BJD
32 máx 18 min
BragançaPaulista16 Jan 2018


Colunistas


E por falar em Conselho de Saúde, em controle social, vale a leitura abaixo
Sábado,  04 NOV 2017
Tamanho dos caracteres

 A nossa pasta de arquivo é assim identificada, a de hoje: CONVERSA NECESSÁRIA 11_1_17. São variáveis: a ordem dos meses e dos sábados. Fixo: o ano. É assim que rodamos o ano nos seus meses e nos seus sábados.

Para o término de 2017 falta apenas parte do mês 11 e por inteiro o mês 12. Sábados: ainda temos 8 para conversarmos. Já está na hora dos balanços de final de ano e início de planejamentos para 2018.

Não importa o campo de atuação. Planejamos até a compra de um móvel. Planejamento é um instrumento altamente necessário; é o determinante do caminho para se chegar ao objetivo final. Há que ser bem elaborado. Em se tratando de Planejamento Público e em nome da transparência, os mesmos deveriam ser publicados para as devidas observações dos cidadãos.

E POR FALAR EM CONSELHO DE SAÚDE, EM CONTROLE SOCIAL, VALE A LEITURA ABAIXO:

Partindo-se da máxima de que “quanto mais perto do fato for tomada a decisão, mais chance ela terá de sucesso”. O princípio do Controle Social baseia-se na premissa de que quanto mais a sociedade estiver envolvida na construção e fiscalização do SUS, maior será a probabilidade de que a implementação das respectivas políticas públicas obtenha êxito e traga resultados profícuos para a população brasileira. São Orientações para Conselheiros de Saúde.

Brasília, 2010". Estão dentro do prazo de validade. Pois é, a transferência destas orientações cabe perfeitamente aos demais Conselhos Municipais cujos conselheiros devem incentivar a participação da sociedade nas suas ações, chegando ao tão necessário Controle Social.

Nossa Bragança conta com os Conselhos Municipais criados e instalados? Suas reuniões e ações são amplamente divulgadas junto às comunidades? Há que se tocar “o sino”! Há que se engajar a comunidade. O interesse precisa ser mútuo, motivador.

QUE FALTA DE SERIEDADE, DE COMPROMISSO, DE RESPONSABILIDADE. QUE PÉSSIMO EXEMPLO QUE NOS DÁ A CORTE MAIOR!

Notícia estarrecedora da Folha de S. Paulo de 27/10: “SUPREMO MUDA PONTO FACULTATIVO DE SÁBADO PARA SEXTA E AMPLIA FERIADÃO”. Cabe a palavra do momento: “VERGONHA”.

A proposta da presidente do STF: transferir o feriado do dia 28/10, Dia do Servidor Público, que caiu no sábado, para o dia 3/11, que cai na sexta feira, instituindo um feriadão para os servidores da Corte, com início na quarta, dia 1º de novembro (que é feriado no Judiciário!), dia 2, dia de Finados, dia 3 o feriado criado, dias 4 e 5 sábado e domingo,dando como resultado cinco dias de folga, realmente uma “Emendada Federal”.

O que que é isso? Se a moda pegar, toda vez que um feriado cair num sábado ou num domingo, aguarda-se uma data que proporcione uma “emendada” para a sua transferência E os juízes reclamam do acúmulo de serviços! Vale dizer que a injustiça social tem abrigo na própria “JUSTIÇA”?

VAMOS NOS CIRCUNSCREVER AO NOSSO TERRITÓRIO MUNICIPAL: BRAGANÇA PAULISTA


Tomara que as boas notícias veiculadas se concretizem, se realizem, que tenham começo, meio e fim, que não parem no caminho, que não nos desapontem. Há tempos que esperamos pela reforma das praças centrais: José Bonifácio e Raul Leme. Ambas estão numa situação constrangedora, seus bancos estão “insentáveis”, seus pisos desgastados, canteiros e árvores pedindo trato.

Na mesma situação encontra-se a Praça do Lavapés, com suas rotatórias sem calçadas para os pedestres e com a presença constante de moradores de rua. As três praças tiveram o anúncio de suas reformas no dia 25/10. Vamos passar o final do ano do mesmo jeitinho.

Enquanto isso o recapeamento asfáltico nas ruas da cidade parece que está parado. Ruas e avenidas, de grande movimento, estão sem pintura nas lombadas e nas faixas de pedestres, pondo em risco constante a vida de motoristas e pedestres. Não dá para esperar pelo recapeamento.

Cabe ressaltar que muitas rotatórias não mais respondem pela fluidez do trânsito. Quando entraremos um pouco na “modernidade”? Quando teremos passarelas, passagem de nível, elevados, semáforos inteligentes? O que nos responde o secretário municipal de Mobilidade Urbana? Que o Plano de Mobilidade Urbana está “embargado”? Isso nem o prefeito quer saber.

A reforma da Casinha do Lago teve marcada a data de 11 de agosto/17 para a abertura dos envelopes às 13h30 (BJD de 27/7/17). O orçamento que constava no edital era de R$ 146. 558, 34, e deveria ser liberado pelo Governo do Estado via DADE. Será que nada aconteceu? Coisas que não são do feitio do prefeito Jesus, têm acontecido: muitas licitações têm sido suspensas pelo Tribunal de Contas do Estado. Isso é ruim, gera atrasos.

Nós pensávamos que a recuperação do Lago do Taboão incluísse todo o seu entorno: Casa do Mel e anexo (um lixo da administração passada). Sanitários (pobreza de construção da administração José de Lima). Casinha do Lago (“estilosa”valoriza o local.

É do José de Lima?).Pista de Cooper (traçado, pavimentação, uso; tudo a desejar, obra da administração Jango). Iluminação (uma salada, a única que merece ser mantida é aquela alta, com 8 refletores, da administração Jesus). Bancos (muito bons, a falta de manutenção e o vandalismo decretaram o fim, colocados na administração Jesus). Hoje, a preocupação de muitos cidadãos reside na construção do posto de gasolina nas proximidades da cabeceira do Lago. Foge da proposta de uma área lazer.

Pois é, está quase pronto. Qual a manifestação do secretário municipal do Meio Ambiente? E dos Conselheiros Municipais? Só falta ser o Presidente do Conselho do Meio Ambiente o próprio Secretário Municipal do Meio Ambiente. Se for, é uma incoerência maiúscula.

A quem compete a fiscalização dos estacionamentos ou “amontoamentos” de carros? É bom lembrar que estão se multiplicando na nossa Bragança? Todos têm Laudo do Corpo de Bombeiros? Todos têm Alvará de Funcionamento expedido pela prefeitura? Ou se espera que aconteça alguma tragédia para tomar providências? Será que os nobres vereadores, com o régio salário de R$12 mil mensais, não podem fiscalizar os órgãos municipais competentes? É preciso mostrar produção efetiva.

Ficamos por aqui.
A C O R D A B R A G A N Ç A ! ! !