BJD
33 máx 20 min
BragançaPaulista18 Jan 2018


Colunistas


Concerto para violino e Orquestra em Ré maior op. 61 - L. Van Beethoven
Sexta-Feira,  12 MAI 2017
Tamanho dos caracteres

 O concerto para violino e orquestra foi composto em 1806 e Beethoven o dedicou ao seu amigo de juventude, Stephan Von Breuning. Esse concerto estreou em 23 de dezembro do mesmo ano, sob a responsabilidade de Franz Clemente, diretor e primeiro violino do Teatro Ander Wien, que havia encomendado essa obra do compositor - no entanto não havia sido publicada antes de março de 1809.

O concerto data de um período feliz e produtivo da vida do músico (1805 a 1807) durante o qual escreveu o seu “Quarto Concerto” para piano, a “Quarta Sinfonia”, a “Sonata Appasionata”, e três quartetos de cordas de Razumovski, tendo iniciado a composição das “Quinta e Sexta Sinfonias”.



Escrito para grande orquestra, o Concerto para violino de Beethoven tem divisão tradicional em três movimentos: “alegro ma non tropo, larghetto, rondo (allegro)”. O primeiro movimento é imponente, começa com um motivo rítmico de quatro notas repetidas e executadas pelos timbales e que, retomadas se estende a toda orquestra, que adquire uma dimensão temática.

Esse processo de notas repetidas era muito apreciado por Beethoven , pois uma vez utilizado no seu Quarto Concerto para piano, novamente se utiliza para obter um efeito diferente, com motivo inicial da Quinta Sinfonia.

Porém, permite também diferenciar um dos exemplos mais espetaculares da “clareza de definição”, do estilo clássico. Com efeito, a facilidade de reconhecimento do esquema da frase clássica deve-se ao fato de os motivos que o constituem se encontrarem isolados um dos outros e bem realçados.

Por conseguinte, a solução encontrada para o Concerto para violino é particularmente clara. .No segundo movimento, um larghetto (série de variações executadas pelo solista e pela orquestra reduzida) encadeia-se, sem interrupção, com o rondo final cuja atmosfera já é a “Sinfonia Pastoral” e sua dança campestre.

A obra termina com uma passagem ascendente do solista, bruscamente interrompida por dois acordes de toda a orquestra.