BJD
32 máx 18 min
BragançaPaulista16 Jan 2018


Colunistas


Caminhões
Sábado,  29 JUL 2017
Tamanho dos caracteres

 Sobre o decreto relativo ao tráfego de caminhões, realmente houve redução considerável do número deles passando pela cidade. No entanto, há reclamações de setores (de Bragança) que estão sendo afetados economicamente. O ideal é compatibilizar o trânsito com a atividade econômica. Essa restrição a caminhões de Bragança é desnecessária e exagerada.

1 – Caminhões: setores afetados

Reclamam, com razão, os proprietários de lojas de materiais de construção, que estão sendo prejudicados com a restrição das 7h00 às 9h00 e das 17h00 às 19h00, para os caminhões de Bragança. Suas entregas estão afetadas, e são obrigados a pagar hora extra a funcionários.

Alguns proprietários de postos de gasolina dizem que a venda de óleo diesel caiu em 20 a 30%. Os caminhões de Bragança, confusos com as faixas (acham que a restrição é maior), estão abastecendo em outras cidades.

2 – Absurdo

Na estrada Bragança – Itatiba (Rodovia Alkindar Monteiro Junqueira) insistem em delimitar a velocidade máxima em 60 km/h. Absurdo. “Fábrica de multas” e riscos aos motoristas.

3 – Consequência do absurdo

Quem andar a mais de 50% do limite de velocidade comete infração gravíssima (com alta multa e perda de CNH). 91 km/h já é gravíssimo na Bragança – Itatiba. Em compensação a velocidade mínima é 30 km/h (metade da máxima), o que pode causar graves acidentes.

4 – Ginásios de Esportes

Ginásios de Esportes do município (Lourenção, Parque dos Estados, Planejada, Jardim Recreio e Vila Garcia) estão em más condições, sem conservação.

5 – Melhorou

Houve melhora na conservação das ruas, avenidas (reparo nos buracos) nesses sete meses de administração. Mas ainda há problemas.

6 – Melhorou também

Também há melhora na retirada de mato de praças e locais públicos.

7 – Eternas promessas

Continuam as promessas de obras (duplicação, passarelas, ciclovia etc.) nas estradas Bragança – Socorro e Bragança – Itatiba. Os anúncios são feitos há mais de 12 anos. Até agora nada de concreto. Só enrolação.

8 – Locais turísticos


Continuamos sugerindo que a Usina da Mãe dos Homens (margens do rio Jaguari) e a Montanha do Leite Sol, poderiam se tornar ótimos locais turísticos para o município.

9 – Parques novos


Os três parques entregues na administração anterior (dos Padres – na Norte – Sul, o das Araucárias – na Variante do Taboão e o Refúgio das Aves – no Jardim América) estão sendo razoavelmente utilizados pela população. Estão bem conservados. Falta a ponte no do Jardim América.

10 – Atirou no que viu... acertou ...

O vereador Marcolino (PSDB), fez um ótimo projeto que diz respeito a futuras contratações de Organizações Sociais (OS) no município. Ele quer evitar o que aconteceu com a ABBC e que a atual administração tem criticado. Só receberá da prefeitura a OS que estiver em dia com seus funcionários.

11 – Fogo: proibido


Fogo está sendo usado para “limpar” terrenos. A Lei nº. 4.088/09, de minha autoria, prevê multas a quem fez o fogo, seja o proprietário ou outra pessoa.

12 – Rojões

Vários municípios aprovaram lei proibindo a queima e a soltura de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos ruidosos na área urbana, em espaços públicos e privados, pois causam poluição sonora e estresse (às vezes até a morte) de animais (cães e gatos).

Em Bragança, protocolei o projeto. Sugeri ao Executivo que apresente a lei, se eles não fizerem, apresentarei no ano que vem.

13 – Furtos

Muitos casos em Bragança de furtos em imóveis desocupados e construções. Em vários locais da cidade isso tem ocorrido. Furto de fiações, material de construção, ferramentas, móveis etc. É necessário uma ação nesse sentido.

14 – Alta velocidade

Na avenida que margeia o Lago do Taboão, muitos motoristas exageram na velocidade. Depois que retiraram as lombadas por causa de uma competição esportiva, a coisa piorou.

15 – Vai ter morte


Apontamos (por várias vezes) dois locais perigosíssimos no trânsito: 1º - Faixa de pedestres em frente à Vitrine do Lago, no Taboão; 2º - cruzamento da XV de Dezembro com a Rinzo Aoki (próximo ao Tanque do Moinho). Vai “morrer gente” nesses locais. Ninguém toma providências.

16 – Local perigoso

Carros andam em alta velocidade entre o Santa Helena e Bosques da Pedra. Muita gente caminha ou corre nesse trecho. Não há calçadas. Possibilidade de acidentes é grande. Já pedimos providências junto ao Executivo.

17– Folclore: “O guia”

Anos 90. Eu já havia percorrido várias vezes o rio Jaguari de caiaque, e um grupo de bancários (8 pessoas), me pediu para ser o guia de uma descida da barragem até o Curitibanos (cerca de 10 km). Saímos os nove caiaques, eu na frente, como “batedor”, como “líder”. Ao chegar no Bairro do “Menin” lembrei que lá havia uma “corredeira”, que dependendo da vazão do rio, poderia ser superada facilmente (com as cheias), ou se transformar numa pequena cachoeira (com a seca).

Ouvi o barulho da água caindo, mas me aproximei demais e... não deu pra voltar, entrei na corredeira e vi o caiaque saltar uns dois metros até a parte baixa do rio.

Nesses poucos segundos pensei:

- Nossa... posso me machucar, se tiver pedras embaixo o caiaque vai estourar.

Caí nas águas e por sorte não havia pedras. Fiquei “branco” pelo susto, mas... aliviado. Nisso, vi que os outros alegremente faziam o salto de dois metros, como se fosse a coisa mais segura e normal.

Todos se divertiram e me disseram:

- “Nossa, você é uma fera. Que salto gostoso”.