BJD
31 máx 19 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Não surpreso... (I)
Sábado,  30 SET 2017
Tamanho dos caracteres

 APENAS INDIGNADO> na manhã da terça-feira, 26, ao estacionar meu carro na Praça Princesa Isabel, próximo à Santa Casa, local em que realizo alguns exames rotineiros, me deparei com um cruel cenário que provocou intensa indignação: mulher e criança (provavelmente sua filha) dormiam agarradas em parte do canteiro, com um pedaço de cobertor> frontalmente ao Palácio Episcopal.

Posso estar enganado, entretanto, o majestoso e enorme prédio é fruto de doação do povo, inclusive os pobres, à Igreja. Não seria razoável que lá existisse espaço para abrigar tais pessoas? Afinal, o Papa João XXIII antecipando o Concílio Vaticano II proclamou pela primeira vez a bela expressão “Igreja dos pobres”. Isso ocorreu em 11/Setembro/1962 e agora explicitada de forma irrefutável pelo Papa Francisco, aliás, optou por morar na Casa Santa Marta que possui instalações simples.

Lembro ainda que Dom José Maria Pinheiro, atual Bispo Emérito de Bragança Paulista, também preferiu um apartamento em bairro popular de nossa cidade. Não cuido aqui de qualquer crítica ao atual Bispo e não ignoro que todos os Bispos são considerados legítimos sucessores dos Apóstolos. Minha observação visa uma sugestão que certamente daria ao Palácio um sentido mais humano e mais nobre!

NÃO SURPRESO... (II)

APENAS DESCONFIADO>
Câmara Municipal preocupada em debater atribuições com o propósito de aproximá-la da população, já que o vereador é apenas um representante político dela. Ora, já comentei aqui que vereador deriva de verea, ou seja, maneira arcaica de vereda ou caminho e de onde brotou o verbo verear> com o significado primitivo de caminhar estradas. Há muito tempo que expressiva parte de nosso Poder Legislativo Municipal conjuga o verbo apenas no pretérito imperfeito do indicativo: eu vereava/tu vereavas/ele vereava/ nós vereávamos/vós vereáveis/eles vereavam.

O caminhar aqui é a identificação com os anseios da população e contribuir no exercício de sua cidadania. Caso vereassem, não sepultariam com pá de cal o projeto de Claudio Moreno, afinal, 18 e reescrevo> dezoito vereadores defenderam o direito de receber a parte do salário até nos dias que faltarem às Sessões e Reuniões de Comissões. Basta!

NÃO SURPRESO... (III)

APENAS CANSADO>
de brigar, enquanto os políticos se divertem, independentemente da crise política e da corrupção que explode como tosse sem cura. Por certo, sinto o gosto ruim na boca> decepção, impotência, raiva, tristeza com os acontecimentos, suspeitas e com o acanalhar da POLÍTICA. Até quando? Em 2018 teremos eleições para Presidente, Governador, Senador, Deputado Federal e Estadual.

Aí está um alento> a indignação com todo esse monstro que nasceu da má política é também culpa nossa! Ora, atuamos como hipócritas! Votar exige acima de tudo a inquestionável vontade de mudar! Assim, onde quer que você esteja, ou aonde quer que você vá, não abandone, não enterre os padrões para conquistar seus objetivos e sonhos como eleitor/eleitora! Invoco Platão: “O preço a pagar pela tua não participação na política: ser governado por quem é inferior”.

POR ÚLTIMO

“UM POLÍTICO DIVIDE OS SERES HUMANOS EM DUAS CLASSES: INSTRUMENTOS E INIMIGOS” (FRIEDRICH NIETZSCHE)

ATÉ A PRÓXIMA.