BJD
31 máx 17 min
BragançaPaulista21 Jan 2018


Colunistas


Invenção do órgão
Sexta-Feira,  03 FEV 2017
Tamanho dos caracteres

 Nos documentos históricos, consta que a invenção do órgão é atribuída a “Ctesibios”, um engenheiro grego que viveu em Alexandria por volta do século III A.C. Esse novo instrumento foi chamado de “hidraulis”, porque o mecanismo pela produção do som era operado através de variações na pressão da água, o qual fez sucesso imediato.

Plínio, o Velho, colocou-o entre as maravilhas do mundo, listadas em seu livro “Historia Naturalis” (s.70 D.C.) e Vitruvius oferece uma descrição detalhada dele em “De Architectura” (s.14 D.C.).

Representações visuais do “hidraulis” aparecem em mosaicos, moedas e broches, permitindo-nos avaliar com precisão sua importância na vida cotidiana dos gregos antigos. Embora fosse essencialmente um instrumento doméstico, modelos maiores eram construídos para uso ao ar livre.

O órgão pneumático foi inventado no século IV, quando o mecanismo hidráulico foi substituído por foles. A mais antiga referência a este novo instrumento aparece num epigrama atribuído a São Juliano, o Apóstolo (ano 361), e sua primeira representação visual pode ser vista num obelisco erigido pelo Imperador Teodósio em Constantinopla durante o século IV.

Quanto às descrições destes instrumentos, todas elas enfatizam o seu alto volume, conforme exemplificado pelo comentário do filósofo Cassiodoro (s. 485-580). CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO