BJD
32 máx 18 min
BragançaPaulista16 Jan 2018


Colunistas


Será que o presidente Temer cumprirá sua promessa? “Ministro denunciado, ministro exonerado”. São nove
Sábado,  15 ABR 2017
Tamanho dos caracteres

Os programas jornalísticos das rádios e TV destinaram espaço e tempo sem nenhuma economia para levar aos ouvintes e aos telespectadores a relação dos denunciados pelo ministro do STF Luiz Edson Fachin, relator da operação Lava Jato, para serem investigados.

Compõem a relação: 9 ministros adjuntos do Temer, 24 senadores, 42 deputados e 3 governadores. Temos certeza que os eleitores que votaram nesses políticos denunciados, estão decepcionados. Será que podemos acreditar em 100% nas investigações?

Ou cada cabeça, uma sentença? Se a relação dos denunciados foi impactante, imaginem quando vierem os conteúdos. Vale o velho ditado: “Onde há fumaça, há fogo”. Se os caciques forem declarados “culpados”, podemos ter uma mudança substancial no Congresso Nacional e nos Poderes Executivos, pois há muitos governadores citados. Resta saber quando isso vai chegar nos “finalmentes”.

A morosidade da Justiça é o caminho para a prescrição, que às vezes parece proposital. Que bom seria se cada cidadão eleitor acompanhasse as atuações dos cidadãos ocupantes de cargos eletivos. A tão necessária politização aconteceria e haveria um desmonte dessa classe política sanguessuga.

AS MUDANÇAS DA PREVIDÊNCIA PROPOSTAS PELO PRESIDENTE TEMER ESTÃO MURCHANDO

As Vossas Excelências, os Deputados Federais, sentindo a rejeição da proposta/Temer por uma grande maioria de cidadãos “trabalhadores de fato”, por certo, o medo de perderem a cadeira na Câmara Federal, de não serem reeleitos, como muitos já se acostumaram, tornando seus cargos vitalícios, de pai para filho em sequência, adotaram o recuo.

O presidente Temer promete liberação de verbas aos deputados em troca da aprovação. É assim que os senadores, os deputados, os vereadores votam, sempre movidos pelos seus interesses. A população só tem importância na hora da eleição. E só.

Temer tem um complicador no percurso: julgamento da chapa eleitoral Dilma/Temer. Será que o destino é ficarem juntos novamente? Cassados e inelegíveis? O Temer é senhor idoso, se cassado, sairá calçado com polpudas aposentadorias, mordomias, bens, nada lhe faltará. Será que a aprovação da reforma da Previdência acontecerá? Onde está a aplicação do preceito constitucional que diz que: “Todo cidadão é igual perante a lei”.

Qual a resposta desta pergunta: Foi feita uma auditoria confiável para sabermos onde está e como aconteceu o rombo previdenciário? Por que o contribuinte trabalhador é punido sem ser culpado? Afinal de contas, a fonte de recursos é a mesma e quem enche os cofres públicos é a classe trabalhadora e quem os esvazia são os políticos e os demais “donos dos Poderes”.

E nós insistimos na pergunta: Qual a mudança proposta na previdência dos altos escalões dos três Poderes? Continuam em vigência as aposentadorias especiais, as gratificações incorporadas que engordam salários impensáveis, as mordomias que nos ferem? Quando um juiz é julgado culpado ele é aposentado com o seu salário.

Que punição é essa? Que justiça é essa? Quando um servidor da vala comum comete uma infração, ele é exonerado, perde o salário, sai como estigma de infrator e passa a compor a legião de desempregados. Ambos são cidadãos. Os direitos são desiguais. Por que? Urge a resposta.

Pois é, não existe civismo, há excrescência do colonialismo, falta visão da injustiça social que se pratica nos altos escalões, onde se reza: “Venha a nós, tudo”. No entanto, a maioria que dá sustentação ao país, os seus direitos são surrupiados.

É inadmissível que indivíduos ocupantes de altos cargos dos três Poderes tenham o seu salário diário (um só dia) maior que o salário mínimo mensal do cidadão trabalhador, cidadão esse indispensável na sociedade. Que tratamento desigual! Como esses cidadãos conseguem sobreviver? Não conseguem.

Não vimos um só servidor público de alto escalão propor a redução do seu salário, chamado pomposamente de “honorários”, o corte da odiosas mordomias, para deixarem de ser usurpadores maiúsculos dos direitos da maioria. Que país é esse? País da injustiça social. Quanto nos custa a manutenção dos Poderes? Uma fábula, acrescido com os milhões roubados pela bandidagem.

Bem, nós moradores de nossa Bragança pensemos quanto nos custa a Câmara Municipal com os seus 19 (dezenove) vereadores mais assessoria, mais mordomias. Quanto se gasta? Qual o percentual que sai do orçamento municipal? E o que se produz? Quais os resultados palpáveis para nós cidadãos pagantes? São formalidades, “homologações” pré-conduzidas. E o salário mensal é de R$12 mil.

Isso é um acinte, é uma extorsão aos nossos bolsos. Houve manifestação formal de repúdio a esse aumento salarial. Começou a nova legislatura, todos se aquietaram alegres e felizes, aninhados nas suas atividades particulares. Fizeram-se de ouvidos moucos, com as mãos bem aquecidas. Cabe uma análise do “custo/benefício. Por certo, ficaremos só com os custos.

E A NOSSA BRAGANÇA? A FALTA DE RECURSOS IMPÕE-LHE MARCHA LENTA, ESTÁ ANDANDO

Notamos melhorias, não no ritmo do atual prefeito, mas vai. Está na fase do aquecimento. Se as verbas federais e estaduais já estão programadas, elas virão. A burocracia é um grande entrave no nosso país. Ela não é um impeditivo para as corrupções, ela responde pelo inchaço da máquina administrativa. São protocolos e protocolos, pareceres e pareceres de funcionários, sai de uma gaveta e vai para outra. Às vezes a propina permeia por aí.

Bem, desta vez o prefeito caprichou: deu à nossa Bandeira Municipal uma confecção de primeira. Ela tremula no velho mastro na entrada da nossa Bragança, proximidade do Lago do Taboão. Ela conta a nossa história. Aprendamos a sua leitura, captemos a sua mensagem, que elas sirvam para despertar os sentimentos de solidariedade, de fraternidade, de igualdade, principalmente naqueles que têm nas mãos o poder de decisão. Individualismo e egoísmo são doenças curáveis.

A C O R D A B R A G A N Ç A ! ! !