BJD
32 máx 18 min
BragançaPaulista16 Jan 2018


Colunistas


Raposão e o celular nos bancos
Sexta-Feira,  22 SET 2017
Tamanho dos caracteres

 Raposão pergunta: Quem nunca ouviu falar no crime chamado de “Saidinha de Bancos”? Aquele crime que o cidadão fica no Banco, com um celular, indicando para um comparsa quem é que vai sair com dinheiro da agência, para assaltar ele lá fora.

Pois bem, devido esse crime ter aumentado muito, criaram-se leis municipais pelo Brasil afora, proibindo de “falar” ao celular dentro das agências bancárias.

Isso mesmo, aqui no Brasil é mais ou menos assim: se não pode combater o mosquito e nem matá-lo, então o jeito é “proibir o mosquito de voar” para resolver o problema (o problema é como fazer a asa do mosquito não se movimentar?).

EVOLUÇÃO

Ocorre que, desde a criação dessas leis, e isso inclui a lei que hoje está em vigor em Bragança Paulista, muita coisa mudou nos celulares. Hoje, ao invés de se comunicar “falando”, as pessoas optam por se comunicar “digitando” (através dos “WhatsApp” da vida) e isso faz com que a lei de proibir “falar” nos celulares dentro dos Bancos esteja obsoleta, sem sentido.

HÁ UM “PORÉM” NISSO TUDO

“Falando” assim, ou seja, dizendo que tal lei é obsoleta, você pode pensar que Raposão é a favor que se restrinja ainda mais o uso de celulares nas agências bancárias, proibindo até de manuseá-lo!? A resposta é exatamente o contrário do que você possa pensar, pois a resposta é “NÃO”!!! Raposão é a favor que se libere o uso total de celulares dentro dos Bancos!

Raposão explica: quando se fez essa lei, que atrapalha, e muito, a vida do cidadão (afinal, quem nunca precisou usar o celular dentro de uma agência bancária para consultar algo ou falar com alguém de “modo honesto”), a realidade dos Bancos era outra, pois muitos Bancos passaram a adotar “biombos” entre a “sala de espera” e os caixas, fazendo que o contato visual entre a pessoa que está sendo atendida pelo caixa e as pessoas que estão na espera ficasse muito diminuído ou nem exista mais, assim, possíveis bandidos que estejam ali na fila, apenas para avisar alguém que uma pessoa tenha sacado grande volume de dinheiro, não tem mais como saber quem irá sair com dinheiro ou não, salvo raras exceções, ou seja, essas divisórias resolveram grande parte do problema.

LIBERAR O USO DO CELULAR

Assim, fica fácil mudar ou atualizar tal lei, de forma que se facilite a vida do cidadão honesto que vai para o Banco fazer seus pagamentos ou atrás de dinheiro para pagar seus funcionários, sem que isso vá pô-lo em risco.

Basta alterar essa lei de forma a autorizar que nos Bancos que tiverem biombos ou quaisquer outros dispositivos que possibilitem a privacidade de quem esteja sendo atendido pelo caixa do Banco ou fazendo uso do caixa eletrônico (mais conhecido como “autoatendimento”), neles o uso do celular é liberado.

Assim, Banco que tiver essa separação (quer seja biombo, vidro, parede, divisória, etc, etc), de modo a impedir que quem esteja na espera não veja o que a pessoa está fazendo no caixa físico ou eletrônico, o uso de celulares estará liberado.

Como muitos Bancos já adotaram essa divisória, o ideal mesmo seria que essa lei seja mudada para “obrigar que todos os Bancos de Bragança tenham essa divisória”, assim todas as agências seriam liberadas para o uso de celulares dentro delas e não evitaria essa “bagunça” de não saber em qual poderia usar ou em qual não, porém Raposão tem dúvidas se o Munícipio possa legislar sobre essa obrigatoriedade, visto que legislar sobre Bancos é uma questão federal e não municipal (nada que o jurídico da Câmara, com mais tempo que o tempo que levei para fazer esta Coluna, não resolva essa questão. Digo isso porque espero que algum vereador leia isso e implante tal alteração nessa lei aqui em Bragança).

Uma divisorinha de algumas centenas de reais (verdadeiro “troquinho” para os Bancos) resolveria o problema de todos os cidadãos que usam e precisam usar celulares dentro dos Bancos e nem por isso se sentiriam inseguros.

Aliás, a adoção dessa divisória entre a espera e os caixas, sempre foi a opinião e a sugestão de Raposão desde quando queriam implantar essa lei de proibir uso de celular dentro dos Bancos, mas ninguém ouviu Raposão. Mas eu continuo gritando por aqui!

E aí? Será que algum vereador vai acatar essa sugestão de Raposão e alterar essa lei que está aí?

Vamos aguardar...

FURACÃO ?

Alguém sabe dizer para Raposão se o furacão lá de Miami ou do Caribe passou por Bragança? O que tenho visto de semáforos “tortos” pela ação do vento é brincadeira!

Vou citar uns dois (de “preguiça” de citar mais): o semáforo da Rua José Domingues com a Rua Felipe Siqueira e o semáforo da Avenida dos Imigrantes com a mesma Rua Felipe Siqueira são apenas dois dos que encontram-se tortos.

De duas, uma: ou um furacão passou pelo Bairro do Taboão ou um caminhão transportando “girafas” andou por ali.

Alô “Departamento Que Arruma Semáforos”: tá dada a dica!

RAPOSÃO QUER ANDAR ARMADO

Já faz tempo que sinto essa necessidade, ainda mais por andar tarde da noite em estradas e locais perigosos, se bem que no Brasil não tem dia, não tem hora e nem local, pois o perigo mora bem próximo de nós!

Vejo tanta gente continuar defendendo essa lei de desarmamento, que obviamente a grande maioria já percebeu que os únicos que foram mesmo desarmados foram os cidadãos de bem, pois os bandidos estão cada vez mais armados até a cabeça, inclusive com fuzis e AR-15, que chego a pensar o seguinte: “Qualquer pessoa que pregue ou defenda o desarmamento baseado no argumento que o cidadão deve cobrar segurança pública do Estado ao invés de querer ter uma arma para se defender, deve, no mínimo, cancelar seu Plano de Saúde e tirar seus filhos da escola particular e passar a cobrar do governo uma qualidade melhor desses serviços públicos”. Tô errado?

Raposão quer ter o direito de andar armado e poder se defender.

Alguém mais pensa como eu?

NÃO TEM TINTA ?

Espalhadas pela cidade estão inúmeras lombadas sem qualquer pintura de solo e quase todas sem a sinalização vertical, ou seja, para você chegar e “atropelar” uma lombada com seu veículo é “dois palitos” (expressão muito usada no sul de Minas).

Elas estão desse jeito (sem pintura e apagadas) há muito tempo, não é de agora, e espero que essa administração faça urgente pintura e sinalização nelas.

Quer atropelar algumas lombadas e passar por elas sem brecar, acabando com a suspensão do seu veículo? Então pegue, por exemplo, a Avenida Europa, especialmente à noite, ali na proximidade do Posto Europa, e vá até o lago do Orfeu. Ali se você não “atropelar” uma três lombadas é porque você tem visão do Super-Homem!

Alô “Departamento Que pinta Lombadas”: que tal sinalizá-las melhor??!!

FATO CURIOSO

Coisas da “modernidade atual”, pois essa aconteceu com um casal formado por “uma mulher que virou homem e por um homem que virou mulher”: numa briga de família, “a mulher que virou homem foi agredida pelo homem que virou mulher”. Pergunta: E agora? Aplica-se a Lei Maria da Penha?

Um bom final de semana a todos, lembrando que esta Coluna é meramente fictícia, com verdades e inverdades (cabendo a você, leitor, descobrir qual é qual?), e na sexta-feira que vem tem mais (se Deus assim consentir), lembrando que Raposão aceita dicas, opiniões, críticas e, é lógico, elogios (desde já, os agradeço), que podem ser feitos via e-mail, telefone (ver ambos abaixo), “sinais de fumaça” ou cartas para redação do BJD, situada à Av. Antônio Pires Pimentel nº 957, Centro, Bragança Paulista, CEP 12914-000.

Acompanhem também Raposão na Internet, pelos sites www.bjd.com.br e no Facebook (Raposão João Raposo Advogados Associados) ou no Instagram (joao_raposo João Raposo Advocacia – Raposão).


João José Raposo de Medeiros Jr. é colaborador do BJD desde 1982. Contatos pelo e-mail joao_raposo@terra.com.br ou pelo telefone 9-8353-5626 (cel. TIM) (digite o número 9 mais a palavra “TELEJOAO” no teclado do tel que dá esse número, bem mais fácil de guardar, não?) ou pelo Whats App 9-9903-4555 (cel. VIVO).