BJD
31 máx 17 min
BragançaPaulista21 Jan 2018


Colunistas


Raposão e o Festival de Inverno
Sexta-Feira,  21 JUL 2017
Tamanho dos caracteres

 Raposão gosta de algumas coisas, especialmente do frio. Mentira, pois Raposão gosta também do calor, da chuva, do vento, enfim, gosta de quase tudo! A verdade é que depois que a gente passa por algumas situações, aprendemos a gostar da vida, seja o que for que ela mande! Viver! Isso sim vale a pena!

Falando em viver, nessa época do ano que o frio dá a sua cara, às vezes um tanto nervosa (teve dia que aqui em Bragança estava mais frio que o Alasca!), se tem algo de bom que acontece em Bragança é o Festival de Inverno, um evento selecionado, diferente, que leva cultura e diversão às ruas, que alegra e esquenta os dias e as noites frias, enfim, um evento que convida a gente a sair de casa.

TODOS OS GOSTOS

O Festival de Inverno desse ano está bem eclético, pois tem mágico, rock, dança, comédia, teatro, música erudita, música popular e até música “brega” (show do cantor Rogério José, na praça central, foi sensacional!). Teve até o famoso maestro João Carlos Martins comandando um concerto com a Orquestra Filarmônica Bachiana, lá no Lago do Taboão! Sensacional!

PUBLICIDADE

Sem dúvida alguma, o grande problema do Festival de Inverno sempre foi a divulgação. É o que sempre falo: fazer a Coca Cola é mais fácil que convencer as pessoas a tomá-la!

Divulgar um evento é bem mais complexo que realizá-lo. É algo que sempre dispensa muito tempo e dinheiro, que poderia ser revertido até em prol do Festival, com mais atrações sendo contratadas.

Com a internet, hoje ficou bem mais fácil para todos acompanhar tudo que acontece, e bem mais barato para divulgar. Não vou indicar um show ou evento aqui, porque é tanta coisa boa acontecendo que seria injusto com um artista eu não divulgá-lo só pelo fato de eu gostar de outro tipo de show (como disse, o Festival é bem “eclético”).

Assim, o site da Secretaria de Cultura dá toda a programação e se tem um conselho que Raposão possa dar para você, este conselho é: curta o Festival de Inverno de Bragança Paulista! E aqueça seus dias e suas noites de Inverno com ele!

FESTIVAL DE VERÃO ?

O de Inverno é tão bom que Raposão fica pensando como seria bom também ter um de “verão”, movimentando especialmente as noites quentes de Bragança.

Entendo as dificuldades que existem para isso, como verba, tendência de chuva, proximidade do carnaval, etc, mas se eventos em números menores fossem criados no verão (não precisa ser um festival com tantos eventos como o de Inverno é), creio que agitaria muito a cidade e passaria a ser um marco na região um Festival de Verão.

Enfim, uma sugestão ou ideia a ser analisada e pensada.

E OS CAMINHÕES ?

A nova lei que limita o trânsito de caminhões em alguns dos principais “corredores” da cidade está em vigor com algumas falhas (placas com falta de informação correta), com alguns acertos e com muitas reclamações, etc.

A verdade é que ainda é cedo para avaliar, pois estamos na primeira semana de aplicação de tal proibição e creio que mais algumas poucas semanas serão suficientes para fazer os ajustes necessários para chegar a um meio termo que alegre a “gregos e troianos” (ou ao menos deixe menos tristes eles).

Creio que a diminuição do horário de proibição, algo parecido como é feito no rodízio de São Paulo (entre 7 e 10h e entre 16 e 20h) é uma coisa a ser pensada.

Aguardemos para tirar melhores conclusões...

SÃO LUIZ


A “vergonha” da reforma do Colégio São Luiz, “parada” há tempos, pode ter uma “luz no fim do túnel” com a possibilidade de liberação de recursos que estavam bloqueados junto ao governo estadual (na verdade, Raposão acha que essa reforma nunca “andou”, mas sim “engatinhou”, pois, se levarmos em conta os milhões gastos, quase nada foi feito por lá!).

Raposão já disse anteriormente: depois de atos de corrupção, não há nada mais que irrite o cidadão do que ver uma obra parada com milhões “enterrados” nela. Essa obra passou pela “competência” de dois prefeitos anteriores e se mostraram “incompetentes” para terminá-la. É o que sempre afirmo: se não vai conseguir terminar algo, não comece!
Será que agora essa obra vai? Esperemos que sim.

Aguardemos...

“FUMAÇA” PORTENHA

O nosso vizinho Uruguai iniciou a venda da maconha em farmácias, após quatro anos do anúncio de tal medida. A lei, que regula a indústria da maconha no país vizinho, data de 2013, e estabelece o uso desta erva para fins “digamos recreativos” e com venda em farmácia.

O motivo de ter demorado todo esse tempo para tal lei entrar em vigor, Raposão não tem nem ideia! A única explicação que posso ter é um questionamento: será que os responsáveis para tanto tiveram algum “lapso de memória” e por isso só agora tal lei entrou em prática?

O que eu estava falando mesmo?

NOVO “SANTO”


Outro dia eu quis fazer um agrado para minha mulher e fui lavar umas loucinhas que estavam na pia. Meu Deus do céu, como isso é terrível com o frio!

Graças a Deus, e ao inventor, o sistema de aquecimento solar entrou em ação e deu uma “amornada” na água!

Alguém sabe como faço para sugerir ao Papa para beatificar o inventor da água quente na pia da cozinha?

RIO DE JANEIRO


Temos que aceitar e levar a sério que o Rio vive uma guerra civil e não é de hoje. Gente morta por bala perdida por lá acontece há muuuuuito tempo. Agora a coisa está ainda pior, pois o que ocorria uma vez por mês, agora é quase todo dia.

O número de gente morta por bala “perdida” é tão grande que é impossível que essa bala seja perdida, afinal atingiu alguém!?

Por lá até bala perdida é atingida por bala perdida!

Enquanto isso, nossos deputados e senadores discutem reformas trabalhistas e previdenciárias, importantes também, mas que deveriam ser tratadas após as reformas penais.

ESTRADA DA MORTE

A estrada Bragança-Itatiba Raposão chama de “Rodovia da Morte” há mais de década, pois quase toda semana alguém perde a vida nela e duplicá-la se faz mais que necessário há muuuuuuuuuito tempo!

Considero uma “brincadeira” o DER manter a velocidade de 60 km/h nessa rodovia (antes era 80 km/h), aumentando em muito o perigo de transitar nela. Isso mesmo que você leu: “aumentando”.

Raposão explica: Não há nada mais perigoso que você implantar uma velocidade “inadequada” em uma rodovia, tanto sendo ela para cima ou para baixo. Do jeito que foi feito (“para baixo”), aumenta em muito o número de ultrapassagens, aumentando em muito o perigo.

Na próxima semana irei abordar com mais profundidade esse assunto.

Um bom final de semana a todos, lembrando que esta Coluna é meramente fictícia, com verdades e inverdades (cabendo a você, leitor, descobrir qual é qual?), e na sexta-feira que vem tem mais (se Deus assim consentir), lembrando que Raposão aceita dicas, opiniões, críticas e, é lógico, elogios (desde já, os agradeço), que podem ser feitos via e-mail, telefone (ver ambos abaixo), “sinais de fumaça” ou cartas para redação do BJD, situada à Av. Antônio Pires Pimentel nº 957, Centro, Bragança Paulista, CEP 12914-000. Acompanhem também Raposão na Internet, pelos sites www.bjd.com.br e no Facebook (Raposão João Raposo Advogados Associados) ou no Instagram (joao_raposo João Raposo Advocacia – Raposão).

ADVOGADO João José Raposo de Medeiros Jr. é colaborador do BJD desde 1982. Contatos pelo e-mail joao_raposo @terra.com.br ou pelo tel. 9-8353-5626 (cel. TIM) (digite o número 9 mais a palavra “TELEJOAO” no teclado do tel que dá esse número, bem mais fácil de guardar, não?) ou pelo Whats App (ZapZap) 9-9903-4555 (cel. VIVO).