BJD
33 máx 20 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Há de ser coisa só de Bragança
Sábado,  02 SET 2017
Tamanho dos caracteres

 A previsão aconteceu: sentimos que a aplicação da vacina da gripe não foi “legal”. Parece que não fomos imunizados, veio um forte resfriado acompanhado de uma tosse ainda mais forte e está difícil de debelá-los. E nós já tínhamos perdido o costume de termos gripe e resfriado. Foi previsão ou sugestão? Uma coisa é certa: A pressa é inimiga da perfeição.

Estamos em setembro, 9º mês do ano, mês charmoso, primaveril, mês que nos faz lembrar que o planejado no início do ano deve estar na etapa conclusiva. Em termos de administração municipal não tivemos a publicação dos planejamentos de cada Secretaria Municipal.

O planejamento é um instrumento de acompanhamento e avaliação das ações governamentais. Será que a Câmara Municipal não recebeu e nem cobrou a sua entrega? E os Conselhos Municipais também não receberam? Como fiscalizar se não se tem um instrumento hábil em mãos? São formalidades necessárias que fidelizam a transparência administrativa.

Pois é, o cidadão cumpre o dever de votar, mas não cumpre o direito de cobrar, de questionar, de investigar o “porque” da nossa compulsória contribuição via impostos não retornar em bens e serviços para nós. A nossa alienação (mansidão) faz bem para os que se fazem donos do poder. Aprendemos a ser subservientes, isso gera a mudez, a cegueira, a passividade. Será que nunca vai mudar? Coluna vergada dói. Somos eretos.

HÁ DE SER COISA SÓ DE BRAGANÇA

Para nós já está institucionalizado de que a falta no trabalho desde que não justificada com critérios, implica em perda salarial. Pois é, por certo, o nobre vereador Claudio Moreno verificou que no Regimento Interno da Câmara não consta o assunto “desconto de faltas” e fez o projeto de resolução nº9/2017 que acrescenta o dispositivo que estabelece desconto no salário dos vereadores para faltas injustificadas em sessões ordinárias, extraordinárias e comissões. Para nós é redundância.

Se há necessidade disso, propomos mais uma redundância: que nas sessões extraordinárias estejam incluídas as sessões em que se prestam homenagens aos cidadãos prestantes, até para se evitar constrangimentos em relação ao autor da proposição e ao(s) homenageado(s), que se sentem desprestigiados com a ausência dos nobres.

Pois é, diante dessa proposição do vereador Claudio Moreno, veio-nos a pergunta: Será que durante todos esses anos de funcionamento da Câmara Municipal nenhum vereador(a) teve as faltas descontadas no seu salário?

É muito privilégio! Já usufruem de um altíssimo salário sem pejo nenhum, eles não têm dedicação exclusiva, continuam nas suas atividades particulares, e se não houver controle de presença e de permanência nas sessões como fica a situação do(a) Presidente da Câmara Municipal? Mera figura representativa?

Nós já estivemos em sessão da Comissão de Saúde, Educação . . . em que o presidente fez a abertura e o encerramento em ato contínuo; foi assustador e desrespeitoso com os assistentes. Dá-nos a impressão de que a presença do público quebra a “rotina” dos vereadores.

2017: SE ESTÁ DIFÍCIL PARA A ATUAL ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL GERIR, ESTÁ TAMBÉM PARA OS CIDADÃOS MUDAR A IMAGEM, AS EXPECTATIVAS

A administração Jesus Chedid em termos de apresentação, de cuidados, de preservação, sempre se pautou pelo capricho, não permitindo o feio, cuidando da imagem, valorizando as expectativas dos cidadãos.

Hoje há umafrustração quanto a imagem da cidade: muitas ruas continuam esburacadas e estradas também, as praças perderam a beleza da limpeza e dos canteiros floridos. Lembram-se da Av. dos Imigrantes, dos seus canteiros multicoloridos, das rotatórias bem cuidadas? Da sinalização aérea e de solo em toda cidade?

Do Lago do Taboão com suas luminárias potentes, e agora ostenta aqueles que foram “os bancos” hoje estão todos quebrados. Difícil entender a dura realidade. Pois é, mas o fato do momento que não condiz com o “jeito Jesus” de administrar, são os velhos ônibus recauchutados e pintados de amarelo circulando pelas nossas ruas, eles nos lembram aqueles ônibus antigos das grandes cidades. Esse quadro está muito feio, deprecia a nossa imagem de sede de região.

Qual ou quais secretários municipais que deram o aval? O que será que está acontecendo? Logo, logo final do ano e vamos permanecer assim em 2018? E falamos só de coisas miúdas. Hoje dedicamos o nosso refrão aos assessores do Prefeito, para que sejam os porta-vozes dos cidadãos. Não devem ser douradores de pílulas, mas criadores de alternativas que engrandecem a administração municipal.

A C O R D A B R A G A N Ç A ! ! !