BJD
31 máx 19 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Nem todo chefe é...
Sábado,  02 DEZ 2017
Tamanho dos caracteres

 LÍDER e aí reside o perigo, afinal, perde o comando e desalinha sua conduta. Até pode ser experiente, dedicado e bem intencionado. No entanto, a liderança lhe falta por um ou vários motivos. O chefe pode até desejar intensamente algo, porém, acaba agindo de outra forma. Em decorrência, vai perdendo a credibilidade e com certeza terá sim dificuldade para exercer a tão necessária liderança.

O verdadeiro líder é aquele que os princípios adotados são para ele e todos seus comandados! Líder não é mais o que ocupa um cargo e sim aquele que produz confiança e não recua, não descarta suas metas e delega tarefas para que sejam cumpridas de maneira irreparável, e exerce o comando na sua plenitude.

Lembro aqui Sacha Arcanjo, que no primeiro canto de “Chão Americano”> Nem tudo que brilha é estrela/Nem tudo que é estrela constela/A vida é apenas uma parte/E a gente, parte dela.> Aqui ainda existe o líder e tem o comando. Que seus liderados se cuidem... Paciência tem limite, Nada mais verdadeiro!

LIDERAR É...

DIFÍCIL
e exige mais do que administrar e se fazer obedecido. Será que todo líder é gestor e todo gestor é líder? Sei não... Muitos líderes em todas as áreas de atuação e, principalmente na vida pública. E especificamente nesse setor existem gestores que jamais serão líderes. Já tivemos exemplos aqui em Bragança Paulista em passado recente.

O mais conhecido não soube se impor pelo poder e pela autoridade obtida em sufrágio que renovou seu cargo no comando político e administrativo do município e escancarou sua falta de habilidade na solução de conflitos. Delegou muito e não foi capaz de motivar sua equipe. Boa pinta, sem nenhuma dúvida! É complicado liderar: acredito não existir o padrão ideal. Ora, estou me referindo à Administração Pública e que é sim adaptável conforme o clima político que obriga o gestor a realizar severo e permanente planejamento em todas as áreas, setores e rigorosa gestão nos gastos públicos. Não pode hesitar.

Projetos bem elaborados têm as seguintes características: fluxos racionais, lógicos, calculáveis e previsíveis. Afinal, o líder, até mesmo por força de seu poder e de suas atribuições, deve controlar efetiva e de forma permanente o comportamento de seus liderados e inclui aí a base aliada no Legislativo.

LIDERAR NÃO...

COMPORTA HESITAÇÃO
, e tal postura é prioridade no controle administrativo e não é admissível, por exemplo, solicitar através da liderança, quando se aguarda a discussão e a votação do projeto, o adiamento, já que foi encaminhado ao Legislativo Municipal com pedido de urgência.

É grave, perigoso e revela fragilidade! Líder não pode ser indeciso. É exorcizar a capacidade administrativa! Outros eventos aqui mostram a insegurança em propostas que produziram insatisfação popular. Em arremate foram modificadas e um impasse nasceu: quem foi o responsável?

O líder ou liderados? Afinal, existe sim a hierarquia: o vínculo que coordena e subordina uns aos outros os órgãos do Poder Executivo, graduando a autoridade de cada um. Tudo está nebuloso. A base aliada na Câmara Municipal está insegura? Os projetos de leis são ou não harmônicos com princípios jurídicos?

Basta à incerteza. Queremos equilíbrio e PAZ. “Paz não é silêncio diante da iniquidade, a resignação diante do abuso, a impassibilidade diante do desgoverno, a humilhação diante da força. Paz não é a impunidade, a irresponsabilidade, a tolerância, a submissão” (Alberto Pasqualini). Sejamos sensatos!

“Para encontrar a paixão no trabalho é necessário líder capaz de criar um sonho” (Robert Roldan)

ATÉ A PRÓXIMA.