perdi a conta!).

MAL x BEM

“Dona Clarisse” não cansava de espalhar, por onde quer que fosse uma frase que virou quase que seu lema de vida: O MAL SÓ VENCE O BEM QUANDO O BEM SE ACOVARDA! Dizia isso a todos e em todos os lugares. Uma simples ida ao Banco com Dona Clarisse era uma “tortura” para Raposão, pois eu sempre atrasado e correndo para os compromissos da vida, tinha que aguardar as dezenas de pessoas que ela ia interagindo pelo caminho, dando uma palavra amiga, um exemplo de vida, um “puxão de orelha”, enfim, eu era, e talvez ainda seja, muito “pequeno” para entender o significado e a grandeza daquele ser chamado Dona Clarisse.

Mas entendi perfeitamente que realmente o mal nunca vence o bem se este não se acovarda, e é por isso que todas as manhãs, quando Raposão acorda, tenta “se vestir de bem” e sair para a luta da vida, afinal se você estiver com o bem e com coragem, que mal irá vencer você? Acredite: do lado do “bem” e com coragem, nenhum mal irá lhe vencer!

FIRME IGUAL UMA ROCHA !

Outra frase que sempre ela dizia ou enaltecia era exatamente esta: FIRME IGUAL UMA ROCHA! Fosse qual fosse o problema, Dona Clarisse sempre orientava para seguirmos firmes como uma rocha! E é isso que tenho tentado fazer e, modéstia à parte, até que tenho me saído bem, muito embora, talvez, ainda esteja naquele momento de “não ter caído a ficha” da perda desse ser tão grandioso.

A verdade é que eu sempre disse uma frase durante toda a minha vida e que hoje entendo perfeitamente a verdade que ela retrata: MÃES DEVIAM SER ETERNAS!

Embora Dona Clarisse durante sua vida toda parecia ser imortal (vi ela “de cama” acho que só uma vez e mesmo assim por uma gripe que “duas horas” depois já tinha sarado – Obs: “eu de gripe” fico uma semana de cama e ainda gemendo!), mas infelizmente vejo hoje que era sim mortal, que não era um ser vivente eterno, mas seus ensinamentos são! E são eles que ficam e que já estão entre nós, entre todos que tiveram o prazer, a honra e a capacidade de entender e conhecer esse ser tão iluminado, que hoje ilumina todos nós lá de cima.

ASAS

Para finalizar, gostaria apenas de citar um fato que ocorreu comigo: a morte de uma mãe, no caso a morte da minha mãe Dona Clarisse, é como se tirassem o nosso “chão”, não é mesmo? No dia seguinte ao enterro, fui tomar um banho e me enxugando senti algo em minhas costas e ao olhar no espelho, acredite, achei “duas asinhas” em meus ombros! E logo entendi que eram “asas” que a Dona Clarisse mandou para mim, afinal se me tiraram o “chão”, agora eu vou ter de voar! E voar é muito melhor que andar!!!

Você aí, que por ventura possa também ter perdido sua mãe e também estar se achando “sem chão”, olhe no espelho! Tenho certeza que você também irá encontrar asas em suas costas! Sua mãe, com certeza, também mandou para você! Quem precisa de chão se tem asas para voar???
Siga em paz Dona Clarisse! JAMAIS TE ESQUECEREMOS!!!

Raposão aproveita para informar a todos que estará de férias nos próximos 30 dias e por isso esta Coluna só volta “ao ar” na primeira sexta-feira de fevereiro de 2018. Desejo do fundo do meu coração um Natal maravilhoso a todos e um ano de 2018 abençoado e repleto de realizações! E lembre-se: O MAL SÓ VENCE O BEM QUANDO O BEM SE ACOVARDA! CORAGEM SEMPRE!!! (Dona Clarisse Medeiros - 01.11.1928 / 17.12.2017 – desde o último domingo, uma estrela que brilha no céu!)

Um bom final de semana a todos, lembrando que esta Coluna, AO CONTRÁRIO DAS DEMAIS, NÃO é meramente fictícia, pois contém só verdades.


ADVOGADO João José Raposo de Medeiros Jr. é colaborador do BJD desde 1982. Contatos pelo e-mail joao_raposo@t erra.com.br (favor por “leitor Raposão” no campo “assunto” do e-mail) ou pelo tel. 9-8353-5626 (cel. TIM) (digite o número 9 mais a palavra “TELEJOAO” no teclado do tel que dá esse número, bem mais fácil de guardar, não?) ou pelo Whats App (ZapZap) 9-9903-4555 (cel. VIVO).