BJD
33 máx 20 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Absurdo
Sábado,  27 MAI 2017
Tamanho dos caracteres

 Em muitos locais, para “fabricar multas”, delimitam erradamente a velocidade em ruas, avenidas e estradas.

É a “fábrica de multas” e de radares, o que rende contratos (comissões etc.) em muitos casos. Mas a simples delimitação baixa e errada da velocidade máxima gera problemas maiores aos motoristas.

O art. 218, III do Código de Trânsito determina que quando a velocidade for superior à máxima em mais de 50%, a infração é gravíssima, com multa três vezes maior, e suspensão imediata de dirigir.

Enfim, quando colocam 60 km/h na estrada Bragança - Itatiba, por exemplo, se alguém transitar a 91 km/h, perde a carteira e terá multa maior.

2 – Perigo

Na avenida que margeia o Lago do Taboão (Av. Alpheu Grimello) foram retiradas as lombadas existentes, para viabilizar uma competição de “marcha atlética”. Como elas não foram recolocadas, muitos veículos passam em excesso de velocidade por lá.

3 – Quem?


Num terreno próximo a confluência entre as vias que iniciam a Variante do Taboão (onde existia o Bar do Léo), cortaram várias árvores (eucaliptos).

A princípio não há problema, eucaliptos não são protegidos por Lei. Mas quem cortou? Onde foi parar a madeira? É coisa particular ou pública?

4 – Chaminés


Chaminés? São legais, mas não em qualquer lugar. É preciso fazer normas ou fiscalização adequada (caso exista). Há muitas reclamações pontuais de poluição e incômodos a vizinhos.

5 – Deram uma melhorada

Rua Santa Helena, no Centro, estava em petição de miséria, com asfalto esburacado, aparecendo o antigo piso de paralelepípedo. Após reclamações, deram uma melhorada.

6 – Lixeiras


José Roberto Cintra nos enviou sugestão para recolocação das lixeiras rurais, que estão deterioradas pelo tempo e corrosão. Relata que elas são reviradas por pessoas que coletam material reciclado. Ele sugere que as novas lixeiras tenham divisórias para separar o material reciclável do orgânico. Sugere uma parceria entre as secretarias do Meio Ambiente e de Educação para desenvolver ações de natureza educativa junto à população dos bairros rurais, ensinando como separar os diversos tipos de material e a importância de assim proceder, para a saúde de todos.

7 – A Sombra e a Escuridão

Reclamações gerais sobre iluminação pública. Até os vereadores da situação estão reclamando de lâmpadas apagadas, às centenas.

8 – Reclamação


Praça Hermógenes de Paiva, Vila Aparecida, exige melhorias (reparos, iluminação etc.). Segundo moradores, ela está sendo ocupada por desocupados, devido ao abandono.

9 – Delação dos donos da JBS

Aqueles dois irmãos criminosos e delatores, Joesley e Wesley Batista, abalaram a esquerda, direita e centro, com suas gravações e depoimentos. Depois de entregarem Temer, Lula, Dilma, Aécio, Serra, Marta, Renan e outros, demostraram perplexidade com Kassab, disseram que além dele vender o partido por 20 milhões, ainda pediu 5 milhões para sua sobrevivência: - Nunca tinha visto isso... disse o delator.

10 – Rápidas

1 – Leitor Miranda, reclama que a praça localizada à Rua Expedicionário José Franco de Macedo, no Toró, está com mato alto.

2 – Foi feito Pedido de Informação para a Prefeitura sobre os valores arrecadados a título de Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza – ISSQN na 52ª Exposição Agropecuária e Festa do Peão de Boiadeiro de Bragança Paulista.

3 – Na avenida que dá acesso ao Jardim Iguatemi, está escorrendo água mesmo quando não chove. Com a palavra a Sabesp.

4 – Vereador Basílio tem se mostrado muito atuante e ponderado. Prá mim, que já o conhecia, não é surpresa.

11–Folclore: Boa pergunta


Anos 80. Certa vez, eu estava no Fórum, e fui chamado para funcionar como advogado numa audiência criminal, em que a parte não tinha defensor.

Assumi meu lugar, e o juiz resumiu o caso: era um homicídio na Vila Garcia, onde a vítima foi morta com uma facada.

Eu já imaginei e visualizei a cena, a rua e o crime... no período da noite.

A testemunha disse que havia visto tudo, e que o réu após breve discussão, deu uma facada na barriga da vítima. Contou detalhes. Daí, perguntei:
- A que distância a testemunha estava?

Ela respondeu:

- Uns 50 metros.

Mandei a segunda pergunta:

- Tinha iluminação pública na rua?

O juiz reforçou:

- Boa pergunta... tinha?

A testemunha disse:

-Mas o crime foi ao meio dia.