BJD
31 máx 17 min
BragançaPaulista21 Jan 2018


Colunistas


Sinfonias nº100  “Militar” e Sinfonia nº101 “O Relógio” - J.Haydn
Sexta-Feira,  25 AGO 2017
Tamanho dos caracteres

 A Sinfonia nº100, Militar, de Haydn, pertence à segunda série do grupo escrito para Londres. E a nº 101, “O Relógio”, data de 1794, ambas conhecidas na segunda viagem à Inglaterra junto com três últimas sinfonias de 1795.

Apesar de avançada a idade do compositor, não há nelas um momento de hesitação, a maestria é total e só cabe admiração perante tão diferentes conteúdos. São as obras mais perfeitas do sinfonismo clássico.

A “Sinfonia Militar” tem alguns matizes que a tornam inconfundível: sua aparência do festejo militar, de brilhante parada, na qual se detecta na instrumentação, pratos triângulo e bombo, além dos tímbales e trompetes, o que unido com os outros, clarinetas e cordas, constituem uma das orquestras mais completas do autor e de sua época.

O primeiro movimento é um tempo de sonata com cena de batalha na parte central e no desenvolvimento o “Allegretto”, está constituído por uma série de variações de timbres sobre uma das melodias favoritas de Haydn, a qual tomou emprestada de uma canção francesa: “La gentile et belle Lisette”, com temas que são capazes de exprimir efeitos muitos diversos.

O “Minueto” é digno do contexto um tanto heroico e o “Rondó” final joga de maneira deliciosa com temas que são capazes de exprimir efeitos muitos diversos.

A “Sinfonia nº 101, “O Relógio”, Haydn distribui o primeiro movimento em “Adagio presto”. O segundo movimento em “Andante”, um ritmo que lembra o tic-tac de um relógio. Depois se expõe no Minueto, o “Allegro”, seguido do “Trio Allegretto” e para o final, o “Vivace”.