BJD
31 máx 19 min
BragançaPaulista17 Jan 2018


Colunistas


Raposão e a TV Digital
Sexta-Feira,  31 MAR 2017
Tamanho dos caracteres

 Eeeeeta Brasil! Aqui tem umas coisas que são diferentes, não é verdade?

Raposão chega a duvidar das coisas que acontecem por aqui. Com certeza, se contássemos para alguém de outro país, este iria nos chamar de mentiroso.

Poucos se lembram, mas tínhamos uma malha ferroviária considerável. Obviamente não era nem um pouco semelhante ao que se tem na Europa, mas nossos trens davam conta do recado. Bragança, mesmo, era atendida por várias linhas de trens.

Daí, com a desculpa de incentivar a indústria automobilística, foram, sem necessidade alguma, desativando as linhas de trens, destruindo os trilhos, e a linha férrea que tínhamos e que hoje poderia ser muito útil a todos nós, simplesmente desapareceu do mapa! Um verdadeiro absurdo!

Pois bem, é mais ou menos isso que irão fazer, ou melhor, já estão fazendo com o sinal analógico de televisão, onde hoje cerca de 10 milhões de pessoas aqui da região estão sem sinal de TV porque simplesmente o sinal analógico acabou, cortaram, desligaram... Enfim, deixou de existir aqui na nossa região! (??) (e em setembro próximo será desligado no Brasil todo).

POR QUE NÃO MANTER?

A pergunta que fica é a seguinte: por que não manter o sinal analógico conjuntamente com o sinal digital, da mesma maneira como se manteve até agora?

Tal qual a linha férrea, que estava montada e perfeitamente funcionando, o sinal analógico estava montado e funcionando perfeitamente há décadas. Ora, seria tão alto assim o custo de manter algo que já funciona e continuando a atender milhões de pessoas no Brasil todo? Ou será que os interesses dos fabricantes de TV digital e equipamentos (como antena e conversores) falam mais alto?

Num passado bem recente, e pouco se falou sobre isso, o ex-presidente Lula (talvez, futuro residente de um “condomínio fechado” lá em Curitiba) fez o povo todo engolir uma forma de “tomada” que não existe em lugar nenhum do planeta, e alguém saiu lucrando bilhões com isso, pois todas as tomadas das casas, dos eletrodomésticos e eletrônicos tiveram de ser trocadas por essa “porcaria” de “três pinos tortos” que hoje temos aí.

E aí Raposão pergunta: “quem dessa vez estará lucrando bilhões ao desativar um sistema de sinal analógico que está em pleno funcionamento e atendendo perfeitamente seus usuários?”. A escolha não deveria ser do consumidor?.

TV ABERTA x TV FECHADA


Seria cômico, se mais uma vez não fossemos nós, consumidores e cidadãos brasileiros, os prejudicados nessa história de alguns canais abertos de televisão querer cobrar das operadoras de canais fechados (TVs pagas) para “continuarem” a transmitir seus sinais, desta vez no formato digital. A alegação é que se tais operadoras pagam para transmitir canais de outros países, por que não pagar também para esses três canais?

Nessa “barca furada” entraram os canais SBT, Record e Rede TV que, inclusive, fundaram uma empresa (uma tal de SIMBA CONTENT) para “cuidar” desse assunto para eles.

Informações que chegam à Raposão é que esses canais chegaram a pedir às operadoras de TV a cabo ou satélite cerca de R$ 15 por assinante, o que, obviamente, encareceria, e muito, para nós a TV por assinatura, além deste valor estar acima, e muito, do valor médio que são pagos a alguns canais estrangeiros.

Mas as perguntas que ficam são as seguintes: por que até hoje esses canais NUNCA cobraram para que as operadoras de TV paga exibissem seus canais na grade de canais delas? Por que só agora querem receber por algo que pode até ser justo, mas que vai acabar “detonando” elas mesmas na medida que a audiência delas pode cair drasticamente? Afinal, estima-se que 60 milhões de pessoas assistam esses canais através de TVs pagas.

O argumento que as TVs por assinatura pagam aos canais estrangeiros não procede, visto que esses canais estrangeiros, diferentemente do SBT, Rede TV e Record, NÃO têm seus sinais liberados aqui como esses canais têm, afinal esses três canais podem ser assistidos gratuitamente por qualquer um que instalar uma anteninha digital (que custa cerca de 35 reais). Então, por que as operadoras de canais por assinatura iriam querer manter na sua grade esses canais que são gratuitos à todos?

Raposão entende que, se esses canais querem receber por algo que é deles, nada mais justo. No entanto, se Raposão fosse dono de uma operadora de TV a cabo, obviamente que não iria “contratar” esses canais para por na minha grade de programação, a medida que eles podem ser captados gratuitamente por qualquer pessoa através de uma antena digital. Simples assim.

APENAS UMA DICA...


... a Globo NÃO entrou nessa “barca”, o que é um fortíssimo indício que ela é uma tremenda furada!

Pra começar, só o número de telespectadores que esses canais poderão perder (como citado acima, cerca de 60 milhões de pessoas) já inviabiliza essa briga, afinal faz mais bem esses canais abertos às operadoras de canais fechados ou faz mais bem as operadoras de canais fechados à esses canais abertos, levando sua imagem e programação (e com isso eles podem cobrar cada vez mais caros suas propagandas e comerciais) à todas essas pessoas?

Esse movimento desses canais abertos parece que foi liderado pela Rede TV, mais um indício disso ser uma barca furada. Afinal, este é um canal que passa sempre por dificuldades financeiras e, talvez, vê nas operadoras de canais por assinatura a sua chance de passar a navegar por “mares mais tranquilos”. Mas, perder esses milhões de telespectadores será fatal, pois empresas que pagavam milhões para fazer propagandas nestes canais, com certeza irão cortar drasticamente tais valores.

Anote aí: não dou nem um mês para esses três canais voltarem atrás e autorizarem as operadoras de TVs por assinatura a voltar a transmitir o sinal deles. Obviamente que a coisa vai ser divulgada assim na imprensa, para que não fique “chato” para tais canais: “SBT, Record e Rede TV entram em acordo com as TVs por assinatura”.

Quem viver, verá!

CARNE

Raposão já voltou a comer seu churrasquinho, e você?

Conforme afirmei na semana passada, a Polícia Federal (PF) fez muito alarde e “a coisa” não é tão “preta” assim! Ainda bem, pois se fosse, como explicar que a PF deixou a gente comer durante dois anos (que foi o tempo que ela estava investigando) carnes e embutidos suspeitos?
Dica de Raposão: corram aos supermercados e comprem carne e congelem, aproveitando o preço baixo atual!

E se quiser convidar Raposão para um churrasquinho, meu telefone está lá embaixo, ao final desta coluna.

ESTRADA DE ITATIBA À 60 KM/H !!!???


Aaaaaaah, faça-me o favor! Desde uma ou duas semanas que mudaram a velocidade da estrada Bragança-Itatiba de 80 km/h para 60 km/h!!!

Obviamente que irão falar que é para aumentar a segurança na estrada, mas não se animem, pois ninguém do governo ou seus órgãos está preocupado com sua segurança! Essa atitude parece ser tipicamente para arrecadar com multas, e sobre ela Raposão irá comentar na próxima coluna, mas desde já solicita ao deputado Edmir Chedid, que tem uma grande penetração junto aos órgãos que cuidam de nossas estradas, providências sobre tal fato.

Quem sabe Raposão nem precise comentar tal discrepância na semana que vem???

Aguardemos...

Um bom final de semana à todos, lembrando que esta coluna é meramente fictícia, com verdades e inverdades (cabendo à você, leitor, descobrir qual é qual?), e na sexta-feira que vem tem mais (se Deus assim consentir), lembrando que Raposão aceita dicas, opiniões, críticas e, é lógico, elogios (desde já, os agradeço), que podem ser feitos via e-mail, telefone (ver ambos abaixo), “sinais de fumaça” ou cartas para redação do BJD, situada à Av. Antônio Pires Pimentel nº 957, Centro, Bragança Paulista, CEP 12914-000. Acompanhem também Raposão na Internet, pelo site www.bjd.com.br e no Facebook (João Raposo Raposão Advogados Associados).

João José Raposo de Medeiros Jr. é advogado e colaborador do BJD desde 1982. Contatos pelo e-mail joao_raposo@terra.com.br ou pelo tel. 9-8353-5626 (cel. TIM) (digite o número 9 “mais” a palavra “TELEJOAO” no teclado do tel que dá esse número, bem mais fácil de guardar, não?).