BJD
31 máx 19 min
BragançaPaulista17 Jan 2018


Colunistas


Uma ave símbolo para Bragança Paulista
Terça-Feira,  07 NOV 2017
Tamanho dos caracteres

 Quem conhece a coruja-buraqueira?

Pelo visto é uma ave muito popular em Bragança Paulista. Ela é uma das aves mais fotografadas do Brasil e, entre as corujas que podem ser avistadas aqui, é a mais conhecida, diz o observador André Mendes.

Para saber qual a ave preferida dos moradores de Bragança Paulista, o Movimento de Observação de Aves Urbanas, criado no dia 13 de dezembro de 2015, lançou a “Campanha Ave Símbolo”.

Numa primeira etapa da campanha, em 2016, as consultas foram presenciais e cada pessoa podia votar na ave que quisesse. Ao todo trinta e sete espécies receberam votos. As três mais votadas foram o beija-flor-tesoura, a coruja-buraqueira e o joão-de-barro.

Em um segundo turno de votações, realizado este ano, as 3 espécies disputaram a preferência dos bragantinos. Foi possível votar de forma virtual através da página www.facebook.com/observacaodeaves, ou de forma presencial em escolas públicas urbanas e rurais, onde os alunos votaram com entusiasmo.

Desta 2ª etapa participaram 1.028 bragantinos, cada qual votando em uma das 3 espécies concorrentes. A vencedora, escolhida como “Ave Símbolo de Bragança Paulista”, foi a coruja-buraqueira, a qual foi apresentada à população durante as comemorações do 10º aniversário do Coletivo Socioambiental e 20º aniversário da Associação Bragança Mais, na celebração realizada no Lago do Taboão em 22 de outubro passado.

Quem é a coruja-buraqueira (Athene cunicularia) que agora nos representa? Ela tem hábitos noturnos como todas as corujas. Mas, ao contrário delas, se mantém ativa de dia também, o que facilita sua observação.

Tem uma visão bastante boa, graças a uma série de adaptações que a tornam capaz de enxergar muito bem em condições de baixa luminosidade. Além disso, apresenta uma audição excelente e é capaz de localizar uma presa exclusivamente pelo som. Também é capaz de piscar um olho e virar a cabeça para trás sem se mexer.

Para os gregos era um símbolo de sabedoria. Defende valentemente seu território onde cria seus filhotes em buracos que cava na terra. Alimenta os filhos durante dois anos e é fiel a vida inteira. Daí a expressão “mãe coruja” e o afeto das crianças pequenas com a personagem da coruja. Monteiro Lobato explica melhor ao transcrever a fábula “ A águia e a coruja”, do francês La Fontaine.

A coruja é surpreendente e misteriosa. Um belo símbolo.