BJD
33 máx 20 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Estacionamento: missão difícil
Sábado,  03 JUN 2017
Tamanho dos caracteres

 Estacionar em Bragança é uma “tarefa” muito difícil, principalmente na área central e comercial.
Veículos são deixados o dia todo no mesmo local (não há rotatividade). Vagas para idosos e deficientes são constantemente desrespeitadas, e não há fiscalização.

2 – Continua o atraso


Problema que se tornou crônico em Bragança é o atraso no kit escolar e uniformes. Os alunos na rede pública de Bragança sofrem do mesmo problema na atual administração. O secretário, respondendo a indagação sobre o assunto, alegou que o problema foi devido à burocracia da licitação, o que o ano que vem, dificilmente ocorrerá.

3 – Quando?

Prefeitura recebeu sugestões nossas no sentido de fazer justiça tributária com duas questões: isentar de IPTU imóveis tombados conservados e áreas de APP que tomam todo o terreno e não podem ser utilizadas.

Embora sejam medidas necessárias, eles protelam e dizem que estão estudando a questão.

4 – Problemas crônicos


Também os crônicos problemas de desassoreamento dos lagos urbanos (Taboão, Tanque do Moinho etc.) ficam só no projeto e nas promessas. Será que também essa administração vai deixar isso “passar em branco” e se agravar?

E a reforma do prédio do antigo Colégio São Luiz? Irá ser restaurado e reformado?

5 – Nem oito nem oitenta

Completados cinco meses de administração municipal.

Há comentários radicais: por um lado dizem que nada foi feito pela atual administração, por outro lado, justifica-se tudo como culpa das administrações anteriores. São visões extremistas. Não é possível mudar a cidade em poucos meses, mas também não é aceitável ficar justificando tudo como culpa do passado.

6 – Poluição sonora


Temos notado que carros de som com propagandas têm abusado do volume, causando poluição sonora e incômodos. Há legislação a respeito (Lei 4.049/09). Falta fiscalizar.

7 – STF considera ilegal

O STF considerou ilegal a lei que concedeu reajuste aos vereadores no ano de 2014. Na ocasião apenas dois vereadores votaram contra tal lei (eu e o Paulo Mario).

Após grande pressão da OAB local (presidida pelo Dr. Marcos Túlio) e do Ministério Público, outros nove edis resolveram renunciar ao aumento ou devolver as quantias recebidas. Oito edis continuam discutindo na Justiça e obtiveram vitória no Tribunal de Justiça de São Paulo, onde a lei foi considerada constitucional.

O STF reformou a decisão do TJ, na ação movida pela OAB.

8 – Vereador x Secretário

O vereador Quique tem feito várias denúncias contra a atual administração, em especial à Secretaria de Cultura. São críticas constantes.

Semana retrasada, denunciou que artistas contratados pela Prefeitura se apresentariam no mesmo dia em escola de samba ligada ao secretário.

O líder do prefeito, Paulo Mario, disse que o fato é irrelevante e “picuinha” do vereador.

Embora os contratos não signifiquem que automaticamente a apresentação particular esteja sendo paga com dinheiro público, contratar mesmos artistas, no mesmo dia, para eventos públicos e particulares, não me parece recomendável.

9 – Lixo e entulho


Lixo em grande quantidade está sendo atirado nas margens das estradas, ruas, lagos e ribeirões. Impressionante a falta de civilidade.

Há legislação, falta fiscalizar e autuar.

10 – Prefeito: comandante

Torcemos para que o prefeito Jesus se restabeleça, e volte ao cargo.

Sem ele, notamos a falta de um comando, e da tomada de decisões mais relevantes.

11 – Folclore

Já vi gente distraída, mas essa extrapolou. Na semana retrasada, sábado, cheguei ao Café do Lago e pedi à Sandra, um açaí na tigela.

Ela disse:
- Já vai Marcus.

Havia apenas uma mesa ocupada, com quatro pessoas e eu me sentei lá (era o quinto elemento).

A mesma Sandra, minutos depois, veio com o açaí, parou e me perguntou:
- Onde está o Marcus Valle? Isso é dele.

Eu fiquei perplexo, mas disse:
- Está lá no fundo... e apontei uma mesa vazia.

Ela deu uns passos e disse:
- Mas lá não tem ninguém.