BJD
31 máx 17 min
BragançaPaulista21 Jan 2018


Colunistas


Barão de Juquery – Importante figura da sociedade bragantina
Quarta-Feira,  21 JUN 2017
Tamanho dos caracteres

 Sempre recordamos que nós, cidadãos nascidos em Bragança Paulista, orgulhamo-nos de termos possuído no passado personagens ilustres que, por suas iniciativas granjearam a estima de todos aqueles que o conheceram, principalmente dos cidadãos pertencentes à sociedade em que viveram.

Uma dessas figuras que em sua época impôs seu nome ao reconhecimento público pela influência que exerceu nos meios sociais e políticos de nossa terra, foi Francisco de Assis Valle Junior, o Barão de Juquery.

Nascido em 11 de abril de 1837 nesta cidade, era filho de Francisco de Assis Valle e de dona Maria Joanna de Camargo. Desde a mais tenra idade agiu com o ardor próprio da juventude, tendo em mente o engrandecimento de sua terra natal, tomando parte ativa na vida política local. A intransigência de suas ideias, aliada ao seu alto prestígio, deu lugar a que lhe fosse confiada a direção do Partido Conservador, ao qual prestou os mais relevantes serviços.

Mas as lutas partidárias não absorveram toda a sua atenção. As suas atividades paralelas e o seu prestígio sempre estiveram ao lado dos empreendimentos que tinham por finalidade o progresso de sua terra.

Um dos empreendimentos nos quais tomou parte efetiva foi a participação, juntamente com o Coronel Francisco Emilio da Silva Leme, José Gomes da Rocha Leal, Joaquim Antonio da Silva e Firmino Joaquim de Lima, na Diretoria da Companhia Bragantina, que construiu a Estrada de Ferro Bragantina.

Dotado de grande generosidade, Francisco de Assis Valle Junior. doou a quantia de trinta e cinco contos de réis para a Santa Casa de Misericórdia de Bragança, para aumento de seu património, quando aquela entidade de fins filantrópicos estava passando por dificuldades para terminar a construção do seu prédio.

Casou-se com sua prima, Gertrudes Guilhermina Egídia de Camargo, filha de Aleixo José de Godoy e de Gertrudes Maria de Camargo Leme, mas não teve descendentes. Enviuvando desta, não contraiu novas núpcias.

Amigo particular do Imperador, por quem era muito considerado, foi nomeado Coronel Comandante Superior da Guarda Nacional da Comarca de Bragança, e mais tarde agraciado com o título de Barão de Juquery.

Logo após a proclamação da República, o Barão de Juquery retirou-se à vida privada, manifestando com essa atitude a intransigência de suas ideias políticas e a coerência com seus princípios e seu passado.

Faleceu em 30 de agosto de 1910 cercado da amizade e do carinho de seus contemporâneos, tendo seu féretro sido acompanhado por grande número de pessoas até sua última morada. A Câmara Municipal de Bragança, atendendo a uma representação popular, deu seu nome à rua onde a ilustre figura tinha sua residência. Revelando aqui alguns traços de nosso conterrâneo Francisco de Assis Valle Júnior, o “Barão de Juquery”, rendemos nosso preito de admiração a um dos ilustres cidadãos de nossa cidade que, pela sua benemerência e seus trabalhos em prol do desenvolvimento de sua terra natal, faz parte da nossa história.

JOSÉ CARLOS CHIARION é advogado, escritor e membro da Associação dos Escritores (ASES). Foi vereador; colunista do Bragança-Jornal Diário; participou da fundação e foi presidente da Associação Bragantina de Imprensa (ABI). É autor do livro “Um Pouco da Nossa História”.

EM TEMPO: Acompanhe toda sexta-feira, no “Altiora Jornal” exibido pela TV Altiora, às 19 horas, a “Agenda Cultural”, onde cada semana um assunto dos aqui por nós abordado é comentado pelo jornalista Fabio Silverio, com a colaboração fotográfica de Luis Antonio Palombello.