BJD
31 máx 19 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Empreendedor ou empresário
Sábado,  23 SET 2017
Tamanho dos caracteres

 Toda empresa, grande ou pequena, nasce em algum lugar. Este contribui, mas pode não ser tão decisivo como é a visão do empreendedor e a determinação do empresário. A atual Três Corações, líder brasileira na produção de café, hoje com mais de 5 mil funcionários, nasceu a mais de 2 mil km de São Paulo, na pequenina São Miguel, no Rio Grande do Norte.

Essa é a história desta semana do Sonho Grande, da TV Veja, que pode ser acessada pela internet. A entrevista com Pedro Lima é bonita e edificante sob vários aspectos.

Pedro realça o papel de seus pais na formação da sua identidade, de seus irmãos e da própria empresa. Seu pai era muito diferente de sua mãe, mas viviam uma complementaridade decisiva na formação dos filhos. Ele era um empreendedor inventivo, mantendo uma padaria, um negócio de café e outro de sabão. Tudo muito pequeno.

Era um homem muito solidário, de mão aberta. A mãe, por sua vez, totalmente racional. Insistia com os filhos para que estudassem, visto que isso era a única coisa que os pais conseguiriam lhes oferecer com o seu trabalho. Nessa linha, quando chegava a idade de 14 anos, todas as crianças eram encaminhadas para Natal, a capital do Estado, onde estudariam.

Para grande apreensão da mãe, Pedro, depois de alguns poucos anos de estudos, voltou para o interior, trazendo outros dois irmãos, com a ideia de tocar os pequenos negócios do pai. Bonito é ver empresário destacar hoje a imagem dos valores incutidos pelo pai e pela mãe. Diz que foi decisiva a maneira do pai educar.

Aonde ia, levava as crianças, inclusive em viagens de negócios. Elas viam então a maneira intensa com que seu pai se relacionava com clientes e fornecedores. Também decisiva a racionalidade da mãe, sempre fazendo as contas necessárias, sempre trabalhando muito como costureira, nunca dando passos maiores dos que as próprias pernas.

Há 40 anos a pequena empresa processava cerca de 100 sacas de café por mês, hoje, 300 mil sacas mensais. Partindo dos valores familiares acima, Pedro Lima destaca que o importante foi a constante preocupação em observar atentamente a necessidade e a preferência do consumidor. E, com o passar do tempo, aproveitar-se sempre de boas oportunidades. Depois de duas décadas passaram a líderes no mercado nordestino, com a marca de café Santa Clara.

Além do crescimento orgânico, avanços importantes se deram com a aquisição de outras marcas e com a fusão com um grupo israelense que atua também no setor do café. Relata longas e intensas negociações com outros grupos, que não resultaram em acordo. Não considera perda de tempo, pois surgiram desse processo grandes amizades e, em alguns casos, bons negócios vieram depois.

Uma página interessante é a entrada dos filhos de Pedro Lima e seus dois irmãos na empresa. Apesar de muito desejada, até o momento, não aconteceu. Os filhos seguem caminhos próprios, em outros países, não obstante profundos e carinhosos laços familiares, o que confirma o pensamento do empresário no sentido de que empreendedores nascem em qualquer lugar, não há como determinar a priori.

Interessante perceber como os valores familiares definem os valores de uma empresa, emprestam-lhe alma, sentido e significado. Outra mensagem, importante para negócios de todo e qualquer tamanho, é a relação que existe entre empreender e empresariar.

O primeiro pode ser um processo mais intuitivo, criativo. O segundo é mais estruturado. Em termos gerais, o empresário é aquele que possui um ótimo conhecimento em técnicas de administração como planejamento e controle financeiro, marketing, vendas e gestão de pessoas. Empresas que desejam crescer dependem de empreendedores e de empresários.