BJD
32 máx 18 min
BragançaPaulista16 Jan 2018


Colunistas


Vejam como o nosso dinheiro é usado
Sábado,  18 NOV 2017
Tamanho dos caracteres

 Temer esteve em Itu, cidade paulista, no dia 15/11, data em que se comemora o dia da Proclamação da “República”. Observem a declaração: “Temer afirma que o Brasil tem tendência para o autoritarismo”. Esse autoritarismo citado por Temer tem conotação política? Parece que sim. Podemos dizer que há um recado embutido ali? Com popularidade de 3%, Temer é a pessoa menos indicada para abordar esse assunto, pois pode produzir efeito contrário.

Pois é, a cobrança abusiva de impostos aos contribuintes não é um ato autoritário? Não somos consultados, nem sabemos ao certo quanto se arrecada e nem temos o devido retorno dessa contribuição em forma de bens e serviços sociais.

No entanto, temos cidadãos que ficaram e ficam ricos na política, a corrupção campeia às soltas, as obras públicas são superfaturadas, as empreiteiras viraram apêndices dos governos, e os cidadãos eleitores precisam trabalhar muito para pagar os impostos, eles não têm tempo para uma análise criteriosa dos candidatos, acabam sendo presas fáceis dos escolados enganadores. Somos esmagados, extorquidos, não somos ouvidos e não fazemos uso do preceito constitucional que diz: “O Poder emana do povo”. No Brasil do Poder, o autoritarismo existe.

A nossa Educação está sendo sucateada, recursos financeiros estão sendo retirados do campo científico, professores estão desvalorizados, as universidades públicas estão perdendo o “status”. Só os incautos não percebem. E não é só a Educação.

VEJAM COMO O NOSSO DINHEIRO É USADO. É UM ABUSO ESCANCARADO. VIROU REGRA

Não existe constrangimento nenhum em esbanjar o dinheiro público pela classe política e pelos ocupantes dos altos cargo do Judiciário. Agem como se donos fossem. No Rio, mais de 220 mil servidores públicos ainda não receberam o salário de setembro, mas o Tribunal de Justiça do Estado, que tem o seu salário em dia, já depositou o “auxílio-peru” de R$ 2.000,00 aos juízes e servidores ativos e inativos, a título de abono de Natal. Com seus mais de 15.000 funcionários, não é difícil fazer o cálculo. E a crise financeira está feia. Os “roubos” foram estratosféricos.

Aqui em São Paulo, o governador Alckmin propõe aumento para os “Procuradores do Estado”. Irritou até a Assembleia (F.S.Paulo de 16/nov/17). Alguns parlamentares traduziram o projeto do Alckmin assim: “Eles são os defensores do governo em ações judiciais”. Está aí o necessário agrado. E nós pagamos. E o Alckmin quer ser Presidente.

Enquanto isso, outras categorias estão relegadas ao desprezo. A Educação capenga, o professor, agente responsável pelo avanço cultural do país, está jogado às traças assim como os demais servidores da área. Todas as áreas estão deficitárias. O governo propor aumento salarial é muito estranho!

DIA NACIONAL DE AÇÃO DE GRAÇAS COMEMORADO NA QUARTA 5ª FEIRA DO MÊS DE NOVEMBRO

Essa data nos remete aos tempos de exercício no cargo de delegada de ensino e nos traz a lembrança de que num mês de outubro a prof. Mércia Magrini Baratella propôs realizar a comemoração do Dia Nacional de Ação de Graças na Praça Raul Leme, envolvendo as escolas e a comunidade.

E assim foi por alguns anos. Teve uma parada. Foi retomada e hoje completa o 10º ano sob a organização de Maria Bueno da Silva, a quem parabenizamos. Nesta 5ª feira, dia 23, mais uma comemoração inter-religiosa se realiza das 19h às 21h na Praça central. Façamos os nossos agradecimentos a Deus e prestigiemos com a nossa presença.

Aproveitamos o espaço para agradecimentos e também para nosso “mea culpa”:

- Agradeçamos a Deus por morarmos num município emoldurado pelas ramificações da Mantiqueira, com planícies recortadas em meandros pelos rios Jaguari e Jacareí, com potencial turístico muito grande, entretanto, peçamos perdão pelas mãos devastadoras do homem, que destroem nosso solo, matam nossas árvores, secam nossas nascentes, poluem ar e água e assoreiam os lagos até o nosso velho Tanque do Moinho.

- Agradeçamos a Deus pela casa onde moramos, centro de convívio de nossos familiares, entretanto peçamos perdão pelos nossos irmãos que lutam por um teto que lhes é de direito e até isso lhes é negado.

- Agradeçamos a Deus pela inteligência, potencialidade e capacidade de nossos jovens, entretanto peçamos perdão por oferecermos a eles tão pouco, uma escola única, elitista, que impede o desabrochar dos seus sonhos e que por condições financeiras interrompem a sua formação, impedindo de chegar a ser um profissional altamente qualificado.

- Agradeçamos a Deus pelas pessoas da nossa comunidade que, dotadas de espírito altruístico, apoiam e dão vida às instituições destinadas aos cidadãos menos favorecidos; peçamos perdão pela nossa omissão no amparo mais efetivo, em especial aos idosos, negando a eles o que nos é gratuito: carinho, amor, compreensão.

- Agradeçamos a Deus pelas crianças que nascem em lares repletos de carinho e aconchego, entretanto, peçamos perdão pela falta de amparo ao menor carente que perambula nas ruas, traçando a rota da sua marginalidade.

- Agradeçamos a Deus pelas autoridades constituídas que colocam seus cargos a serviço do bem comum, entretanto, peçamos perdão por aqueles que fazem de seus cargos instrumentos de manipulação e projeção pessoal.

- Agradeçamos a Deus pela nossa gente boa, de alma pura e índole pacífica, entretanto peçamos perdão por deixarmos que pessoas de má fé busquem ludibriá-la.

- Agradeçamos a Deus pela voz que se faz livre, altaneira, veículo de amor, de paz, de denúncia, de questionamentos, entretanto, peçamos perdão por aqueles que têm sua voz silenciada em momentos de manifestação.

- Agradeçamos a Deus por todos aqueles que conseguem enxergar o certo e o errado e que não se deixam induzir pelo erro, entretanto, peçamos perdão pelos menos esclarecidos, que chegam a cair em ciladas e dificilmente se recuperam.

- Finalmente agradeçamos a Deus por morarmos em Bragança Paulista, que de longa data tem uma Santa Casa de Misericórdia deixada por cidadãos do bem, muito bem administrada para nós e para a região; que tem a Universidade São Francisco, que oferece um leque de formação acadêmica e o Hospital Universitário São Francisco, que tem um atendimento modelar; que tem a FESB com alta projeção; que tem um parque industrial de fazer inveja; que tem uma localização privilegiada, tem até a Fernão Dias ligando o Rio, São Paulo e Belo Horizonte; tem um potencial turístico inexplorado; é rota para o circuito das águas; entretanto, peçamos perdão por elegermos prefeitos que não sabem aproveitar todas essas potencialidades, que pensam pequeno, que nem sequer conseguem enxergar que a fluidez do trânsito via elevados, passagem de nível, passarelas, trevos inteligentes são suportes para o desenvolvimento.

Estamos em estágio tão atrasado que os vereadores, com o salário de R$ 12 mil mensais, têm semanalmente na pauta a cobrança de “tapa buracos”. Que tristeza! Pobre Bragança Pobre!

A C O R D A B R A G A N Ç A ! ! !