BJD
31 máx 19 min
BragançaPaulista17 Jan 2018


Colunistas


Sinfonia nº 4 “Italiana” de Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847)
Sexta-Feira,  07 ABR 2017
Tamanho dos caracteres

 Mendelssohn esboçou esta sinfonia numa estadia em Roma entre 1º de novembro de 1830 a 1º de abril de 1831. Terminou em Londres em 1833 e a estreia aconteceu na mesma cidade, a 13 de março do mesmo ano e sob sua própria direção.

É muito provável que Mendelssohn tenha encontrado fonte de inspiração para a sua “Sinfonia Italiana” nas ruínas e paisagem da Itália e numa determinada dança napolitana.

O primeiro movimento começa com um toque rigoroso dos violinos, o que dá um certo ar de heroísmo. No segundo tema, pouco diferenciado do fogoso início, modera a exuberância rítmico-melódica e seu aspecto de modo perpétuo.

No início do segundo movimento, em Ré menor, os oboés, os fagotes e as violas expõem a melodia bastante grave de um coral, que é retomada pelos violinos e que está constantemente apoiada em segundo plano sonoro pelo “jogo staccato” (destacado) dos violoncelos e dos baixos.



A parte central do fragmento, um pouco mais viva, valoriza durante um breve instante o clarinete, antes do retorno conclusivo do tema, baseando-se na melodia do coro. No terceiro movimento, um trio em Mi maior com modo moderado, Mendelssohn oferece em exemplo muito bom dos seus conhecimentos em matéria de extensão melódica.

No que se refere ao final, intitulado “saltarello” (presto), (rápido) mas cujo ritmo é antes o de uma tarantela (dança do sul da Itália), faz com que sucedam os seus temas melódicos muito rapidamente sobre a base de um trabalho com elegância.