BJD
31 máx 17 min
BragançaPaulista21 Jan 2018


Colunistas


Dei Verbum
Sábado,  30 SET 2017
Tamanho dos caracteres

 Numa noite destas, numa rodovia, ultrapassei uma carreta. Na traseira do enorme baú, bem no alto, estava escrito apenas “Salmo 127”. Simples assim. De imediato, imaginei que esse hino bíblico servia de inspiração para aquele motorista ou que se tratava de uma mensagem que ele queria passar para outros viajantes que partilham com ele os mesmos caminhos.

Chegando em casa, procurei o Salmo 127 na Bíblia: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela”. Acertei. Naquela noite, naquela rodovia, seguia um motorista de fé, que iluminava o trecho a ser percorrido com mais potência do que a luminosidade dos grandes faróis daquela carreta. Ele ia na certeza de que é o Senhor quem edifica a sua casa muito bem vigiada.

Assim é a Palavra de Deus. Algumas poucas letras são suficientes para dar sentido a toda uma jornada. As parábolas de Jesus eram curtas, mas iam diretamente a algum aspecto da vida. Também os seus discursos não eram longos, mas sempre causavam grande repercussão dentre os ouvintes.

Tenho sempre alguma pena de pregadores, de variadas religiões, que estendem durante muito tempo suas pregações. Dão a impressão de que colocam mais fé nas próprias e alongadas palavras do que na Revelação Divina.

Pior é aquele pregador que, desejando transmitir uma ideia particular, procura trechos ou versículos bíblicos que possam dar sustentação à mesma. Instrumentaliza a Palavra Divina a favor de seu próprio pensamento ou a favor da congregação que representa.

Enquanto foi escrita por homens sob a inspiração divina, até o final do primeiro século do Cristianismo, os livros sagrados foram baseados na Revelação Divina em diálogo com homens e mulheres daquele tempo.

De lá para cá, a mesma Revelação continua agindo sobre as pessoas de boa vontade, para que estas cheguem à adequada interpretação e à plena compreensão daquilo que Deus deseja comunicar à humanidade, em sua caminhada histórica sobre a terra em direção à eternidade. Bons pregadores, iluminados pelo Espírito Santo de Deus, ajudam nesse longo e, às vezes, difícil percurso.

Setembro, em muitas igrejas, é dedicado à Bíblia. Muitos estudos bíblicos são realizados nesse período. A escolha do mês está relacionada a São Jerônimo, que viveu nos distantes séculos IV e V dC. Foi um exegeta dedicado e muito trabalhador, que se dedicou à tradução da Bíblia do Grego e do Hebraico para o Latim.

Esta era uma língua falada em grande parte do mundo conhecido daquela época. Só muito mais tarde, a partir do século XVI, tem-se o início da tradução da Bíblia para as línguas modernas. Foi, portanto, um trabalho pioneiro e de grande valia para os cristãos da época e para nós, na medida em que seu extenso trabalho possibilitou a chegada dos textos sagrados até nós.

Esse esforço de Jerônimo no sentido de ser fiel ao texto original é uma lição importante para todos nós que desejamos colocar a Palavra de Deus (Dei Verbum) no centro de nossas vidas. É importante dizer a Deus o que esperamos ou necessitamos Dele. Mais importante é buscar o que Deus espera de nós.

Sempre com a fé do motorista da carreta: “Se não for o Senhor o construtor da casa, será inútil trabalhar na construção. Se não é o Senhor que vigia a cidade, será inútil a sentinela montar guarda”.